Atos dos Apóstolos (Círculo Bíblico – 1/10)

Círculo Bíblico: Atos dos Apóstolos – Encontro 1/10

Este é o primeiro de uma série de 10 posts que tratarão de um Círculo Bíblico sobre o livro dos Atos dos Apóstolos. A ideia é fazer encontros com a comunidade ou grupos interessados no estudo da Bíblia (dentro ou fora da igreja) e não uma palestra onde um fala e os outros ouvem, mas sim uma partilha numa conversa, mais como uma vivência da fé do que apenas um sermão. Para isso é importante que todos tenham nas mãos a Bíblia e caso contrário, ao menos o livro dos Atos dos Apóstolos (editoras como a Paulus tem edições mais acessíveis apenas com os livros separados da Bíblia como um todo) ou em ultimo caso um folheto impresso com os capítulos que serão lidos. De qualquer forma o ambiente é muito importante e mais ainda que sejam respeitados horários, dias e frequências com que os encontros acontecerão. Funciona muito bem se for uma vez por semana, mas a demanda dos participantes deve ser levada em consideração. Grupos com até 20 pessoas são mais interessantes do que grandes grupos, para que o trabalho seja mais próximo, mas não impede que sejam formados grupos bem maiores. É indispensável que tenha-se ao menos uma equipe (podem ser 2 ou 3 pessoas) para preparar o espaço (decoração, café ou suco ou lanche se for o caso) e tentar fazer estes encontros na igreja e ainda melhor se for nas casas das pessoas. Exemplo: Hoje é na casa do João, no próximo encontro o grupo vai na casa da Maria e assim por diante, assim já se cria um ambiente mais amigável e familiar abrindo a possibilidade da família acolhedora partilhar. Não posso esquecer de frisar que os encontros devem durar até 50 minutos (1 hora no máximo), encontros muito longos não são proveitosos, se tornam cansativos e desestimulam a participação no restante do círculo. Entregar um certificado no final é uma boa ideia.

pes andando

Cronograma

  1. Oração Inicial
  2. Canto
  3. Leitura (dividir em partes para que todos que se sentirem a vontade possam ler)
  4. Junto com cada parte lida cabe a discussão sobre o que foi lido
  5. Plenária (o que cada um entendeu)
  6. Fechamento com uma oração e o abraço da paz (um canto também é interessante)

Que novidade é essa ?

Atos dos Apóstolos 
É importante acentuarmos que o livro dos Atos é a segunda parte do livro do Evangelho Segundo São Lucas, sendo que o evangelho mostra o vida de Jesus, quanto que nos Atos mostra a vida da comunidade (igreja) que dava seus primeiros passos, com dois lideres (ou vários) diferentes, tendo ao centro a cidade de Jerusalém, como ponto de partida de toda a história da fé. Se compararmos Lc 1,1-4 com At 1,1-8 vemos isso claramente.

“1.Muitos empreenderam compor uma história dos acontecimentos que se realizaram entre nós, 2.como no-los transmitiram aqueles que foram desde o princípio testemunhas oculares e que se tornaram ministros da palavra. 3.Também a mim me pareceu bem, depois de haver diligentemente investigado tudo desde o princípio, escrevê-los para ti segundo a ordem, excelentíssimo Teófilo, 4.para que conheças a solidez daqueles ensinamentos que tens recebido.” (São Lucas, 1 – Bíblia Católica Online)

“1.Em minha primeira narração, ó Teófilo, contei toda a seqüência das ações e dos ensinamentos de Jesus, 2.desde o princípio até o dia em que, depois de ter dado pelo Espírito Santo suas instruções aos apóstolos que escolhera, foi arrebatado (ao céu). 3.E a eles se manifestou vivo depois de sua Paixão, com muitas provas, aparecendo-lhes durante quarenta dias e falando das coisas do Reino de Deus. 4.E comendo com eles, ordenou-lhes que não se afastassem de Jerusalém, mas que esperassem o cumprimento da promessa de seu Pai, que ouvistes, disse ele, da minha boca; 5.porque João batizou na água, mas vós sereis batizados no Espírito Santo daqui há poucos dias. 6.Assim reunidos, eles o interrogavam: Senhor, é porventura agora que ides instaurar o reino de Israel? 7.Respondeu-lhes ele: Não vos pertence a vós saber os tempos nem os momentos que o Pai fixou em seu poder, 8.mas descerá sobre vós o Espírito Santo e vos dará força; e sereis minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria e até os confins do mundo.” (Atos dos Apóstolos, 1 – Bíblia Católica Online)

fides - Copia

At 1,2
Lucas abre o livro dos Atos falando sobre o seu 1° escrito (o Evangelho), e a ação do Espirito é acentuada no inicio da missão dos apóstolos, coincidência ou não a ação do Espirito Santo também aparece no inicio da missão de Jesus (Mt 3,16; 4,1-4 ;Mc 4,1-11 e Lc 4,1-2), é ele que comanda as primeiras ações. Interessante dizer que Teófilo é uma palavra, e não um nome, e esta palavra em grego quer dizer Amigo de Deus, uma maneira de esconder em parte as intenções do texto já que os apóstolos estavam escondidos da perseguição romana à época.

Lucas está escrevendo não apenas para um amigo em especial mas para todos os cristãos do mundo grego (ou seja fora da Judéia), e é essa mensagem que acabou chegando até nós. Há uma controvérsia sobre Teófilo, alguns historiadores acham que ele foi uma espécie de divulgador da obra de Lucas e não só uma palavra em código, mas é quase certeza de que foi realmente uma palavra.
At 1, 3-6
Nesta parte do relato, Jesus ascende ao céu , diante dos apóstolos, um fato interessante é que o próprio Lucas relata no seu evangelho (Lc 24) que Jesus ressuscitou e no mesmo dia aconteceu a sua ascensão, mas nos Atos ele diz que esse fato só aconteceu 40 dias depois, talvez seja uma alusão a esse número simbólico na história do povo judeu, são 40 dias de Moisés na montanha à espera dos mandamentos (Ex24,17-18;34,26-28; Dt 9-7-9), Elias peregrinando (1Rs 19), Jesus tentado no deserto (Lc 4). Nesta parte do relato também é efetivado o batismo: “João batizou com água, vós em breve sereis batizados com o Espirito Santo”. Olha o Espirito Santo ai de novo.

No versículo 5 Jesus convoca a todos os apóstolos e discípulos a serem sua testemunha (evangelizadores) desde Jerusalém até os confins do mundo. Aparentemente Pedro não entendeu de imediato o que quer dizer “confins do mundo”. O lugar da ascensão é o mesmo em que Jesus iniciou sua oração antes de ser preso e condenado, como se onde a paixão começou tinha que terminar com a glória. Repare que Jesus não é um fantasma no meio deles, ele come com eles e deixa que Tomé o toque, está vivo em carne e osso.
At 1, 8-26
Jesus prenuncia que eles serão banhados pelo poder do Espirito-Santo e esse mesmo espirito outorga os carismas de cada um, são pessoas diferentes entre si, vale citar Rm 15,13.19; 1 Cor 2,49; 1Ts 1,5 e Hb 2,4 . Eles voltam para a cidade e decidem escolher um novo discípulo para o lugar de Judas Iscariotes, que segundo o relato havia morrido de forma trágica depois da traição. É escolhido Matias que há muito tempo já acompanhava o grupo dos discípulos, mas não havia sido chamado oficialmente, até aquele momento.
At 2, 1-4
A volta deles para Jerusalém traz um fenômeno curioso, já fruto da ação do espirito, todos eles começam a falar em línguas. Jerusalém é uma cidade peregrina e fora isso estava sob o domínio romano, o que fazia com que tivessem muitos povos diferentes na cidade. Então cada discípulo falar na língua de cada povo, era estranho e inusitado, já que eram muitos os povos. Tudo isso aconteceu no instante em que eles receberam o Espirito Santo na festa de Pentecostes, não se enganem esta festa já existia a muitos séculos para o povo judeu, e era celebrada ou comemorada 7 semanas depois da Páscoa , quando terminava a colheita (Ex 34,22) principalmente a partir do ano 70 d.C., por isso mesmo todos os discípulos e seguidores de Jesus estavam reunidos num só lugar, inclusive Maria e as mulheres, e esse fato não chamava tanta atenção das autoridades judaicas. Neste dia todos ficaram cheios do Espirito Santo, e neste momento profetizaram em línguas, isso sim um fato perigoso,mas que converteu muitas pessoas. Esse fato também foi predito em Jr 31,30-34; Ez 36,25-28 e todos os sinais da ação de Deus também (Ex 19;1Rs19,Is 66;Sl 50) e por último a coisa mais significativa está no fato de a manifestação do Espirito Santo ser com línguas de fogo, a língua instrumento da fala , da comunicação e logo depois eles: os 12, mais as mulheres e cerca de 120 seguidores saem para falar em línguas (todas as línguas) ou seja a mensagem à partir daquele momento não deverá ficar restrita ao povo judeu deve sair. Assim como nas comunidades que devem sair do comodismo e buscar levar a palavra para outras pessoas, a salvação é direito de todos.
At 2, 5-21
Esta parte do relato mostra os discípulos fazendo muitas conversões, é aqui que Pedro faz um discurso ao povo de Jerusalém, e segundo o texto mais de 3000 pessoas foram convertidas e batizadas. Os convertidos acabavam vendendo seus bens e doando para a comunidade que nascia. Aqui Pedro dá uma demonstração de coragem ao afirmar que Jesus era o messias não reconhecido, mas que venceu a morte (22,24), algo inaceitável para os sacerdotes judeus. A proposta nazarena divergia da tradição judia, pois pregava que todos podiam participar das decisões da comunidade tanto politicamente como economicamente, já que dividiam tudo entre si. O que vemos hoje é bem diferente daquela realidade inicial.
O livro dos atos serve com parâmetro para repensarmos a vida em comunidade, como era a espiritualidade daquele tempo primordial, e como é hoje em dia. É um bom estudo para começarmos a entender como surgiu a ideia de comunidade unida num só ideal , ideologia das CEB’s tanto para lutar por um mundo melhor como para se apoiar, mas importante também notar que a oração e a espiritualidade nunca ficavam em 2° plano, repare que o Espirito Santo é figura decisiva na vida da comunidade, bem ao estilo da RCC. Então as nossas comunidades tem que ter oração- orar e agir.

depositphotos_69466391-stock-illustration-jesus-face-hand-drawn-vector - Copia

Refletindo:

O que é a comunidade?

Primeiro é difícil imaginar uma comunidade sem estar unida em comunhão por um mesmo ideal, mesmo sabendo que são pessoas diferentes entre si, estas mesmas pessoas professam uma mesma fé em Jesus Cristo. Então é de advir que todas sigam o caminho de paz, amor e perdão proposto por Jesus. Não é a verdade!

Muitas vezes as diferentes personalidades se chocam de tal maneira, que a própria convivência é ameaçada. Não existe o perdão, e ele não existindo não existe a união e ele não existindo, não existe amor. Então fica um monte de gente tentando fazer do seu jeito ou falando mal até do padre (cá entre nós alguns sacerdotes também não ajudam). É preciso voltar a ideia original de igreja-comunidade, onde todos ajudam os irmãos e assim todos prosperam na fé. Prosperar na fé não é ficar rico financeiramente, isso se chama trabalho. Prosperar na fé é ter sempre uma palavra de acolhimento (não de acusação) para o irmão. Neste Círculo Bíblico você vai ver que apesar de ser uma igreja enraizada na convivência com o próprio Cristo, ela teve seus momentos de provação também, mesmo porque Pedro e Paulo eram bem diferentes.

Aqui vale uma observação minha: O falar em línguas contado nos relatos Bíblicos tanto em Mc 16,17 como em  At 2, 4- 17  “Ficaram todos cheios do Espírito Santo e começaram a falar em línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem. 5.Achavam-se então em Jerusalém judeus piedosos de todas as nações que há debaixo do céu. 6.Ouvindo aquele ruído, reuniu-se muita gente e maravilhava-se de que cada um os ouvia falar na sua própria língua. 7.Profundamente impressionados, manifestavam a sua admiração: Não são, porventura, galileus todos estes que falam? 8.Como então todos nós os ouvimos falar, cada um em nossa própria língua materna? 9.Partos, medos, elamitas; os que habitam a Macedônia, a Judéia, a Capadócia, o Ponto, a Ásia, 10.a Frígia, a Panfília, o Egito e as províncias da Líbia próximas a Cirene; peregrinos romanos, 11.judeus ou prosélitos, cretenses e árabes; ouvimo-los publicar em nossas línguas as maravilhas de Deus! 12.Estavam, pois, todos atônitos e, sem saber o que pensar, perguntavam uns aos outros: Que significam estas coisas?” Atos dos Apóstolos, 2 – Bíblia Católica Online
Não aparece neste relato como falar numa língua que poucos entendem e que hoje muita gente diz ser a língua dos anjos quando falam em línguas. A passagem diz que todos falavam na língua de cada povo que ali estava, como se acontecesse uma tradução simultânea e todos conseguissem entender o que estava sendo profetizado. Pedro toma a palavra e diz que quem fala é Deus por isso todos compreendem. Então fica muito estranho quando você vai em uma igreja e ouve pessoas dizendo estar orando em línguas que ninguém compreende, se você lê o que Lucas escreve e ele diz que todos foram banhados pelo Espírito Santo e falavam uma língua que todos compreendiam. Apesar desta controvérsia é Paulo quem vai dizer na sua 1ª Carta aos Corintios nos capítulos 12 e 14 que existe a língua dos anjos e pouca gente compreende (ninguém o entende; no entanto, em seu espírito fala mistérios – 1 Cor 14, 2), mas ele mesmo se mostra contrariado com este dom : “Dou graças a Deus que falo em línguas mais do que todos; Ainda na igreja prefiro falar cinco palavras com o meu entendimento, para que eu possa também instruir os outros, do que dez mil palavras em língua “1 Cor 14, 18-19. Acaba sendo algo controverso visto que muitas pessoas não compreendem ou não gostam quando existe a oração em línguas nas igrejas, particularmente na Igreja Católica Apostólica Romana nos grupos de oração, mas as igrejas evangélicas e protestantes não fogem a regra (sem generalizar).

são-lucas

São Lucas, nasceu em Antioquia da Síria, médico de profissão foi convertido pelo apóstolo São Paulo, do qual se tornou inseparável e fiel companheiro de missão. Colaborador no apostolado, o grande apóstolo dos gentios em diversos lugares externa a alta consideração que tinha por Lucas, como portador de zelo e fidelidade no coração. Ambos fazem várias viagens apostólicas, tornando-se um dos primeiros missionários do mundo greco-romano. Tornou-se excepcional para a vida da Igreja por ter sido dócil ao Espírito Santo, que o capacitou com o carisma da inspiração e da vivência comunitária, resultando no Evangelho Segundo Lucas e na primeira história da Igreja, conhecida como Atos dos Apóstolos.

No Evangelho segundo Lucas, encontramos o Cristo, amor universal, que se revela a todos e chama Zaqueu, Maria Madalena, garante o Céu para o “bom” ladrão e conta as lindas parábolas do pai misericordioso e do bom samaritano. Nos Atos dos Apóstolos, que poderia também se chamar Atos do Espírito Santo, deparamos com a ascensão do Cristo, que promete o batismo no Espírito Santo, fato que se cumpre no dia de Pentecostes, e é inaugurada a Igreja, que desde então vem evangelizando com coragem, ousadia e amor incansável todos os povos.

Uma tradição – que recolheu no séc. XIV Nicéforo Calisto, inspirado numa frase de Teodoro, escritor do séc. VI – diz-nos que São Lucas foi pintor e fala-nos duma imagem de Nossa Senhora saída do seu pincel. Santo Agostinho, no séc. IV, diz-nos pela sua parte que não conhecemos o retrato de Maria; e Santo Ambrósio, com sentido espiritual, diz-nos que era figura de bondade. Este é o retrato que nos transmitiu São Lucas da Virgem Maria: o seu retrato moral, a bondade da sua alma. O Evangelho de boa parte das Missas de Maria Santíssima é tomado de São Lucas, porque foi ele quem mais longamente nos contou a sua vida e nos descobriu o seu Coração. Duas vezes esteve preso São Paulo em Roma e nos dois cativeiros teve consigo São Lucas, “médico queridíssimo”. Ajudava-o no seu apostolado, consolava-o nos seus trabalhos e atendia-o e curava-o com solicitude nos seus padecimentos corporais. No segundo cativeiro, do ano 67, pouco antes do martírio, escreve a Timóteo que “Lucas é o único companheiro” na sua prisão. Os outros tinham-no abandonado. O historiador São Jerônimo afirma que Lucas viveu a missão até a idade de 84 anos, terminando sua vida com o martírio. Por isso, no hino das Laudes rezamos: “Cantamos hoje, Lucas, teu martírio, teu sangue derramado por Jesus, os dois livros que trazes nos teus braços e o teu halo de luz”. É considerado o Padroeiro dos médicos, por também ele ter exercido esse ofício, conforme diz São Paulo aos Colossenses (4,14): “Saúda-vos Lucas, nosso querido médico”. (fonte Canção Nova)

 

Como base de estudo foi usado:

  • Bíblia do Peregrino- Paulus
  • Livro: Como ler os Atos dos Apóstolos- O caminho do Evangelho- Ivo Storniolo -Paulus Editora
  • Bíblia Católica Online (nos links)

 

Este circulo bíblico foi feito na comunidade Santo Antonio de Santana Galvão ( Paróquia São Marcos, O Evangelista) no bairro do CDHU-San Martins em Campinas-SP, no ano de 2007 e foi atualizado em 2012 e 2017. É um círculo bíblico escrito e feito por mim, e esta é a versão inédita e atualizada. Espero que seja útil, e conto com seus comentários para a melhoria do texto.