Atos dos Apóstolos (Círculo Bíblico – 8/10)

Círculo Bíblico: Atos dos Apóstolos – Encontro 8/10

maxresdefault (1)

Este é o oitavo de uma série de 10 posts que tratarão de um Círculo Bíblico sobre o livro dos Atos dos Apóstolos. A ideia é fazer encontros com a comunidade ou grupos interessados no estudo da Bíblia (dentro ou fora da igreja) e não uma palestra onde um fala e os outros ouvem, mas sim uma partilha numa conversa, mais como uma vivência da fé do que apenas um sermão. Para isso é importante que todos tenham nas mãos a Bíblia e caso contrário, ao menos o livro dos Atos dos Apóstolos (editoras como a Paulus tem edições mais acessíveis apenas com os livros separados da Bíblia como um todo) ou em ultimo caso um folheto impresso com os capítulos que serão lidos. De qualquer forma o ambiente é muito importante e mais ainda que sejam respeitados horários, dias e frequências com que os encontros acontecerão. Funciona muito bem se for uma vez por semana, mas a demanda dos participantes deve ser levada em consideração. Grupos com até 20 pessoas são mais interessantes do que grandes grupos, para que o trabalho seja mais próximo, mas não impede que sejam formados grupos bem maiores. É indispensável que tenha-se ao menos uma equipe (podem ser 2 ou 3 pessoas) para preparar o espaço (decoração, café ou suco ou lanche se for o caso) e tentar fazer estes encontros na igreja e ainda melhor se for nas casas das pessoas. Exemplo: Hoje é na casa do João, no próximo encontro o grupo vai na casa da Maria e assim por diante, assim já se cria um ambiente mais amigável e familiar abrindo a possibilidade da família acolhedora partilhar. Não posso esquecer de frisar que os encontros devem durar até 50 minutos (1 hora no máximo), encontros muito longos não são proveitosos, se tornam cansativos e desestimulam a participação no restante do círculo. Entregar um certificado no final é uma boa ideia.

Cronograma

  1. Oração Inicial
  2. Canto
  3. Leitura (dividir em partes para que todos que se sentirem a vontade possam ler)
  4. Junto com cada parte lida cabe a discussão sobre o que foi lido
  5. Plenária (o que cada um entendeu)
  6. Fechamento com uma oração e o abraço da paz (um canto também é interessante)

Seja feita a vontade do Senhor

jerusalem_tempodejesus

At 21, 1 – 40

Jerusalém, a cidade da Paz, hoje conhecida como a cidade Santa (mesmo em meio a uma guerra de anos ou séculos) foi o destino de Paulo. Mesmo sabendo que estava sendo procurado, assim como todos os lideres cristãos, ele tinha uma missão de honra e honestidade que era levar a coleta das comunidades asiáticas para as comunidades pobres de Jerusalém.

Em 21, 1 – 14 é contado sobre sua viagem e as passagens por Mileto (local do ultimo discurso), Cós, Rodes, Pátara e Tiro (onde passou sete dias com as comunidades daquela localidade) e em todos estes lugares os fiéis tentaram convencer Paulo do perigo de se ir para Jerusalém, mas mesmo que estes alertas sejam inspirados pelo Espírito Santo, a decisão de Paulo também é. O Espírito Santo inspira cada um de um jeito. O apóstolo sai de Tiro e segue para Ptolemaida e então Cesaréia onde foi hospedado na casa de Filipe, um dos sete mencionados em Atos 6, interessante que Lucas entra em detalhes sobre o discípulo contando que Filipe tinha quatro filhas que profetizavam. Paulo permanece vários dias na casa de Filipe, e um profeta chamado Ágabo faz uma pantomima, mostrando o que vai acontecer com o apóstolo em Jerusalém: pés e mãos acorrentados.

A comunidade mais uma vez tenta tirar Paulo do caminho de Jerusalém e o apóstolo entra em aflição não por medo, mas pelo choro e tristeza dos irmãos, de qualquer maneira ele está pronto para o martírio e como o próprio Jesus ele não recusava e dizia: Seja feita a vontade do Senhor.

Já em 21, 15 – 26 Paulo chega a Jerusalém em meio a uma verdadeira confusão, numa Palestina que fervia de revolta, porque os judeus se preparavam para enfrentar o poder romano e desconfiavam de tudo e todos que vinham de fora. Paulo acabava sendo suspeito por vir de fora e por exercer intensa atividade entre os pagãos. Ai entendemos  o conselho do discípulo Tiago e de toda a igreja de Jerusalém quando colocam Paulo a par do que acontece em Jerusalém, e de que os judeus convertidos ao cristianismo pensam sobre ele, pois acham que Paulo está enfraquecendo o judaísmo, ensinando os judeus que vivem fora da Palestina a não observarem a Lei de Moisés e a não praticarem mais a circuncisão. Nós sabemos hoje que Paulo jamais fez isso, ele não obrigava os pagãos a serem judeus, mas nunca desobrigou os judeus dos seus costumes. Uma calúnia que levaria Paulo a ser preso.

Tiago tinha um plano e Paulo se sujeitou humildemente a este plano que era pagar pelo voto de nazireato de quatro judeus pobres, um voto caro. Com este plano Paulo seria visto no Templo, colaborando com os judeus e tudo poderia ser resolvido. Porém na sequência (21, 27 – 40) Paulo é avistado por alguns judeus da Ásia, agarrado e levado para fora do Templo, depois foi acusado e logo preso. Logo no final do capítulo Paulo pede a palavra.

Paulo é preso no templo em Jerusalém (5)

Paulo preso no Templo de Jerusalém

At 22, 1 -30

No meio do conflito Paulo pede a palavra e faz um discurso a multidão. É muito improvável que tenha ocorrido este discurso já que as autoridades judaicas não deixariam que ele se pronunciasse. No discurso de Paulo narrado por Lucas, ele conta como foi sua conversão e o porque toda a sua missão em nome de Jesus. Já no fim do discurso, os judeus começaram a gritar e pedir a morte de Paulo. O tribuno então ordenou que ele fosse açoitado e torturado para entender o porque os judeus estavam tão irritados com ele. Porém Paulo perguntou a um centurião se um cidadão romano (caso dele) poderia ser açoitado sem ter sido julgado, e com isso escapou do castigo e foi levado ao grande conselho.

Este ponto do Círculo Bíblico é para se refletir em algumas perguntas:

  • O Espírito Santo age de muitas formas, em cada uma das pessoas. Como podemos discernir o que ele quer?
  • Estamos conscientes de que Jesus não se encontra apenas na igreja, mas em todo lugar em que o seu nome é invocado? Então qual é o motivo de frequentar a comunidade?

paulotarso

 

At 23, 1 – 35

Julgamento de Paulo pelo Sinédrio

Quando começou a falar perante o Sinédrio, Ananias, que era o sumo sacerdote, mandou que lhe batessem na boca (At 23, 2) que era um sinal de desaprovação,  e Paulo o amaldiçoa: “Deus te ferirá também a ti, hipócrita! Tu estás aí assentado para julgar-me segundo a lei, e contra a lei mandas que eu seja ferido? 4.Os assistentes disseram: Tu injurias o sumo sacerdote de Deus.” (At 23,3 – 4). Em seguida, Paulo se aproveitou da divisão dos judeus entre fariseus e saduceus e declarou o que acreditava ser o motivo de seu julgamento: “Paulo sabia que uma parte do Sinédrio era de saduceus e a outra de fariseus e disse em alta voz.: Irmãos, eu sou fariseu, filho de fariseus. Por causa da minha esperança na ressurreição dos mortos é que sou julgado. 7.Ao dizer ele estas palavras, houve uma discussão entre os fariseus e os saduceus, e dividiu-se a assembléia. 8.(Pois os saduceus afirmam não haver ressurreição, nem anjos, nem espíritos, mas os fariseus admitem uma e outra coisa.)”
Atos dos Apóstolos, 23, 6 – 9 – Bíblia Católica Online

Uma enorme confusão se seguiu, pois os saduceus, que afirmavam que não existiam anjos e nem espíritos, queriam condená-lo enquanto os fariseus defendiam sua inocência. Com medo de Paulo ser ferido, o tribuno romano o levou de volta para a cidadela. Preso, Paulo teve uma nova visão e foi reconfortado com a previsão de que daria seu testemunho em Roma como já havia feito em Jerusalém.

Complô para assassinar Paulo

Quando Paulo estava preso, um grupo de mais de quarenta judeus articulou para assassiná-lo através de um estratagema. Eles pediram aos sacerdotes e anciãos que mandassem buscar Paulo sob o pretexto de «investigar com mais precisão a sua causa» (At 23,15), mas a intenção real era matá-lo assim que se apresentasse. Um”filho da irmã de Paulo” descobriu o plano e contou para o tio, que pediu que ele falasse com o tribuno. Este, depois de orientar que o rapaz guardasse segredo sobre o que havia lhe revelado, decidiu que Jerusalém não era mais segura (At 23,11-23).

De Jerusalém a Cesareia

Escoltado por uma verdadeira tropa formada de duzentos soldados de infantaria, setenta de cavalaria e duzentos lanceiros (At 23,23), Paulo foi enviado para o governador romano da Judeia, Félix, juntamente com uma carta do tribuno, que chamava-se “Lísias”. Os soldados acompanharam-no até Antipátrida e retornaram, deixando-o com a cavalaria. Ao chegar em Cesareia, o governador descobriu que Paulo era da Cilícia (região onde estava Tarso) mandou prendê-lo no “Pretório de Herodes” enquanto aguardava a chegada de seus acusadores, que mandou buscar em Jerusalém (At 23,24-35).

Refletindo

A perseguição por causa da fé. Mais que isto, uma perseguição por causa de uma fé diferente da sua. A comunidade cristã florescendo no tempo dos Atos vive todos os seus problemas, dilemas e questões e vê um dos seus maiores lideres (sem nos esquecermos dos discípulos) ser perseguido e preso por ter a coragem de falar do amor de Jesus.

Temos esta coragem hoje?

Mais ainda, acreditamos realmente que Jesus Cristo é a nossa salvação? Vivemos de forma plena o Evangelho?

O que vejo são pessoas turistas da fé, que hoje estão numa igreja, amanhã em outra e nunca são verdadeiros apóstolos de religião nenhuma. É comodo dizer que é católico, evangélico, protestante (para ficar nas religiões cristãs) e se declarar não praticante, ou frequentador de vez em quando. Deste comodismo nenhum discípulo ou apóstolo verdadeiro viveu ou vive. Então repito a pergunta para que cada um possa pensar:

Temos esta coragem hoje? A coragem de sermos fiéis como Paulo.

Milton Cesar

São Timóteo de Éfeso

santo-timc3b3teo

São Timóteo, conheceu e foi discípulo de Nosso Senhor seguindo as pegadas do Evangelista João

Timóteo (em gregoΤιμόθεος – Timótheos, que significa “honrando a Deus” ou “honrado por Deus”) foi um bispo cristão do século I d.C. que morreu por volta do ano 80 d.C. O Novo Testamento indica que Timóteo esteve com Paulo de Tarso, que era seu mentor, durante as suas viagens missionárias. Ele é considerado como sendo o destinatário das Epístolas a Timóteo. Ele está listado como um dos Setenta Discípulos.

Sua vida foi marcada pela evangelização, pela santidade de São Paulo e também de São João Evangelista. A respeito dele, certa vez, São Paulo escreveu em uma de suas cartas: “A Timóteo, filho caríssimo: graça, misericórdia, paz, da parte de Deus Pai e de Jesus Cristo, Nosso Senhor!” (II Timóteo 1,2).

Nesta carta, vamos percebendo que ele foi fruto de uma evangelização que atingiu não somente a ele, mas também sua família: “Quando me vêm ao pensamento as tuas lágrimas, sinto grande desejo de te ver para me encher de alegria. Confesso a lembrança daquela tua fé tão sincera que foi primeiro a de tua avó Lóide e de tua mãe, Eunice e, não tenho a menor dúvida, habita em ti também”. (II Timóteo 1,4-5) Por isso, São Paulo foi marcado pelo testemunho de São Timóteo, que se deixou influenciar também por São Paulo. Tornou-se, mais tarde, além de um apóstolo, um companheiro de São Paulo em muitas viagens.

Primeiro bispo de Éfeso, foi neste contexto que ele conheceu e foi discípulo de Nosso Senhor seguindo as pegadas do Evangelista João.

Conta-nos a tradição que, no ano de 95, o santo havia sido atingido por pagãos resistentes à Boa Nova do Senhor e, por isso, martirizado. São Timóteo, homem de oração, um apóstolo de entrega total a Jesus Cristo. Viveu a fé em família, mas também propagou a fé para que todos conhecessem Deus que é paz.

Peçamos a intercessão desse grande santo para que sejamos apóstolos nos tempos de hoje.

São Timóteo, rogai por nós!

 

fides - Copia

Como base de estudo foi usado:

Atos dos Apóstolos (Círculo Bíblico – 7/10)

Círculo Bíblico: Atos dos Apóstolos – Encontro 7/10

Este é o sétimo de uma série de 10 posts que tratarão de um Círculo Bíblico sobre o livro dos Atos dos Apóstolos. A ideia é fazer encontros com a comunidade ou grupos interessados no estudo da Bíblia (dentro ou fora da igreja) e não uma palestra onde um fala e os outros ouvem, mas sim uma partilha numa conversa, mais como uma vivência da fé do que apenas um sermão. Para isso é importante que todos tenham nas mãos a Bíblia e caso contrário, ao menos o livro dos Atos dos Apóstolos (editoras como a Paulus tem edições mais acessíveis apenas com os livros separados da Bíblia como um todo) ou em ultimo caso um folheto impresso com os capítulos que serão lidos. De qualquer forma o ambiente é muito importante e mais ainda que sejam respeitados horários, dias e frequências com que os encontros acontecerão. Funciona muito bem se for uma vez por semana, mas a demanda dos participantes deve ser levada em consideração. Grupos com até 20 pessoas são mais interessantes do que grandes grupos, para que o trabalho seja mais próximo, mas não impede que sejam formados grupos bem maiores. É indispensável que tenha-se ao menos uma equipe (podem ser 2 ou 3 pessoas) para preparar o espaço (decoração, café ou suco ou lanche se for o caso) e tentar fazer estes encontros na igreja e ainda melhor se for nas casas das pessoas. Exemplo: Hoje é na casa do João, no próximo encontro o grupo vai na casa da Maria e assim por diante, assim já se cria um ambiente mais amigável e familiar abrindo a possibilidade da família acolhedora partilhar. Não posso esquecer de frisar que os encontros devem durar até 50 minutos (1 hora no máximo), encontros muito longos não são proveitosos, se tornam cansativos e desestimulam a participação no restante do círculo. Entregar um certificado no final é uma boa ideia.

Cronograma

  1. Oração Inicial
  2. Canto
  3. Leitura (dividir em partes para que todos que se sentirem a vontade possam ler)
  4. Junto com cada parte lida cabe a discussão sobre o que foi lido
  5. Plenária (o que cada um entendeu)
  6. Fechamento com uma oração e o abraço da paz (um canto também é interessante)
pablo-apostol-de-cristo-grande

Lucas e Paulo (cena do filme Paulo, Apóstolo de Cristo)

Não temas! Fala e não te cales.

At 18, 1 – 28

Bem no início do capítulo temos o relato de que Paulo chega a Corinto vindo de Atenas. E também descobrimos que ele é um “fabricante de tendas”, profissão lucrativa que também explica de onde veio o dinheiro para sua família comprar o titulo de cidadão romano que ele carregava. Paulo com certeza era de família judia rica, o que por si só explica a sua formação. Descobrimos a profissão do apóstolo ao sermos apresentados as figuras de Áquila e sua esposa Priscila que também eram fabricantes de tendas e acolheram Paulo deixando que ele trabalhasse junto a eles.

Áquila e Priscila tinham vindo recentemente da Itália aparentemente fugindo da perseguição imposta por Cláudio que ordenara a retirada de todos os judeus de Roma. Paulo ficou pregando todos os sábados na sinagoga convertendo gregos e judeus, até que Timóteo e Silas chegaram a Corinto, vindos de sua missão na Macedônia. Paulo se irritou com tantas acusações e blasfêmias que sofreu enquanto pregava e anunciou que iria pregar apenas aos gentios já que os judeus não o ouviam e foi para a casa de um prosélito de nome Tício Justo. Mas sem que soubesse o próprio chefe da sinagoga de nome Crispo foi convertido junto com sua família e depois disso muitos do povo de Corinto também foi convertido.

Paulo ainda inflexível e irritado com os judeus. “Numa noite, o Senhor disse a Paulo em visão: Não temas! Fala e não te cales. 10.Porque eu estou contigo. Ninguém se aproximará de ti para te fazer mal, pois tenho um numeroso povo nesta cidade. 11.Paulo deteve-se ali um ano e seis meses, ensinando a eles a palavra de Deus.”
(Atos dos Apóstolos, 18, 9 – 11 – Bíblia Católica Online)

Mais uma vez os judeus se juntaram e tentaram condenar Paulo a morte levando ele a presença de Galião procônsul de Caia (a autoridade romana da região), mas este não quis se meter nos assuntos da comunidade e não encostou em Paulo, porém os judeus espancaram o chefe local da sinagoga.

Depois de um tempo Paulo vai para Éfeso. Interessante que o relato de Lucas traz alguns detalhes, como o corte de cabelo de Paulo em Cêncris, já que seu voto de Nazireu havia acabado.

Nazireu (do hebraico nazir נזיר da raiz nazar נזר “consagrado”, “separado”), dentro da Torá é o termo que designa uma pessoa para serviços de Deus. Segundo a Bíblia, a marca mais comum da separação desta pessoa – que podia ser um homem ou uma mulher – era o uso do cabelo não cortado e a abstinência do consumo de vinho ou qualquer outro alimento feito de uva. O voto de nazireado (ou nazireato), foi institucionalizado e regulamentado na Torá no Livro de Números 6,1-21. Em virtude desta consagração, o nazireu devia abster-se de tomar certos alimentos e bebidas fermentadas, de cortar o cabelo e tocar em cadáveres, além de não comer carne em muitas circunstancias, Romanos 14,21 mostra uma carta de Paulo, em seu tempo nazireato. Estas exigências particulares parecem traduzir os seguintes princípios: manter-se mentalmente são (“abster-se de vinho e de bebida fermentada”) e em sujeição a Deus (simbolizado pelo não cortar o cabelo) e manter-se cerimonialmente puro (não tocar em cadáveres).

João Batista teria sido também um nazireu, embora o Novo Testamento nunca se refira a ele usando diretamente este termo. O seu estatuto de nazireu deduz-se devido ao seu estilo de vida ascético; em Lucas 1,15 o anjo informa a Zacarias, pai de João, que a sua mulher dará à luz um filho que “não beberá vinho nem bebida alcoólica”.

O apóstolo Paulo, junto com outros cristãos, fizeram também um voto temporário de nazireato (Atos 18,18 até Atos 21,23-26).

Este tipo de consagração é considerado pelos teólogos católicos como modelo precursor do monasticismo cristão. Já outras denominações cristãs, encaram-no como precursor do ministério religioso por tempo integral. Embora depois da destruição do segundo templo de Jerusalém o voto Nazireu oficialmente foi extinto pois ele era possível somente com o templo em funcionamento, O Segundo Templo foi o templo que o povo judeu construiu após o regresso a Jerusalém, após o Cativeiro Babilônico, no mesmo local onde o Templo de Salomão existira antes de ser destruído. Manteve-se erguido entre 515 a.C. e 70 d.C. quando foi destruído pelos Romanos, tendo sido, durante este período, o centro de culto e adoração do Judaísmo.                                                                        (Wikipedia)

Este slideshow necessita de JavaScript.

At 19, 1 -41

Neste ponto começa a terceira viagem missionária de Paulo. Ele sai de Jerusalém e vai para a Antioquia, que havia se tornado seu ponto de partida e chegada em todas as suas viagens. De Antioquia o apóstolo vai para Éfeso.

No relato de Lucas, ele fica mais focado nos desvios religiosos que ameaçavam os cristãos, um exemplo está em At 19, 13-17 onde ele fala de pessoas usando o nome de Jesus em vão para beneficio próprio e para arregimentar fiéis (lembra alguns comportamentos em certas seitas por ai hoje em dia?).

Mas é interessante saber que historicamente essa viagem de Paulo a Éfeso foi de intensa atividade, nesta cidade foram escritas muitas epístolas:

Apesar do texto de Lucas não citar, Paulo foi preso nesta época e sofreu bastante. (ver 2 Cor 1,8 e Fl)

Éfeso devia ser um centro importante de maio-cristãos judeus. Por isso Paulo acaba se encontrando com cerca de 12 seguidores de João Batista. Aparentemente Lucas quer mostrar que é preciso mais que apenas o batismo realizado por João seria preciso também ser batizado no Espírito Santo em nome de Jesus. Comparando com a prática da nossa igreja Católica, onde além do Batismo é necessário também a Confirmação (Crisma) que é o batismo no Espírito Santo, Lucas parece direcionar o que se tornou prática na igreja nascente na comunidade dos Atos. Neste capitulo também acontece o que ficou conhecido pelos teólogos como o terceiro Pentecostes (lembrando que o primeiro foi em At 2 e o segundo em At 10), mas não existe um consenso se foi apenas uma maneira de Lucas exemplificar o que seria uma norma na igreja.

O combate a idolatria aparece no final deste capitulo com a confusão causada pelos ourives, que faziam lembrancinhas Ártemis e ganhavam muito dinheiro, porém começavam a enfrentar problemas pela mensagem dos cristãos.

Uma boa pergunta para ser respondida durante o círculo bíblico seria:

Servir-se hoje da religião para explorar o povo. Isso acontece ainda hoje? Porque?

2015_05_25_16_37_08

O apóstolo Paulo

At 20, 1 – 38

Neste capitulo Paulo parte de Éfeso e mostra como o centro da fé em Jesus Cristo está na Eucaristia. Também mostra que a comunidade tem que ajudar os que mais precisam. Alguns lugares a sede da igreja (a Paróquia) tem condições de ajudar os irmãos de outras comunidades menores mas não saem de seus lugares para não perderem o status.

Justamente nos versículos 17 a 38 Paulo praticamente encerra toda a sua vida  missionária com seu discurso de despedida aos presbíteros de Éfeso. Depois de sair de Éfeso ele irá para Jerusalém onde será preso, julgado e depois levado a Roma onde seria decapitado (mas isso é para os próximos capítulos). Lucas narra o discurso de Paulo pois ele foi muito importante também para o apóstolo.

O DISCURSO FINAL DE PAULO

  1. Convocação dos presbíteros de Éfeso: Paulo quer ouvir e falar com os anciãos responsáveis pelas comunidades de Éfeso.  At 20, 17-18a
  2. A atividade de Paulo na Ásia: O apóstolo relembra toda a sua atividade nestes anos e conclui que ele fez duas coisas (como ponto principal): Serviu ao Senhor e Anunciou a sua Palavra. At 20, 18b-21
  3. Momento decisivo: Paulo se prepara para um futuro sombrio. Parece saber que está chegando seu fim.Sabe que sua ida para Jerusalém pode ser decisiva. Ele foi alertado sobre os perigos em Jerusalém, mas ele é impulsionado pelo Espírito Santo. At 20, 22-24
  4. Primeira exortação e despedida: O apóstolo sabe que cumpriu seu dever sem se omitir e tem certeza de que não voltará mais a sua comunidade na Ásia. No versículo 28 ele exorta os presbíteros a serem os guardiões da fé e cuidarem da comunidade. At 20, 25-28
  5. Qual o futuro da comunidade e uma nova exortação: Paulo faz uma previsão dos dois perigos para a comunidade, um externo e um interno. 1. Lobos, ou seja, falsos profetas que tentarão dividir a comunidade. 2. Membros da comunidade que se desviarão e tentarão desviar outros na comunidade. Os dois perigos atingirão a comunidade da mesma forma: procurando desvirtuar a comunidade do caminho da fé. Paulo orienta a que todos vigiem. At 20, 29 -31
  6. Recomendação ao Senhor: Paulo entrega a comunidade ao Senhor e à sua Palavra. Quem dirige de fato a igreja é o Evangelho. At 20, 32
  7. Outras exortações: o apóstolo propõe o seu modo de vida como exemplo a ser seguido pela comunidade de fé. De quem o pastor, o líder, o presbítero deve depender? Nem da acumulação de bens, nem da sustentação oferecida pela comunidade, Paulo orienta que o líder religioso (como ele) sobreviva à custa do seu trabalho. Lembrando que o próprio apóstolo trabalhava. At 20, 33-35
  8. Última despedida: Todos de joelhos na praia fazem uma oração em comum. E aí temos o maior ensinamento de todos: é a oração que traz força e confiança para todos que foram chamados ao pastoreio das comunidades. At 20, 36-38
Baseado em parte do livro: Como Ler Os Atos dos Apóstolos – Ivo Storniolo (Paulus Editora)

Cópia de 350px-Map_of_Lydia_ancient_times-pt.svg

17″Mas de Mileto mandou a Éfeso chamar os anciãos da igreja. 18.Quando chegaram, e estando todos reunidos, disse-lhes: Vós sabeis de que modo sempre me tenho comportado para convosco, desde o primeiro dia em que entrei na Ásia. 19.Servi ao Senhor com toda a humildade, com lágrimas e no meio das provações que me sobrevieram pelas ciladas dos judeus. 20.Vós sabeis como não tenho negligenciado, como não tenho ocultado coisa alguma que vos podia ser útil. Preguei e vos instruí publicamente e dentro de vossas casas. 21.Preguei aos judeus e aos gentios a conversão a Deus e a fé em nosso Senhor Jesus. 22.Agora, constrangido pelo Espírito, vou a Jerusalém, ignorando a que ali me espera. 23.Só sei que, de cidade em cidade, o Espírito Santo me assegura que me esperam em Jerusalém cadeias e perseguições. 24.Mas nada disso temo, nem faço caso da minha vida, contanto que termine a minha carreira e o ministério da palavra que recebi do Senhor Jesus, para dar testemunho ao Evangelho da graça de Deus. 25.Sei agora que não tornareis a ver a minha face, todos vós, por entre os quais andei pregando o Reino de Deus. 26.Portanto, hoje eu protesto diante de vós que sou inocente do sangue de todos, 27.porque nada omiti no anúncio que vos fiz dos desígnios de Deus. 28.Cuidai de vós mesmos e de todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastorear a Igreja de Deus, que ele adquiriu com o seu próprio sangue. 29.Sei que depois da minha partida se introduzirão entre vós lobos cruéis, que não pouparão o rebanho. 30.Mesmo dentre vós surgirão homens que hão de proferir doutrinas perversas, com o intento de arrebatarem após si os discípulos. 31.Vigiai! Lembrai-vos, portanto, de que por três anos não cessei, noite e dia, de admoestar, com lágrimas, a cada um de vós. 32.Agora eu vos encomendo a Deus e à palavra da sua graça, àquele que é poderoso para edificar e dar a herança com os santificados. 33.De ninguém cobicei prata, nem ouro, nem vestes. 34.Vós mesmos sabeis: estas mãos proveram às minhas necessidades e às dos meus companheiros. 35.Em tudo vos tenho mostrado que assim, trabalhando, convém acudir os fracos e lembrar-se das palavras do Senhor Jesus, porquanto ele mesmo disse: É maior felicidade dar que receber! 36.A essas palavras, ele se pôs de joelhos a orar. 37.Derramaram-se em lágrimas e lançaram-se ao pescoço de Paulo para abraçá-lo, 38.aflitos, sobretudo pela palavra que tinha dito: Já não vereis a minha face. Em seguida, acompanharam-no até o navio.” Atos dos Apóstolos, 20, 17-38 – Bíblia Católica Online

Refletindo

Quanto mais adentramos no livro dos Atos dos Apóstolos, mais notamos as semelhanças com as dificuldades em se viver em comunidade, com as perseguições por causa da nossa fé. Mas também temos confirmadas algumas práticas que a igreja mantém, seguindo sempre os exemplos da comunidade dos Atos. Em particular podemos fazer um paralelo com os Sacramentos do Batismo, da Eucaristia e da Confirmação (Crisma) quando notamos que na pregação e orientação de Paulo e seus companheiros sempre existe a recomendação do batismo, da confirmação no Espírito santo e do partir do pão. Nota-se também como Paulo aponta o verdadeiro comportamento de quem vai ser um líder religioso, que não tem nada a ver com o que notamos em muitas igrejas, onde o líder é quem enriquece e busca sempre os privilégios. O apóstolo Paulo fala de se sustentar com seu trabalho, e servir a igreja sem cobrar por isso. Ou seja, o líder deve ter um trabalho comum e formal e doar o seu tempo sobressalente ao anúncio da palavra. Isso por si só já deveria demover tantos (e tantas) que se autodenominam lideres religiosos e ficam sendo sustentados pela igreja, sendo que muitos tiram mais que o sustento e se tornam empresários da fé.

Milton Cesar

Silas,_apostle

São Silas (em grego: Σίλας ou Σιλουανός), também chamado por vezes de São Silvano, foi um personagem proeminente do cristianismo primitivo e que depois acompanhou Paulo em algumas de suas viagens. Ele é contado entre os Setenta Discípulos.

Há alguma disputa sobre a forma correta de seu nome. Apesar de consistentemente ser chamado de “Silas” nos Atos dos Apóstolos, seu nome em latim era Silvanus, que significa “da floresta”, e é assim que ele é saudado por Paulo (por exemplo em 2 Coríntios 1,191 Tessalonicenses 1,1 e 2 Tessalonicenses 1,1) e na Primeira Epístola de Pedro (1 Pedro 5,12). É possível que Silvanus seja a forma romanizada do original “Silas”, ou que “Silas” seja o apelido grego para Silvanus. Fitzmyer nota que Silas é a versão grega do aramaico “Seila”, uma versão do Hebreu “Saul”, que aparece em algumas inscrições palmirenses.

No entanto, uma tradição posterior distingue os Silas e Silvano e o faz bispo de Corinto e Tessalônica. Silas aparece pela primeira vez nos Atos dos Apóstolos no final da narrativa sobre Concílio de Jerusalém (At 15,22-35). Após a discussão ocorrida no concílio a respeito da controvérsia da circuncisão, os fiéis ali reunidos e mais os apóstolos decidem escolher, por eleição, os companheiros de Paulo e Barnabé na viagem até Antioquia para levar o resultado do encontro. Esta eleição foi necessária para que não houvesse dúvidas sobre a isenção dos mensageiros a respeito da mensagem, algo que temiam os judeu-cristãos, liderados por Tiago, irmão de Jesus. Os eleitos então foram Silas e Judas, “chamado Barsabá”. Ambos era consideradas importantes entre os fiéis, talvez por serem profetas (At 15,32), uma virtude tão estimada que mesmo Paulo os coloca logo depois dos apóstolos e antes dos doutores e evangelistas em sua enumeração feita em 1 Coríntios 12,28 e Efésios 4,11. Paulo, Barnabé, Judas e Silas então partem de Jerusalém levando os decretos dos apóstolos aos irmãos em Antioquia e nas províncias romanas da Síria e Cilícia. Chegando em Antioquia, eles cumprem a missão que lhes foi dada. Judas retorna para Jerusalém e desaparece da história, enquanto Silas permanece na cidade.

A partir deste momento Silas sempre aparecerá ao lado de Paulo, pela Síria e Cilícia, incentivando os cristãos. Em Listra, a eles se junta Timóteo. Eles seguem viajando, passando pela FrígiaGalácia e, através da Mísia, chegam até Trôade. Em seguida, eles passam para a Grécia e em Filipos são vítimas de uma manifestação hostil incitada pelos proprietários de uma pobre escrava que tinham exorcizado (e que dava enormes lucros aos seus patrões). Eles são presos, mas acabam libertados quando se descobre que entre eles havia dois cidadãos romanos (At 16,30). Em Tessalônica, novamente são atacados, desta vez pelos judeus, e só se salvam pelas mãos de Jasão, o senhorio da casa onde estavam hospedados, que lhes paga uma fiança. Em seguida, em Bereia, Paulo segue para Atenas, deixando ali Silas e Timóteo (At 17,14).

Como Paulo havia lhes mandado avisar para que se juntassem a ele tão logo quanto possível (At 17, 15), é possível que eles o tenham feito e ido até Atenas. A partir dali, Timóteo foi enviado à Tessalônica e Silas para Filipos ou para Bereia. O encontro em Corinto (At 18,5) seria já na volta destas viagens.

Pedro e Silas

E esta é a última vez que o nome de Silas aparece nos Atos. Ele não está entre os companheiros de Paulo em sua terceira viagem. É possível que ele tenha ido com Paulo e Timóteo até Antioquia, onde teria se encontrado com Pedro (1 Pd 5,12), que o chama de “fiel irmão” (como Silvano).

fides - Copia

Como base de estudo foi usado:

O ano de 2018 é do Laicato no Brasil

“Vós sois o sal da terra. Se o sal perde o sabor, com que lhe será restituído o sabor? Para nada mais serve senão para ser lançado fora e calcado pelos homens. Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre uma montanha”
São Mateus, 5, 13 – 14 

d-730x400

Até o dia 25 de novembro de 2018 a Igreja estará celebrando o Ano do Laicato.

O tema escolhido para animar a mística do Ano do Laicato foi: “Cristãos leigos e leigas, sujeitos na ‘Igreja em saída’, a serviço do Reino” e o lema: “Sal da Terra e Luz do Mundo”, Mt 5,13-14. Segundo o bispo de Caçador (SC), dom Severino Clasen, presidente da Comissão Episcopal Especial para o Ano do Laicato, pretende-se trabalhar a mística do apaixonamento e seguimento a Jesus Cristo. “Isto leva o cristão leigo a tornar-se, de fato, um missionário na família e no trabalho, onde estiver vivendo”, disse o bispo.

O Ano do Laicato terá como objetivo geral: “Como Igreja, Povo de Deus, celebrar a presença e a organização dos cristãos leigos e leigas no Brasil; aprofundar a sua identidade, vocação, espiritualidade e missão; e testemunhar Jesus Cristo e seu Reino na sociedade”.

Documento nº 105

Pretende ainda: “Dinamizar o estudo e a prática do documento 105: ‘Cristãos leigos e leigas na Igreja e na Sociedade’ e demais documentos do Magistério, em especial do Papa Francisco, sobre o Laicato; e estimular a presença e a atuação dos cristãos leigos e leigas, ‘verdadeiros sujeitos eclesiais’ (DAp, n. 497a), como “sal, luz e fermento” na Igreja e na Sociedade.

thumb

Documento 105 CNBB

Oração do Laicato

Ó Trindade Santa, Amor pleno e eterno, que estabelecestes a Igreja como vossa ‘imagem terrena’:

Nós vos agradecemos pelos dons, carismas, vocações, ministérios e serviços que todos os membros do vosso povo realizam como “Igreja em saída”, para o bem comum, a missão evangelizadora e a transformação social, no caminho vosso Reino.

Nós vos louvamos pela presença e organização dos cristãos leigos e leigas no Brasil sujeitos eclesiais, testemunhas de fé, santidade e ação transformadora.

Nós vos pedimos que os batizados atuem como sal da terra e luz do mundo: na família, no trabalho, na política, e na economia, nas ciências e nas artes, na educação, na cultura e nos meios de comunicação; na cidade, no campo e em todo o planeta, nossa “casa comum”.

Nós vos rogamos que todos contribuam para que os cristãos leigos e leigas compreendam sua vocação e identidade, espiritualidade e missão, e atuem de forma organizada na Igreja e na sociedade à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres.

Isto vos suplicamos pela intercessão da Sagrada Família, Jesus, Maria e José, modelos para todos os cristão.

Amém!

Entenda a missão e o papel do leigo(a) na Igreja

download

O Concílio Vaticano II resgatou, de maneira iluminada, o papel do leigo na Igreja; por isso, hoje, graças a Deus, homens e mulheres leigos, jovens e até crianças fazem um trabalho maravilhoso de evangelização. Em nosso Continente, onde há uma enorme falta de sacerdotes, o leigo pode e deve dar a sua grande contribuição à Igreja na missão de salvar almas. O nosso Catecismo da Igreja Católica (CIC) diz que “todo leigo, em virtude dos dons que lhe foram conferidos, é, ao mesmo tempo, testemunha e instrumento vivo da própria missão da Igreja ‘pela medida do dom de Cristo’” (Ef 4,7) [CIC§913].

Cada leigo deve repetir com São Paulo: “Ai de mim se eu não evangelizar” (1Cor 9,16). Certa vez, falando aos bispos do Brasil em uma de suas visitas “ad limina, Papa João Paulo II disse a eles: ““O fiel leigo, na sua própria vida cristã e em sua atuação na Igreja, não é um mero auxiliar do bispo ou do padre. O batismo lhe dá direito e, portanto, também o dever de realizar em sua existência a ação sacerdotal de Cristo. Daí a justa autonomia do fiel leigo naquilo que lhe é próprio: em qualquer estado ou condição de vida, cada pessoa na sociedade, independentemente da sua raça e cultura, tem o lugar que lhe é devido e é chamada ‘a exercer a missão que Deus confiou à Igreja, para esta realizar no mundo’ (Código de Direito Canônico, 204).””

São Paulo nos lembra: ““Vós sois o Corpo de Cristo, e cada um de vós é um dos seus membros”” (1Cor 12,27).

anodolaicato

“A área específica do leigo é o apostolado no mundo secular, inserido nas realidades temporais, na escola, na indústria, na economia, política, artes, música etc, participando, como cristão, das atividades do seu estado de vida e trabalho social” (“Christifideles laici”, 17). O mundo é o campo de trabalho do leigo. Por outro lado, o Concílio Vaticano II ensinou que o sacerdócio comum dos fiéis e o sacerdócio ministerial ou hierárquico, embora se diferenciem essencialmente e não apenas por grau, ordenam-se mutuamente um ao outro; pois um e outro participam, cada um a seu modo, do único sacerdócio de Cristo” (LG,10).

Os leigos complementam a ação dos clérigos

Assim, o leigo faz e complementa a ação do sacerdote; ele não ministra os sacramentos, não o substitui, mas prepara os irmãos para isso. Mas, para que o leigo cumpra bem a sua missão, ele precisa conhecer bem a Igreja que Jesus instituiu e nos deixou com a Sua doutrina. Muitas vezes, há erros e desvios graves, porque alguns leigos querem prescindir da Igreja hierárquica como se essa não fosse da vontade de Jesus. O entusiasmo pelo novo pode ser danoso se a hierarquia e o Magistério da Igreja não forem respeitados.

A estrutura hierárquica da Igreja foi estabelecida por Cristo, como seu fundamento e não se confunde com outras formas de governo: monarquia, oligarquia, democracia etc. A Igreja está muito além desses paradigmas sociais, porque ela “não nasceu do povo”, mas de Deus, de Jesus Cristo, ela veio do céu e não da terra. Somente vindo do céu ela pode salvar a terra. Uma igreja que nascesse da terra não teria esse poder. A autoridade da verdadeira Igreja não é fundada na vontade popular, mas na vontade de Deus.

Nós leigos queremos a Igreja conforme Jesus a instituiu e a organizou, e não segundo o parecer e a vontade dos homens. Toda doutrina que destoa do que vem do Senhor – por meio do Magistério – deve ser abandonada e corrigida. Às vezes, fala-se perigosamente de “Uma Igreja, povo de Deus”, sem uma autêntica hierarquia; esta é uma igreja falsa. A nossa segurança é estar em comunhão com o Magistério, obedecer às diretrizes do Papa, a quem Cristo confiou a Sua Igreja: “Sobre ti edificarei a minha Igreja…” (Mt 16,17). “Pedro (…) apascenta minhas ovelhas” (Jo 21,17).

Leigos precisam estudar e conhecer a doutrina da Igreja

Por outro lado, o leigo precisa conhecer a doutrina que Cristo ensinou à Igreja e que está, de modo especial, muito bem sintetizada no Catecismo da Igreja Católica. O Papa Bento XVI disse a um grupo de bispos ucranianos que: “A formação de um laicado que saiba dar a razão da sua fé é mais necessária que nunca em nossos tempos e representa um dos objetivos pastorais que terá que se perseguir com empenho” . Uma vez que o trabalho do leigo cresce hoje na Igreja, assim também a sua formação precisa ser cada vez mais esmerada. Ele não pode ensinar o que quer, mas o que a Igreja ensina.

Para ser firme no cumprimento de sua missão de batizado e missionário, o leigo precisa ter uma vida espiritual sadia. O Papa João Paulo II disse um dia que: “”A eficácia do trabalho apostólico do fiel leigo está intimamente associada à sua base espiritual, à sua vida de oração pessoal e comunitária, à frequência na recepção dos sacramentos, sobretudo a Eucaristia e a Penitência e à sua reta formação doutrinária”. O leigo que não reza, não se confessa, não comunga, não lê e não medita a Palavra de Deus, não tem perseverança na missão, e como acontece com muitos sacerdotes também, acaba sendo afastado dela.

Mais do que nunca, a Igreja precisa dos leigos no campo de batalha do mundo, pois, hoje, ela é magoada, ofendida, perseguida e tida por muitos como a culpada de todos os males. Escândalos e blasfêmias se repetem a cada dia. Uma escala de valores pagã tenta insistentemente substituir a civilização cristã por uma cultura de morte (aborto, eutanásia, destruição de embriões, contracepção, prática homossexual…); e Deus vai sendo eliminado na sociedade como se fosse um mal, e a religião católica vai sendo atacada por um laicismo agressivo anticristão.

É hora de saber quem é verdadeiramente cristão, quem ama a Deus de verdade, a Jesus Cristo e a Sua Igreja. (Professor Filipe Aquino – Formação Canção Nova)

ano-do-laicato

Veja: Cristãos Leigos e Leigas na Igreja e na Sociedade (2018) – Documento 105 CNBB – PDF

Atos dos Apóstolos (Círculo Bíblico – 6/10)

Círculo Bíblico: Atos dos Apóstolos – Encontro 6/10

Este é o sexto de uma série de 10 posts que tratarão de um Círculo Bíblico sobre o livro dos Atos dos Apóstolos. A ideia é fazer encontros com a comunidade ou grupos interessados no estudo da Bíblia (dentro ou fora da igreja) e não uma palestra onde um fala e os outros ouvem, mas sim uma partilha numa conversa, mais como uma vivência da fé do que apenas um sermão. Para isso é importante que todos tenham nas mãos a Bíblia e caso contrário, ao menos o livro dos Atos dos Apóstolos (editoras como a Paulus tem edições mais acessíveis apenas com os livros separados da Bíblia como um todo) ou em ultimo caso um folheto impresso com os capítulos que serão lidos. De qualquer forma o ambiente é muito importante e mais ainda que sejam respeitados horários, dias e frequências com que os encontros acontecerão. Funciona muito bem se for uma vez por semana, mas a demanda dos participantes deve ser levada em consideração. Grupos com até 20 pessoas são mais interessantes do que grandes grupos, para que o trabalho seja mais próximo, mas não impede que sejam formados grupos bem maiores. É indispensável que tenha-se ao menos uma equipe (podem ser 2 ou 3 pessoas) para preparar o espaço (decoração, café ou suco ou lanche se for o caso) e tentar fazer estes encontros na igreja e ainda melhor se for nas casas das pessoas. Exemplo: Hoje é na casa do João, no próximo encontro o grupo vai na casa da Maria e assim por diante, assim já se cria um ambiente mais amigável e familiar abrindo a possibilidade da família acolhedora partilhar. Não posso esquecer de frisar que os encontros devem durar até 50 minutos (1 hora no máximo), encontros muito longos não são proveitosos, se tornam cansativos e desestimulam a participação no restante do círculo. Entregar um certificado no final é uma boa ideia.

Cronograma

  1. Oração Inicial
  2. Canto
  3. Leitura (dividir em partes para que todos que se sentirem a vontade possam ler)
  4. Junto com cada parte lida cabe a discussão sobre o que foi lido
  5. Plenária (o que cada um entendeu)
  6. Fechamento com uma oração e o abraço da paz (um canto também é interessante)

O Concilio de Jerusalém (O primeiro de todos)

primeiro-concilio-jerusalem

O Concilio de Jerusalém

 

At 15, 1 – 40

A comunidade tem mais uma discussão a respeito do que deve ou não ser feito dentro da igreja. A forte ligação com a lei judaica ainda traria muitos problemas para a comunidade cristã, e mais uma vez entrou como pauta de discussão a questão de se os chamados “gentios” (aqueles que não eram judeus) deveriam ou não ser circuncidados e abraçarem a fé judaica antes da fé cristã. Parece hoje uma bobagem, mas é de fato um tema que causava extrema celeuma na comunidade de Jerusalém e Antioquia.

Em At 15, 1 – 35 Lucas praticamente escreve sobre um momento central do livro dos Atos dos Apóstolos e da história da Igreja. Como o texto foi escrito quase 50 anos depois dos acontecimentos, ele ão faz um relato histórico, provavelmente Lucas tenha reunido neste capitulo diversos fatos que ocorreram. Mas a maior importância neste relato é o fato de ter acontecido a primeira grande reunião para deliberar, esclarecer e decidir a teoria e a prática do cristianismo. O maior fruto deste concílio é o esclarecimento de que a “salvação cristã depende exclusivamente da fé em Jesus” e que não é necessário antes ser judeu para depois tornar-se cristão. Em poucas palavras, nem os judeus e nem os pagãos ficam obrigados ao ritual da circuncisão e a observância da lei judaica.

Deste concílio, que podemos chamar de Primeiro Concílio de Jerusalém, também saiu o primeiro documento oficial do cristianismo católico em forma de uma carta que foi enviada junto com alguns apóstolos as comunidades da Antioquia: “Então pareceu bem aos apóstolos e aos anciãos com toda a comunidade escolher homens dentre eles e enviá-los a Antioquia com Paulo e Barnabé: Judas, que tinha o sobrenome de Barsabás, e Silas, homens notáveis entre os irmãos. 23.Por seu intermédio enviaram a seguinte carta: “Os apóstolos e os anciãos aos irmãos de origem pagã, em Antioquia, na Síria e Cilícia, saúde! 24.Temos ouvido que alguns dentre nós vos têm perturbado com palavras, transtornando os vossos espíritos, sem lhes termos dado semelhante incumbência. 25.Assim nós nos reunimos e decidimos escolher delegados e enviá-los a vós, com os nossos amados Barnabé e Paulo, 26.homens que têm exposto suas vidas pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo. 27.Enviamos, portanto, Judas e Silas que de viva voz vos exporão as mesmas coisas. 28.Com efeito, pareceu bem ao Espírito Santo e a nós não vos impor outro peso além do seguinte indispensável: 29.que vos abstenhais das carnes sacrificadas aos ídolos, do sangue, da carne sufocada e da impureza. Dessas coisas fareis bem de vos guardar conscienciosamente. Adeus! 30.Tendo-se despedido, a delegação dirigiu-se a Antioquia. Ali reuniram a assembléia e entregaram a carta. 31.À sua leitura, todos se alegraram com o estímulo que ela trazia.” (Atos dos Apóstolos, 15,22-31 – Bíblia Católica Online)

No final deste capítulo é citado novamente a presença de Marcos (que seria depois o primeiro a escrever um dos Evangelhos e este seria copiado por Mateus e o próprio Lucas). Como Marcos na verdade se chamava João Marcos ( e alguns relatos apócrifos dão conta de que foi na casa da família dele, quando este ainda era uma criança, realizada algumas ceias de Jesus e seus discípulos incluindo a ultima ceia): “Barnabé queria levar consigo também João, que tinha por sobrenome Marcos. 38.Paulo, porém, achava que não devia ser admitido quem se tinha separado deles em Panfília (durante a primeira viagem missionária de Paulo, Barnabé e o próprio Marcos que abandonou) e não os havia acompanhado no ministério. 39.Houve tal discussão que se separaram um do outro, e Barnabé, levando consigo Marcos, navegou para Chipre.” (Atos dos Apóstolos, 15, 37-39 – Bíblia Católica Online)

Vale fazer umas perguntas enquanto se lê este capitulo: 1. Evangelho é fermento libertador e não fardo opressor. Concorda?; 2. A ação missionária de nossa comunidade liberta ou oprime?; 3. Damos espaço para quem é novo na comunidade?

320px-Petersinai

São Pedro, ícone do século VI, Mosteiro de Santa Catarina do Monte Sinai

 

At 16, 1 – 40

Logo no inicio deste capítulo é introduzido a figura do apóstolo Timóteo que era filho de uma judia cristã e de pai grego, mas um detalhe chama a atenção. Apesar de no capitulo anterior ter acontecido um Concilio onde foi decidido que ninguém precisaria se converter ao judaísmo para ser cristão, a primeira coisa que Paulo faz ao chamar Timóteo para acompanhá-lo é justamente circuncidá-lo. O motivo, apesar de não ter sido escrito pode ser entendido por algumas suposições. Timóteo era fio de uma judia convertida e pai grego, provavelmente o pai já havia falecido e o costume judaico para um casamento misto (judeu e grego) era de que o filho fosse educado na religião da mãe e esta era judia, então Paulo (ainda intimamente ligado a lei judaica) acabou circuncidando Timóteo para que a comunidade judaica não o visse como um renegado. Lembrando que a evangelização feita pelos apóstolos sempre começava pelas sinagogas.

Timóteo viria a ser o maior colaborador de Paulo, junto com Lucas.

Este inicio da segunda viagem missionária de Paulo não foi tanto uma decisão da comunidade, mas sim do próprio apóstolo. Paulo é dirigido pelo Espírito Santo e por duas vezes é impedido ou proibido de ir para a Éfeso pela ação do espírito.

Justamente  em 16, 10 Lucas começa a usar a palavra “nós” narrando como se estivesse participando ativamente da viagem, porém esse fato não é comprovado.

É na principal cidade da Macedônia, Filipos, reconstruída por Filipe, pai de Alexandre Magno em 356 a.C., tornou-se colônia de Roma em 31 a.C., mas tinha alguns privilégios como administração autônoma, isenção de tributos e direitos dos cidadãos residentes em território italiano. Lucas não dá a mesma importância para a cidade, como dará Paulo durante as suas missões e suas epístolas. Não havia sinagoga na cidade mas os judeus rezavam próximo a um rio, onde os missionários Paulo e Timóteo encontraram-se com um grupo de fiéis (aparentemente a maioria mulheres) e converteram várias dando destaque para uma mulher de nome Lídia que era uma rica comerciante vinda de Tiatira, esta se converteu, foi batizada junto com toda a família e na sua casa foi fundada a comunidade de Filipos e ali ficou sendo a sede da comunidade.

Mais uma vez durante a missão os apóstolos sofrem perseguição. Paulo e Silas foram açoitados e presos, sem um julgamento e sem que seus perseguidores soubessem que estavam indo contra a lei romana  pois os apóstolos eram cidadãos romanos e nenhum judeu poderia julgar um cidadão romano naquela época. Na prisão Paulo e Silas foram acorrentados mas durante a noite as algemas caíram por força do poder de Deus.

É sempre interessante pensarmos em responder algumas perguntas:

  1. A solidariedade e a partilha caracterizam a vida da sua comunidade?
  2. Quais as semelhanças entre At 6, 13-16“No sábado, saímos fora da porta para junto do rio, onde pensávamos haver lugar de oração. Aí nos assentamos e falávamos às mulheres que se haviam reunido. 14.Uma mulher, chamada Lídia, da cidade dos tiatirenos, vendedora de púrpura, temente a Deus, nos escutava. O Senhor abriu-lhe o coração, para atender às coisas que Paulo dizia. 15.Foi batizada juntamente com a sua família e fez-nos este pedido: Se julgais que tenho fé no Senhor, entrai em minha casa e ficai comigo. E obrigou-nos a isso.” e o que acontece com as nossas atuais Comunidades Eclesiais de Bases (CEBs)?
  3. Porque a ação libertadora da fé provoca perseguição?

 

At 17, 1 – 34

A viagem de Paulo, Silas e Timóteo chega a Tessalônica, depois de passar por outras localidades. Nesta cidade ele fica por um mês, passando três sábados pregando na sinagoga e convertendo muitos judeus e também outros povos. Porém mais uma vez eles foram perseguidos, por conseguirem converter muitos “gentios” e várias mulheres: “Alguns deles creram e associaram-se a Paulo e Silas, como também uma grande multidão de prosélitos gentios, e não poucas mulheres de destaque. 5.Os judeus, tomados de inveja, ajuntaram alguns homens da plebe e com esta gente amotinaram a cidade. Assaltaram a casa de Jasão, procurando-os para os entregar ao povo.”
(Atos dos Apóstolos, 17, 4-5 – Bíblia Católica Online)

Neste ponto do capítulo somos apresentados a Jasão que aparentemente era um homem rico convertido ao cristianismo que deu acolhida a Paulo e seus companheiros. Os judeus invadiram sua casa em busca dos apóstolos e como não acharam prenderam Jasão e algumas pessoas que ali estavam. Vale prestar atenção no versículo 9“9.E só depois de receberem uma caução de Jasão e dos outros é que os deixaram ir.”  Aparentemente só após dar dinheiro aos perseguidores Jasão conseguiu a liberdade. 

Os apóstolos vão para Beréia, mas os tessalonicenses continuam a persegui-los, aqui vale fazer um parentese pois esta perseguição parece mais forte contra Paulo, e este vai então para Atenas deixando Silas e Timóteo em Beréia.

greek-theatre-2144095_960_720

Ruínas atuais do Areópago de Atenas

Em Atenas, uma cidade grega, ele se defronta com as dificuldades de se levar a palavra de Jesus, pois é um povo que cultua muitos deuses. Paulo é levado ao Areópago (em grego antigoἌρειος Πάγος areios pagos, “Colina de Ares“) que era a parte nordeste da Acrópole em Atenas e também o nome do próprio conselho que ali se reunia. Além de supremo tribunal, o conselho também cuidou de assuntos como educação e ciência por algum tempo.

Por volta de 50 da era cristã filósofos epicureus e estoicos que discutiam com o apóstolo Paulo o levaram ao Areópago para que lhes contassem a respeito de sua nova doutrina. Ali ele proferiu seu famoso Discurso no Areópago.

Atenas e o discurso no Areópago

Paulo pregando no Areópago de Atenas, um dos episódios de Atos 17.
1515. Por Rafael, atualmente no Victoria and Albert Museum, em Londres.

Em Atenas, Paulo se revoltou com a idolatria que encontrou. Ele pregava não apenas aos judeus, mas discutia também com filósofos epicuristas e estoicos (Atos 17,18). Curiosos, levaram-no para o Areópago, onde Paulo proferiu um de seus mais famosos sermões, preservado em At 17, 22-34.

Discurso no Areópago

Depois de cumprimentar os atenienses, Paulo afirma ter encontrado um altar ao “deus desconhecido” e afirma que este, que adoravam sem saber, «é o que eu vos anuncio. O Deus que fez o mundo e tudo o que nele há» (At 17, 23-24). Afirma ainda que o verdadeiro Deus não habita em santuários e nem precisa de nada das mãos humanas, como sacrifícios ou estátuas, pois todos os homens foram criados por Ele. Assim: «Sendo, pois, geração de Deus, não devemos pensar que a divindade é semelhante ao ouro ou à prata ou à pedra, lavrada por arte e gênio do homem. Dissimulando, pois, os tempos da ignorância, Deus manda agora que todos os homens em todo o lugar se arrependam, porquanto tem fixado um dia em que há de julgar o mundo com justiça pelo varão que para isto destinou, do que tem dado certeza a todos, ressuscitando-o dentre os mortos.» (At 17,29). Alguns zombaram, mas muitos foram convertidos; o autor dos Atos cita entre eles Dionísio, o Areopagita, e Dâmaris.

Milton Cesar

Refletindo

A nossa fé é acima de tudo compromisso e fidelidade. Não podemos entrar no oba-oba saltitante do galho em galho religioso, pois acreditar não é procurar algo que se pode encontrar somente em Jesus. Os apóstolos e os discípulos nas suas caminhadas de evangelização jamais deixaram-se seduzir por outras doutrinas ou deixaram-se amedrontar por ameaças e perseguições, mantiveram-se fiéis a Jesus Cristo, seguindo os ensinamentos que ele deixou e compreendendo que a figura de Pedro (o primeiro Papa) era importante e acima de tudo era da vontade de Deus que ele fundasse a sua igreja, a igreja de Jesus Cristo.

Não podemos acomodar-se, acovardar-se ou fingir que não ouvimos o chamado do Espírito Santo. Somos acima de tudo evangelizadores.

Podemos sempre trazer as experiências da comunidade nascente do tempo dos Atos para nossa vida em comunidade e ver o que ainda falta para realmente sermos uma igreja única num só ideal. É preciso rezar mais e fazer uma leitura cada vez mais orante do Livro dos Atos dos Apóstolos.

Milton Cesar

 

santiago-768x528

São Tiago Maior

São Tiago Maior, o primeiro discípulo a morrer pelo Evangelho

Nascido em Betsaida, este apóstolo do Senhor era filho de Zebedeu e de Salomé e irmão do apóstolo João, o Evangelista. Pescador juntamente com seu irmão João, foi chamado por Jesus a ser discípulo d’Ele. Aceitou o chamado do Mestre e, deixando tudo, seguiu os passos do Senhor. Dentre os doze apóstolos, São Tiago foi um grande amigo de Nosso Senhor fazendo parte daquele grupo mais íntimo de Jesus (formado por Pedro, Tiago e João) testemunhando, assim, milagres e acontecimentos como a cura da sogra de Pedro, a Transfiguração de Jesus, entre outros. Procurou viver com fidelidade o seu discipulado. No entanto, foi somente após a vinda do Espírito Santo em Pentecostes que São Tiago correspondeu concretamente aos desígnios de Deus. No livro dos Atos dos Apóstolos, vemos o belo testemunho de São Tiago, o primeiro dentre os doze apóstolos a derramar o próprio sangue pela causa do Evangelho: “Por aquele tempo, o rei Herodes tomou medidas visando maltratar alguns membros da Igreja. Mandou matar à espada Tiago, irmão de João” (At 12,1-2). Segundo uma tradição, antes de ser martirizado, São Tiago abraçou um carcereiro desejando-lhe “a Paz de Cristo”. Este gesto converteu o carcereiro que, assumindo a fé em Jesus, foi martirizado juntamente com o apóstolo. Existe ainda outra tradição sobre os lugares em que São Tiago passou, levando a Boa Nova do Reino. Dentre estes lugares, a Espanha onde, a partir do Século IX, teve início a devoção a São Tiago de Compostela.

São Tiago Maior, rogai por nós!

Tiago (o Maior), filho de Zebedeu e de Salomé, irmão mais velho do evangelista João, aparece entre os seguidores de Jesus desde o começo da pregação do Messias.

tiago_maior

Os dois irmãos estavam na margem do lago de Genesaré, quando Jesus os chamou. A resposta foi pronta e total: “eles abandonando o barco e seu pai, o seguiram”. Também neste particular se revela sua índole forte e ardente, pela qual tiveram de Jesus o apelido, entre elogio e reprovação, de “filhos do trovão”. Seu comportamento posterior confirma isso, pelo menos em duas ocasiões: a primeira vez diante do comportamento hostil dos samaritanos, que negaram hospitalidade a Jesus e aos seus discípulos: “Senhor – disseram Tiago e João – devemos invocar o fogo do céu para que os devore?” Mais tarde na última viagem a Jerusalém, ambos ousaram fazer aquele presunçoso pedido de sentar-se um à direita e outro à esquerda do Cristo triunfante. Em ambos os casos demonstram não terem entendido as lições de amor e de humildade do Mestre. Todavia são generosos quando se trata de jogar-se à luta. À pergunta de Jesus: “Podeis vós beber o cálice?”, Tiago foi o primeiro a responder: “Podemos”. Jesus colocou-o contra a parede e Tiago respeitou pontualmente a palavra dada. Após o dia de Pentecostes, no qual tinha vindo não o fogo destruidor do castigo, mas o fogo vivificante do amor, também Tiago como os outros apóstolos foi vítima da perseguição movida pelas autoridades judaicas: foi jogado no cárcere e flagelado, “alegrando-se muito, por ter sido digno de sofrer torturas pelo nome de Jesus” (como se lê nos Atos dos Apóstolos). Houve uma segunda perseguição, da qual foi vítima ilustre o diácono santo Estêvão, e houve uma terceira, mais cruel que as precedentes, desencadeada por Herodes Agripa para agradar aos judeus.

Este Herodes (mostrando-se digno do nome do tio, o assassino de João Batista, e do avô Herodes, dito o Grande, que tentou matar Jesus logo que nasceu), por um simples cálculo político, durante as festas pascais de 42 “começou a perseguir alguns membros da Igreja, mandou matar à espada Tiago, irmão de João, e, vendo que isto agradava aos judeus, mandou prender Pedro”.

Segundo uma tradição, não anterior ao século VI, o apóstolo Tiago teria sido o primeiro evangelizador da Espanha. Para revigorar esta tradição, no século IX o bispo Teodomiro de Iria afirmou ter reencontrado as relíquias do apóstolo e desde aquela época, Iria, que tomou o nome de Compostela, tornou-se a meta preferida de todos os peregrinos da Europa.

fides - Copia

Como base de estudo foi usado: