Mas onde está o Espírito Natalino?

É Natal.

Mas onde está o Espírito Natalino?

belém-frame-868x472

Cena do filme: A estrela de Belém

A modernidade, tão benéfica e também tão destruidora de tradições tem feito todo o clima de Natal se perder ante a distância providencial das pessoas. Digo providencial, pois com um click no Whatsapp, Facebook ou Telegram a comunicação é praticamente imediata, e aquela felicitação de Feliz Natal é transmitida. Seja escrita ou simplesmente copiada, sincera ou não. Evita-se o olho no olho, o calor do abraço.

O Espírito Natalino também foi consumido pelo comércio desenfreado. Hoje Natal não significa mais “o nascimento de Jesus” ou união, confraternização. Hoje Natal é simbolizado por presentes, compras, festas, bebedeiras homéricas.

Até o encontro das famílias cedeu lugar a outras coisas.

Pois bem, os tempos são outros, isso é fato.

jesus_natal

Quando Maria estava grávida, esposa de José um recenso foi convocado pelo Império Romano e a família de Jesus (ainda  nem nascido) foi praticamente obrigada a ir para a Judéia, mais precisamente em Belém terra de onde José vinha. Lembre que naquela época era o homem quem comandava a família então o recenso era feito em nome dele.

Imagine quanto tempo levou, até que toda a palestina ficasse sabendo deste recenseamento, numa era sem internet ou correio?

Então a família de Jesus que já era peregrina, mais uma vez teve que se deslocar, com um agravante: Maria estava grávida de pelo menos 7 meses e meio.

Quando chegaram a Belém, foi difícil achar um hotel ou pousada, não existia estes aplicativos para encontrar hotéis ou sequer telefone para reservar antes, então esta família que demorou quase um mês para chegar (não tinha avião, trem, carro ou ônibus), a viagem foi feita toda num jumentinho ou a pé.

Enquanto isso os 3 reis de terras distantes já estavam viajando ao encontro do menino Jesus. Como eles sabiam? Leram em algum site? Não. Seguiram o brilho de uma estrela. Tudo sem tecnologia.

nascimento-de-Cristo

Então a luz fez-se numa estrebaria, entre animais. Pastores chegaram avisados por anjos. Inacreditável? Não acho, já que todos os eventos até este ponto se deram de maneira divina.

Depois de algum tempo, chegaram os Reis chamados magos e trouxeram presentes. Nenhum celular. Apenas ouro, incenso e mirra. Dai nasceu a tradição (hoje deturpada) de se dar presentes no Natal.

Agora pense um pouco: tem pessoas que não vão nem na esquina sem estarem de carro ou acionarem um Uber, imagine se fariam todo o sacrifício feito por estes personagens para que Jesus viesse ao mundo?

Então fica fácil compreender o porque hoje em dia, aquela magia do Natal se perdeu. As pessoas estão distantes entre si e também distantes de Deus, porque é preciso sacrifícios e compromisso para seguirem Jesus. Quem vai abrir mão das facilidades, da modernidade?

Vale ressaltar que eu não estou dizendo que toda essa modernidade seja ruim, mas estou apenas dizendo que devemos sim conseguir usar toda essa tecnologia para aproximar-se de quem amamos e não o contrário. Um abraço, um beijo, um encontro valem muito mais do que um video copiado da internet de Feliz Natal.

Assistir a Missa do Galo na Tv ou na internet não é o mesmo de participar e comungar numa missa ao vivo.

Por isso eu rezo para que a graça de Jesus esteja presente no coração de cada um, para que recuperem o que existe de mais importante no Natal, a humildade.

Milton Cesar