Circulo Biblico Atos dos Apóstolos (capitulo 3)

Pintura mais antiga do rosto de Paulo, encontrada nas catacumbas romanas

Um homem chamado Saulo

Saulo aparece discretamente no capitulo anterior, não há uma citação direta sobre Saulo ter ou atirado alguma pedra em Estevão, mas a sua participação como cúmplice é bem evidente.

Capitulo 8

Aqui a perseguição a comunidade dos Nazarenos fica declarada. O capitulo começa com Saulo e fica bem claro a posição dele assim como a dos judeus. A comunidade se dispersava por toda a região judéia. Filipe foi para uma cidade da Samaria (hoje temos certeza de que ele foi para Cesaréia)  lá um mago de nome Simão, famoso e rico tentou comprar os dons de profecia e cura dos apóstolos, e procurou Filipe primeiro para aderir a comunidade (se não pode vencê-lo junte-sa a ele ),depois com a chegada de Pedro e  João à cidade, e deles começarem a impor as mãos sobre aqueles que seriam apóstolos, ele ofereceu muito dinheiro, mas o discípulo não aceitou e ainda dispensou o mago. A riqueza muitas vezes faz com que os abastados pensem que estão acima de tudo e que seu dinheiro pode pagar até a fé e os dons dados pelo espírito santo. Existem hoje pessoas que se dizem “celebridades” que a todo momento evocam sua suposta importância, para tentarem algum tipo de vantagem ou humilhar algumas pessoas. Simão fazia parte destas pessoas, mas foi colocado no devido lugar por Filipe, Pedro e João. O capitulo 8 praticamente fala só de Filipe, e mostra sua sabedoria, deixando um pouco de lado os outros apóstolos. É interessante ver os prodígios dele e a conversão de um eunuco no fim do capitulo.

A Samaria não foi escolhida ao acaso para ser a 1ª a ser evangelizada, depois de Jerusalém. Existia um ódio muito grande entre judeus e samaritanos, mas Lucas diz que os samaritanos tem um bom espírito ( vide Lc 10,25-37;17,16-18), e quem foi enviado na frente foi Filipe que é helenista (judeu-cristão de língua grega), ou seja que tinha pouca coisa a ver com as tradições judias. Ele preparou o terreno para a chegada de Pedro e João. Se tivesse sido enviado um hebreu tradicional, talvez não tivesse conquistado tantos.

Capitulo 9

O circulo bíblico é uma reflexão que nos instiga a ler a Bíblia com uma visão aberta e conhecimentos de pormenores que não dispensam a leitura orante da palavra, mas ajuda em alguns quesitos para que se entenda e se possa transmitir este entendimento de uma maneira eficaz.

Pois bem. Chegamos a um capitulo quase que central dos Atos, aqui veremos o que acontece com Saulo, O próprio vai descrever estes fatos em suas epístolas Gl 1,11-16; 1Cor 15,8-10; Fl 3,6-12, mas nota-se que o relato dele difere em muitos pontos do relato de Lucas, o que não deixa de ser óbvio pelo fato de Lucas ter ouvido falar e ele ter vivido a experiência. Vale a pena ler este capitulo e depois lermos as cartas citadas, vale como aprendizado, deveras valioso. Como acontece até hoje, quem conta aumenta um ponto.

Saulo deveria ter 27 anos quando trabalhava como perseguidor dos  cristãos. Era considerado pelo Sinédrio , pois perseguia cristãos bem distante de JerusaléImagem mais conhecida de São Paulom. Damasco ficava 220 Km de jerusalém.

Saulo = nome hebraico até o capitulo 13. Paulo= nome romano que servirá para que ele circule livremente por toda a Palestina e Judéia, lembrando que sua família comprou a cidadania romana, o que era comum entre os abastados da época. A mudança de nome ocorre no capitulo 13, e simboliza uma nova vida e o apostolado entre os cristãos. Pedro também mudara o nome. No At, Saulo é citado 12 vezes como perseguidor dos cristãos, talvez Lucas tenha tido a intenção de fazer um paralelo :12 tribos de Israel, 12 discipulos de Jesus, 12 perseguições antes da conversão.

Saulo é um judeu autêntico, que sempre defendeu com ardor os mandamentos da Torá. Sabemos que a maioria das religiões são focadas nas suas tradições, e que ensinam seus filhos os valores de cada preceito. Algo louvavél, que precisa ser feito, ante o ataque de outros meios de comunicação que tem ensinado valores deturpados para os jovens e crianças, e até alguns adultos, pregando a concorrência desleal, e a busca de um lucro em decorrência da desgraça do outro.

Saulo, assim como os judeus da época (talvez até hoje), esperava um rei messiânico, um messias grandioso que livraria a nação judaica do domínio romano, e não um messias que pregaria a paz e o amor ao próximo, e depois morreria de forma humilhante na cruz. É fácil notar que Judas Iscariotes também  pensava assim, e por isso mesmo entregou Jesus, na esperança de que os seguidores dele se revoltassem e libertassem o mestre.

Saulo era da cidade de Tarso.

Reinava naquela época o rei Herodes Agripa I, e ele mesmo pediu que Saulo fosse a Damasco, uma cidade que segundo as informações estava cheia de cristãos e capturasse os lideres.

Sai com um grupo de soldados do templo. A poucos quilômetros de Damasco, Saulo olha para o céu  parece ouvir algo e cai do cavalo. Cai cego. Diz que foi envolvido por uma luz tão forte como o sol e ouviu:

Saul, Saul! porque me persegues?                                                                        

Quem és, senhor?

Eu sou Jesus, a quem tu persegues! Levanta e entre na cidade. Lá te dirão o que fazer.

Os companheiros de Saulo, ouviram a voz, não viram a luz, e ficaram com medo. Ajudaram Saulo a entrar na cidade, e ficaram ali . Saulo tinha sido derrotado, não enxergava mais quem perseguir, recebia ordens e não as dava. seus comandados viram o poder de Jesus, ao derrotar sem nenhuma arma seu comandante. O mundo de Saulo agora era escuridão, a verdade que ele via se apagara e só quando a luz de Deus viesse ele conheceria um novo mundo. Aqui 1-29, Jesus mostra que perseguir a sua igreja é persegui-lo diretamente.

Durante 3 dias Saulo ficou cego, e não comeu nem bebeu nada. depois deste tempo chegou Ananias um apóstolo importante em Damasco e veio conversar com ele, impõe-lhe as mãos e curá-lo. Saulo converteu-se e foi batizado, provavelmente seus companheiros também, apesar de não haver o relato. Lucas aqui como  bom escritor que era faz um paralelo entre a cegueira de Saulo ( 3 dias sem ver a luz) e a morte de Jesus (3 dias até a ressurreição). Saulo fica 3 dias para ver a luz e ter uma vida nova, assim como Cristo.

Saulo começa a pregar em algumas sinagogas de Damasco, mas tem que fugir as pressas, pois os judeus iam matá-lo. Foge para Jerusalém, mas encontra dificuldades em ser acolhido. Lucas omite o fato de terem se passado 3 anos até que Saulo retornasse para Jerusalém (Gl 1, 16-24) e na realidade encontrou-se apenas com Pedro e Tiago. No relato dos At, Saulo se encontra com a comunidade reunida e enfrenta a desconfiança natural de todos. Aqui temos Barnabé como interlocutor e intercessor de Saulo, e apresentador dele aos principais discípulos. Mas isso não interfere em nada no valor do texto final. Saulo mais uma vez enfrentava um plano para assassiná-lo, e foi enviado para Cesaréia e depois para sua cidade natal, Tarso.

No final do capitulo 31-43, temos algumas ações de Pedro, e a constatação de que ele ficava circulando de cidade em cidade. Lucas descreve a cura de um paralítico em Lida e a ressurreição de uma mulher chamada Tábita, em Jope (cidade próxima de Lida) .

As contradições entre as declarações de Lucas, e o que Paulo vai escrever em algumas de suas cartas, são interessantes, mas não ao ponto de desqualificar o texto dos Atos.

O que há de mais importante na leitura orante dos Atos dos Apóstolos, é o fato de que as comunidades primitivas enfrentavam problemas como as comunidades cristãs atuais. Desde as opiniões diferentes quanto a questões de interpretação da mensagem de Jesus. Assim como naquela época temos os que fazem muito, e outros que não se importam tanto, assim como inveja de uns poucos das figuras de destaque.

Acompanhe os posts e perceba estas semelhanças.

Vale dizer que na edição 2110 de 8/7/2009 da Revista Veja, foi publicada uma reportagem que dizia :O Vaticano acredita ter encontrado, na 2ª maior basílica de Roma, os restos mortais do apóstolo Paulo, martirizado no século I.

Circulo Bíblico : Atos dos Apóstolos (capitulo 2)

Quais são os pilares da comunidade nos tempos dos Atos dos apóstolos?

Perseverança nos ensinamentos de Jesus – At 4,8-13

Comunhão fraterna – At 2,42-45

Fração do pão (Missa) – At 2,46

Oração – At 3,1; 4,31

Estes pilares deveriam ser os pilares de todas as comunidades atuais. Mas o que vemos é uma divergência enorme entre o que as comunidades cristãs deveriam ser e o que fazem, principalmente em relação a comunhão fraterna e a perseverança nos ensinamentos de Jesus.

O livro dos At é por excelência o livro do Espírito Santo, as ações se iniciam em sua grande maioria a partir do espírito santo, e ele é citado nominalmente 58 vezes durante o livro.

At 5,

No inicio do capitulo 5 dos At vemos o relato de que um homem chamado Ananias e sua esposa Safira caírem mortos aos pés de Pedro, por quererem fazer parte da comunidade, mas se negarem a repartir os bens, escondendo parte do lucro com a venda de um terreno e tentando enganar a comunidade de fé. Aqui existe uma espécie de parábola para mostrar que o crime não está no fato de não partilhar algo que é seu, mas sim na mentira ao tentar enganar a Deus. A mão de Deus pesa como no antigo Testamento. A morte aqui pode ser entendida como espiritual. Existe para cada um de nós um questionamento: enganamos a Deus ou tentamos? Mas não conseguimos esconder nada de Deus.

At 5,17-42

A perseguição aos nazarenos começa a ser narrada mais intensamente à partir desta parte do livro.

Os Saduceus aprisionaram os apóstolos que pregavam em Jerusalém, e faziam curas em plena praça pública. mas durante a noite um anjo foi e soltou todos eles, sem abrir as portas. Esse mesmo anjo disse que eles deveriam continuar a pregar, só que desta vez no Templo.               Ao chegarem na manhã seguinte foi convocado todo o Sinédrio para que esses apóstolos fossem julgados, note que assim como Jesus sofreu um julgamento as pressas, a intenção dos sacerdotes era a mesma, julgar os apóstolos sem direito a defesa, e depois pedir aos romanos que executassem eles. O interessante esta na surpresa da descoberta da fuga milagrosa dos apóstolos e mais ainda da estranheza de que a cela estava totalmente trancada.

Mesmo ante isso, e a descoberta de que os apóstolos estavam no Templo, desafiando a lei onde só os sacerdotes poderiam pregar . Lógico que foram novamente trazidos ao sinédrio e desafiaram os sacerdotes (At 5,27-32). A simples citação do nome de Jesus já fez com os sacerdotes ansiassem por matarem aqueles homens, mas surpreendentemente, um fariseu de  nome  Gamaliel, doutor da lei estimado intercedeu pelos apóstolos, não por concordar com a fé deles , mas por achar que a religião deles morreria em breve, e fez comparações com outros supostos messias que juntaram seguidores mas caíram no esquecimento. Mas algo que Gamaliel disse deve ser levado em conta : Se o projeto deles é de origem humana, será destruído. mas se for de Deus ninguém poderia aniquiná-los. Cuidado para que não se metessem contra Deus. Mesmo não acreditando naqueles homens, ele tinha um certo temor, pelo fato da história do sumiço do corpo de Jesus e sua suposta ressurreição ainda serem recentes.

Estranhamente os apóstolos foram açoitados, e libertos e ainda saíram contentes por sofrerem insultos e agressões em nome de Jesus.

At 6

Chegamos a um ponto onde muitos fiéis foram acolhidos na comunidade, mas também aconteceram as primeiras divergências mais sérias. Como muitos dos novos fiéis eram de origem grega entraram em atrito com os de origem Hebraica. Vemos isso muitas vezes nas comunidades atuais onde novos membros sofrem da desconfiança dos mais velhos, e estes não aceitam de pronto novas idéias.

Aqui também acontece a escolha de novos ministérios, com mais apóstolos para a acolhida e ainda assim houve muita discussão. É neste ponto do relato que ouvimos falar pela 1ª vez de Estêvão, Lucas vai descrevê-lo como o modelo ideal de cristão, e ele terá papel muito importante durante parte do livro. Estêvão aqui é vitima de algo que faz mal ainda na sociedade, e dentro da comunidade é um câncer que destrói e muito,  a fofoca e a inveja. Como Estêvão se tornou um apóstolo de destaque dentro da comunidade, ele foi traído por membros que apesar de estar ali, não haviam recebido o Espírito Santo, ou não acreditavam realmente naquilo. Assim como Judas Iscariotes, estes também traíram. Estêvão então foi preso e levado ao Sinédrio.

At 7

A história de Moisés é recontada neste capitulo, e serve também como comparação a história do próprio Jesus. A história do povo hebreu é o ponto de partida, o que da a entender  que Estêvão era um estudioso da fé, mas no texto é como se ele falasse pelo Espírito Santo.

A comparação da história de Moisés com a de Jesus é bem óbvia:

A fuga para escapar do massacre das crianças.

Vieram libertar o povo pela palavra, enviados por Deus.

Estevão clamando aos céus

Não agiram sozinhos.

Subiam as montanhas para falar com Deus. 

At 7,35-37 narra estes fatos mas condenam Estêvão, que acusa os sacerdotes de não serem fiéis a lei. Em At 7,54-60 Estêvão é apedrejado e entrega o seu espírito a Deus. Também vemos pela primeira vez a citação de um jovem que segurava os mantos dos assassinos de Estêvão e assistia impassível a tudo. Lucas aqui quis mostrar que alguém importante da comunidade saia de cena, no caso Estevão e alguém que teria papel decisivo entrava em foco, por isso citou Saulo.

 

Apedrejamento de Estevão