Feliz Ano Novo em Cristo

Formação: Ano Litúrgico

O admirabile commercium! Creator generis humani, anima corpus sumens, de Virgine nasci digna tus est; et procedens homo sine semine, largitus est nobis suam deitatem.

christmas-jesus-birth-celebration-1451015165_835x547

O Ano Litúrgico de 2019 acabou e se inicia um novo ano no dia 1 de dezembro com o Primeiro Domingo do Advento. Será o Ano A (Mateus), ou seja a grande maioria das leituras do ano será tirada do Evangelho de Mateus.

Vale dizer que o ano B é o Evangelho de Marcos e o ano C é o Evangelho de Lucas. Já o Evangelho de São João é reservado para as ocasiões especiais, principalmente as grandes Festas e Solenidades. Para este Evangelho não existe um Ano Litúrgico.

Pela tradição este é o dia correto para se montar a sua árvore de Natal e decorar sua casa. Para quem é católico pelo menos. Infelizmente as pessoas seguem o que diz os shoppings e as propagandas e começam a decorar suas casas para o Natal ainda em novembro. É pecado? Não. Apenas demonstra que está faltando mais atenção nas missas e talvez você não tenha feito uma boa catequese. Na melhor das hipóteses você se esqueceu do que aprendeu (acho difícil).

Pois bem o Advento é a preparação para o nascimento de Jesus (a memória). São 4 domingos em que a igreja se prepara de maneira especial para a segunda grande celebração do ano litúrgico: o nascimento de Jesus. A primeira é a Imaculada Conceição de Nossa Senhora (8 de dezembro).

O Advento também marca o início do novo ano da igreja Católica. Em 2019 foi no dia 1º de dezembro, em 2020 será em 29 de novembro, sempre quatro domingos antes do dia 25 de dezembro.

O ano civil continua e só termina no dia 31 de dezembro, e as pessoas comemoram muitas vezes enlouquecidamente. Pior, a maioria são católicos que não percebem que o nosso novo ano já se iniciou.

A maioria das grandes religiões tem uma data especifica para marcar o início do ano. Os judeus comemoram o  , os indianos o , budistas , muçulmanos  .

Com o início do Advento também se inicia o Ano Litúrgico, que são ciclos dentro da igreja para se rezar e evangelizar através da Palavra de Deus. Sendo que estes ciclos são divididos entre: Tempo do Advento, Tempo do Natal, Primeira Parte do Tempo Comum, Tempo da Quaresma, Tempo Pascal e Segunda Parte do Tempo Comum. O ano litúrgico termina com a Festa de Cristo Rei.

Interessante se pensar que o ano litúrgico começa logo com Maria, mãe de Jesus. “Ao celebrar o ciclo anual dos mistérios de Cristo, a santa Igreja venera com particular amor a bem-aventurada mãe de Deus, Maria, que por um vínculo indissolúvel está unida à obra salvífica de seu Filho; em Maria a Igreja admira e exalta o mais excelente fruto da redenção e a contempla com alegria como puríssima imagem do que ela própria anseia e espera ser em sua totalidade. ” (CIC 1172)

A preparação para a vinda de Jesus atravessou séculos e foi preparada de tal maneira por Deus, que cada fato na história da fé está intimamente ligada ao ápice do nascimento de Jesus. (Vide CIC 522-524).

Até mesmo a cena do nascimento numa manjedoura e numa família pobre mostra muita coisa, abre e deixa claro que a salvação é para todos e mesmo os mais humildes e pobres serão agraciados. “Tornar-se criança” em relação a Deus é a condição para entrar no Reino; para isso é preciso humilhar-se, tornar-se pequeno; mais ainda: é preciso “nascer do alto” (Jo 3,7), “nascer de Deus” para tornar-nos filhos de Deus. O mistério do Natal realiza-se em nós quando Cristo “toma forma” em nós. (CIC 525-526).

Então não é um tempo sem sentido, e a preparação deve ser ainda mais intensa.

Geralmente são realizadas novenas natalinas nas casas e assim a igreja sai do seu ponto estático (o Templo) e leva esta palavra as casas dos fiéis. Penetra nas famílias levando o Advento também para os lares. Muito como um convite a vir visitar a casa de Jesus, ou melhor, visitar e esperar o nascimento do Senhor. Assim como a estrela guiou os reis pelo deserto, as novenas e principalmente os domingos do Advento são o brilho desta estrela que repousará sobre cada um e também sobre a manjedoura que acolhe o próprio Deus encarnado como homem.

Então Feliz Ano Novo cristão.

E descubra todo o significado do Advento participando das Missas e abrindo sua casa para as novenas de Natal. O que você chama de Espírito Natalino é nada mais, nada menos que a acolhida da Sagrada Família à espera da memória do nascimento de Jesus.

ano-liturgico-ciclo

Como é Calculado o Ano Litúrgico?

Muito simples, apenas somando os algarismos do ano. Para se determinar qual é o Ano A, B ou C, procede-se da maneira seguinte: Pela letra C, designa-se o ano cujo número for divisível por três, como se o ciclo começasse no primeiro ano da contagem cristã. Deste modo, o Ano 1 teria sido o Ano A, o Ano 2 o Ano B, o Ano 3 o Ano C, e os Anos 6, 9, 12… novamente o Ano C. O ano em que a soma dos algarismos for um número múltiplo de 3 é do ciclo C.

Seguindo este critério temos: 2017 = 2+0+1+7= 10 (9, múltiplo de 3, + 1), portanto, foi Ano A. O ano seguinte, 2018, logicamente, Ano B. E o ano litúrgico de 2019 será o ano C, por ser múltiplo de 3. Não existe erro! É fácil.

É evidente que cada ciclo se desenvolve conforme a estrutura do ano litúrgico, isto é, a partir da primeira semana do Advento, que ocorre no ano civil anterior.

“As leituras Bíblicas que ocorrem nas celebrações, caracterizam-se com o chamado Ano Litúrgico, criado para acompanharmos através das leituras dos textos bíblicos (Evangelho e outros livros), a vida de Jesus em ordem cronológica do nascimento até a ascensão aos céus. Assim, ouvimos nas celebrações textos que falam do anúncio do Messias, da encarnação, de seu ministério público com milagres, do chamado ao discipulado, discursos, parábolas até culminarmos com Sua morte e ressurreição nos preparando para a Parusia, ou seja, do Cristo Rei do Universo no final do ano litúrgico.

Ano Litúrgico passa por três ciclos, também chamado de anos A, B, C. Em cada ano tem uma sequência de leituras próprias, ou seja, leituras para o ano A, para o ano B e para o ano C. A ideia desta distribuição de textos bíblicos ao longo de três anos tem como objetivo se ter uma visão e leitura de toda a Bíblia.” (trecho de texto do site Rumo a Santidade)

Constituição Sacrosanctum Concilium determinou:

«Prepare se para os fiéis, com maior abundância, a mesa da Palavra de Deus: abram se mais largamente os tesouros da Bíblia, de modo que, dentro de um período de tempo estabelecido, sejam lidas ao povo as partes mais importantes da Sagrada Escritura»

cesar-nome

 

 

Tempo do Natal (Catecismo da Igreja Católica)

522 A vinda do Filho de Deus à terra é um acontecimento de tal imensidão que Deus quis prepará-lo durante séculos. Ritos e sacrifícios, figuras e símbolos da “Primeira Aliança”, tudo ele faz convergir para Cristo; anuncia-o pela boca dos profetas que se sucedem em Israel. Desperta, além disso, no coração dos pagãos a obscura expectativa desta vinda. (Parágrafos relacionados: 711,762)

523 São João Batista é o precursor imediato do Senhor, enviado para preparar-lhe o caminho.

“Profeta do Altíssimo” (Lc 1,76), ele supera todos os profetas, deles é o último, inaugura o Evangelho; saúda a vinda de Cristo desde o seio de sua mãe e encontra sua alegria em ser “o amigo do esposo” (Jo 3,29), que designa como “o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (Jo 1,29). Precedendo a Jesus “com o espírito e o poder de Elias” (Lc 1,17), dá-lhe testemunho por sua pregação, seu batismo de conversão e, finalmente, seu martírio. (Parágrafos relacionados: 712,720)

524 Ao celebrar cada ano a liturgia do Advento, a Igreja atualiza esta espera do Messias: comungando com a longa preparação da primeira vinda do Salvador, os fiéis renovam o ardente desejo de sua Segunda Vinda. Pela celebração da natividade e do martírio do Precursor, a Igreja se une a seu desejo: “É preciso que Ele cresça e que eu diminua” (Jo 3,30). (Parágrafo relacionado: 1171)

O MISTÉRIO DO NATAL

525 Jesus nasceu na humildade de um estábulo, em uma família pobre; as primeiras testemunhas do evento são simples pastores. É nesta pobreza que se manifesta a glória do Céu. A Igreja não se cansa de cantar a glória dessa noite: Hoje a Virgem traz ao mundo o Eterno. (Parágrafos relacionados: 437,2443)

E a terra oferece uma gruta ao Inacessível.

Os anjos e os pastores o louvam

E os magos caminham com a estrela.

Pois Vós nascestes por nós, Menino, Deus eterno!

526 “Tornar-se criança” em relação a Deus é a condição para entrar no Reino; para isso é preciso humilhar-se, tornar-se pequeno; mais ainda: é preciso “nascer do alto” (Jo 3,7), “nascer de Deus” para tornar-nos filhos de Deus. O mistério do Natal realiza-se em nós quando Cristo “toma forma” em nós. O Natal é o mistério deste “admirável intercâmbio:

O admirabile commercium! Creator generis humani, anima corpus sumens, de Virgine nasci digna tus est; et procedens homo sine semine, largitus est nobis suam deitatem (Admirável intercâmbio! O Criador da humanidade, assumindo corpo e dignou-se nascer de uma Virgem; e, tomando-se homem intervenção do homem, nos doou sua própria divindade!)

O ANO LITÚRGICO

1168 Partindo do tríduo pascal, como de sua fonte de luz, o tempo novo da Ressurreição enche todo o ano litúrgico com sua claridade. Aproximando-se progressivamente de ambas as vertentes desta fonte, o ano é transfigurado pela liturgia. É realmente “ano de graça do Senhor”. A economia da salvação está em ação moldura do tempo, mas desde a sua realização na Páscoa de Jesus e a efusão do Espírito Santo o fim da história é antecipado, “em antegozo”, e o Reino de Deus penetra nosso tempo.

1169 Por isso, a páscoa não é simplesmente uma festa entre outras: é a “festa das festas”,

“solenidade das solenidades”, como a Eucaristia é o sacramento dos sacramentos (o grande sacramento). Santo Atanásio a denomina “o grande domingo como a semana santa é chamada no Oriente “a grande semana”. O mistério da ressurreição, no qual Cristo esmagou a morte, penetra nosso velho tempo com sua poderosa energia até que tudo lhe seja submetido.

1170 No Concílio de Nicéia (em 325), todas as Igrejas chegaram a um acordo acerca de que a páscoa cristã fosse celebrada no domingo que segue a lua cheia (14 Nisan) depois do equinócio de primavera. Por causa dos diversos métodos utilizados para calcular o dia 14 de mês de Nisan, o dia da Páscoa nem sempre ocorre simultaneamente nas Igrejas ocidentais e orientais. Por isso busca-se um acordo, a fim de se chegar novamente a celebrar em uma data comum o dia da Ressurreição do Senhor.

1171 O ano litúrgico é o desdobramento dos diversos aspectos do único mistério pascal. Isto vale muito particularmente para o ciclo das festas em tomo do mistério da encarnação (Anunciação, Natal, Epifania) que comemoram o começo de nossa salvação e nos comunicam as primícias do Mistério da Páscoa.

O SANTORAL NO ANO LITÚRGICO

1172 “Ao celebrar o ciclo anual dos mistérios de Cristo, a santa Igreja venera com particular amor a bem-aventurada mãe de Deus, Maria, que por um vínculo indissolúvel está unida à obra salvífica de seu Filho; em Maria a Igreja admira e exalta o mais excelente fruto da redenção e a contempla com alegria como puríssima imagem do que ela própria anseia e espera ser em sua totalidade. ”

1193 O domingo, “dia do Senhor”, é o dia principal da celebração da Eucaristia por ser o dia da ressurreição. É o dia da assembleia litúrgica por excelência, o dia da família cristã, o dia da alegria e do descanso do trabalho. O domingo é “o fundamento e o núcleo do ano litúrgico”.

2698 A Tradição da Igreja propõe aos fiéis ritmos de oração destinados a nutrir a oração continua. Alguns são cotidianos: a oração da manhã e da tarde, antes e depois das refeições, a Liturgia das Horas. O domingo, centrado na Eucaristia, é santificado principalmente pela oração. O ciclo do ano litúrgico e suas grandes festas são os ritmos fundamentais da vida de oração dos Cristãos.

1438 Os tempos e os dias de penitência ao longo do ano litúrgico (o tempo da

Quaresma, cada sexta-feira em memória da morte do Senhor) são momentos fortes da prática penitencial da Igreja. Esses tempos são particularmente apropriados aos exercícios espirituais, às liturgias penitenciais, às peregrinações em sinal de penitência, às privações voluntárias como o jejum e a esmola, à partilha fraterna (obras de caridade e missionárias).

Ano Litúrgico 2020

belém-frame-868x472

Atos dos Apóstolos (Círculo Bíblico – 6/10)

Círculo Bíblico: Atos dos Apóstolos – Encontro 6/10

Este é o sexto de uma série de 10 posts que tratarão de um Círculo Bíblico sobre o livro dos Atos dos Apóstolos. A ideia é fazer encontros com a comunidade ou grupos interessados no estudo da Bíblia (dentro ou fora da igreja) e não uma palestra onde um fala e os outros ouvem, mas sim uma partilha numa conversa, mais como uma vivência da fé do que apenas um sermão. Para isso é importante que todos tenham nas mãos a Bíblia e caso contrário, ao menos o livro dos Atos dos Apóstolos (editoras como a Paulus tem edições mais acessíveis apenas com os livros separados da Bíblia como um todo) ou em ultimo caso um folheto impresso com os capítulos que serão lidos. De qualquer forma o ambiente é muito importante e mais ainda que sejam respeitados horários, dias e frequências com que os encontros acontecerão. Funciona muito bem se for uma vez por semana, mas a demanda dos participantes deve ser levada em consideração. Grupos com até 20 pessoas são mais interessantes do que grandes grupos, para que o trabalho seja mais próximo, mas não impede que sejam formados grupos bem maiores. É indispensável que tenha-se ao menos uma equipe (podem ser 2 ou 3 pessoas) para preparar o espaço (decoração, café ou suco ou lanche se for o caso) e tentar fazer estes encontros na igreja e ainda melhor se for nas casas das pessoas. Exemplo: Hoje é na casa do João, no próximo encontro o grupo vai na casa da Maria e assim por diante, assim já se cria um ambiente mais amigável e familiar abrindo a possibilidade da família acolhedora partilhar. Não posso esquecer de frisar que os encontros devem durar até 50 minutos (1 hora no máximo), encontros muito longos não são proveitosos, se tornam cansativos e desestimulam a participação no restante do círculo. Entregar um certificado no final é uma boa ideia.

Cronograma

  1. Oração Inicial
  2. Canto
  3. Leitura (dividir em partes para que todos que se sentirem a vontade possam ler)
  4. Junto com cada parte lida cabe a discussão sobre o que foi lido
  5. Plenária (o que cada um entendeu)
  6. Fechamento com uma oração e o abraço da paz (um canto também é interessante)

O Concilio de Jerusalém (O primeiro de todos)

primeiro-concilio-jerusalem

O Concilio de Jerusalém

 

At 15, 1 – 40

A comunidade tem mais uma discussão a respeito do que deve ou não ser feito dentro da igreja. A forte ligação com a lei judaica ainda traria muitos problemas para a comunidade cristã, e mais uma vez entrou como pauta de discussão a questão de se os chamados “gentios” (aqueles que não eram judeus) deveriam ou não ser circuncidados e abraçarem a fé judaica antes da fé cristã. Parece hoje uma bobagem, mas é de fato um tema que causava extrema celeuma na comunidade de Jerusalém e Antioquia.

Em At 15, 1 – 35 Lucas praticamente escreve sobre um momento central do livro dos Atos dos Apóstolos e da história da Igreja. Como o texto foi escrito quase 50 anos depois dos acontecimentos, ele ão faz um relato histórico, provavelmente Lucas tenha reunido neste capitulo diversos fatos que ocorreram. Mas a maior importância neste relato é o fato de ter acontecido a primeira grande reunião para deliberar, esclarecer e decidir a teoria e a prática do cristianismo. O maior fruto deste concílio é o esclarecimento de que a “salvação cristã depende exclusivamente da fé em Jesus” e que não é necessário antes ser judeu para depois tornar-se cristão. Em poucas palavras, nem os judeus e nem os pagãos ficam obrigados ao ritual da circuncisão e a observância da lei judaica.

Deste concílio, que podemos chamar de Primeiro Concílio de Jerusalém, também saiu o primeiro documento oficial do cristianismo católico em forma de uma carta que foi enviada junto com alguns apóstolos as comunidades da Antioquia: “Então pareceu bem aos apóstolos e aos anciãos com toda a comunidade escolher homens dentre eles e enviá-los a Antioquia com Paulo e Barnabé: Judas, que tinha o sobrenome de Barsabás, e Silas, homens notáveis entre os irmãos. 23.Por seu intermédio enviaram a seguinte carta: “Os apóstolos e os anciãos aos irmãos de origem pagã, em Antioquia, na Síria e Cilícia, saúde! 24.Temos ouvido que alguns dentre nós vos têm perturbado com palavras, transtornando os vossos espíritos, sem lhes termos dado semelhante incumbência. 25.Assim nós nos reunimos e decidimos escolher delegados e enviá-los a vós, com os nossos amados Barnabé e Paulo, 26.homens que têm exposto suas vidas pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo. 27.Enviamos, portanto, Judas e Silas que de viva voz vos exporão as mesmas coisas. 28.Com efeito, pareceu bem ao Espírito Santo e a nós não vos impor outro peso além do seguinte indispensável: 29.que vos abstenhais das carnes sacrificadas aos ídolos, do sangue, da carne sufocada e da impureza. Dessas coisas fareis bem de vos guardar conscienciosamente. Adeus! 30.Tendo-se despedido, a delegação dirigiu-se a Antioquia. Ali reuniram a assembléia e entregaram a carta. 31.À sua leitura, todos se alegraram com o estímulo que ela trazia.” (Atos dos Apóstolos, 15,22-31 – Bíblia Católica Online)

No final deste capítulo é citado novamente a presença de Marcos (que seria depois o primeiro a escrever um dos Evangelhos e este seria copiado por Mateus e o próprio Lucas). Como Marcos na verdade se chamava João Marcos ( e alguns relatos apócrifos dão conta de que foi na casa da família dele, quando este ainda era uma criança, realizada algumas ceias de Jesus e seus discípulos incluindo a ultima ceia): “Barnabé queria levar consigo também João, que tinha por sobrenome Marcos. 38.Paulo, porém, achava que não devia ser admitido quem se tinha separado deles em Panfília (durante a primeira viagem missionária de Paulo, Barnabé e o próprio Marcos que abandonou) e não os havia acompanhado no ministério. 39.Houve tal discussão que se separaram um do outro, e Barnabé, levando consigo Marcos, navegou para Chipre.” (Atos dos Apóstolos, 15, 37-39 – Bíblia Católica Online)

Vale fazer umas perguntas enquanto se lê este capitulo: 1. Evangelho é fermento libertador e não fardo opressor. Concorda?; 2. A ação missionária de nossa comunidade liberta ou oprime?; 3. Damos espaço para quem é novo na comunidade?

320px-Petersinai

São Pedro, ícone do século VI, Mosteiro de Santa Catarina do Monte Sinai

 

At 16, 1 – 40

Logo no inicio deste capítulo é introduzido a figura do apóstolo Timóteo que era filho de uma judia cristã e de pai grego, mas um detalhe chama a atenção. Apesar de no capitulo anterior ter acontecido um Concilio onde foi decidido que ninguém precisaria se converter ao judaísmo para ser cristão, a primeira coisa que Paulo faz ao chamar Timóteo para acompanhá-lo é justamente circuncidá-lo. O motivo, apesar de não ter sido escrito pode ser entendido por algumas suposições. Timóteo era fio de uma judia convertida e pai grego, provavelmente o pai já havia falecido e o costume judaico para um casamento misto (judeu e grego) era de que o filho fosse educado na religião da mãe e esta era judia, então Paulo (ainda intimamente ligado a lei judaica) acabou circuncidando Timóteo para que a comunidade judaica não o visse como um renegado. Lembrando que a evangelização feita pelos apóstolos sempre começava pelas sinagogas.

Timóteo viria a ser o maior colaborador de Paulo, junto com Lucas.

Este inicio da segunda viagem missionária de Paulo não foi tanto uma decisão da comunidade, mas sim do próprio apóstolo. Paulo é dirigido pelo Espírito Santo e por duas vezes é impedido ou proibido de ir para a Éfeso pela ação do espírito.

Justamente  em 16, 10 Lucas começa a usar a palavra “nós” narrando como se estivesse participando ativamente da viagem, porém esse fato não é comprovado.

É na principal cidade da Macedônia, Filipos, reconstruída por Filipe, pai de Alexandre Magno em 356 a.C., tornou-se colônia de Roma em 31 a.C., mas tinha alguns privilégios como administração autônoma, isenção de tributos e direitos dos cidadãos residentes em território italiano. Lucas não dá a mesma importância para a cidade, como dará Paulo durante as suas missões e suas epístolas. Não havia sinagoga na cidade mas os judeus rezavam próximo a um rio, onde os missionários Paulo e Timóteo encontraram-se com um grupo de fiéis (aparentemente a maioria mulheres) e converteram várias dando destaque para uma mulher de nome Lídia que era uma rica comerciante vinda de Tiatira, esta se converteu, foi batizada junto com toda a família e na sua casa foi fundada a comunidade de Filipos e ali ficou sendo a sede da comunidade.

Mais uma vez durante a missão os apóstolos sofrem perseguição. Paulo e Silas foram açoitados e presos, sem um julgamento e sem que seus perseguidores soubessem que estavam indo contra a lei romana  pois os apóstolos eram cidadãos romanos e nenhum judeu poderia julgar um cidadão romano naquela época. Na prisão Paulo e Silas foram acorrentados mas durante a noite as algemas caíram por força do poder de Deus.

É sempre interessante pensarmos em responder algumas perguntas:

  1. A solidariedade e a partilha caracterizam a vida da sua comunidade?
  2. Quais as semelhanças entre At 6, 13-16“No sábado, saímos fora da porta para junto do rio, onde pensávamos haver lugar de oração. Aí nos assentamos e falávamos às mulheres que se haviam reunido. 14.Uma mulher, chamada Lídia, da cidade dos tiatirenos, vendedora de púrpura, temente a Deus, nos escutava. O Senhor abriu-lhe o coração, para atender às coisas que Paulo dizia. 15.Foi batizada juntamente com a sua família e fez-nos este pedido: Se julgais que tenho fé no Senhor, entrai em minha casa e ficai comigo. E obrigou-nos a isso.” e o que acontece com as nossas atuais Comunidades Eclesiais de Bases (CEBs)?
  3. Porque a ação libertadora da fé provoca perseguição?

 

At 17, 1 – 34

A viagem de Paulo, Silas e Timóteo chega a Tessalônica, depois de passar por outras localidades. Nesta cidade ele fica por um mês, passando três sábados pregando na sinagoga e convertendo muitos judeus e também outros povos. Porém mais uma vez eles foram perseguidos, por conseguirem converter muitos “gentios” e várias mulheres: “Alguns deles creram e associaram-se a Paulo e Silas, como também uma grande multidão de prosélitos gentios, e não poucas mulheres de destaque. 5.Os judeus, tomados de inveja, ajuntaram alguns homens da plebe e com esta gente amotinaram a cidade. Assaltaram a casa de Jasão, procurando-os para os entregar ao povo.”
(Atos dos Apóstolos, 17, 4-5 – Bíblia Católica Online)

Neste ponto do capítulo somos apresentados a Jasão que aparentemente era um homem rico convertido ao cristianismo que deu acolhida a Paulo e seus companheiros. Os judeus invadiram sua casa em busca dos apóstolos e como não acharam prenderam Jasão e algumas pessoas que ali estavam. Vale prestar atenção no versículo 9“9.E só depois de receberem uma caução de Jasão e dos outros é que os deixaram ir.”  Aparentemente só após dar dinheiro aos perseguidores Jasão conseguiu a liberdade. 

Os apóstolos vão para Beréia, mas os tessalonicenses continuam a persegui-los, aqui vale fazer um parentese pois esta perseguição parece mais forte contra Paulo, e este vai então para Atenas deixando Silas e Timóteo em Beréia.

greek-theatre-2144095_960_720

Ruínas atuais do Areópago de Atenas

Em Atenas, uma cidade grega, ele se defronta com as dificuldades de se levar a palavra de Jesus, pois é um povo que cultua muitos deuses. Paulo é levado ao Areópago (em grego antigoἌρειος Πάγος areios pagos, “Colina de Ares“) que era a parte nordeste da Acrópole em Atenas e também o nome do próprio conselho que ali se reunia. Além de supremo tribunal, o conselho também cuidou de assuntos como educação e ciência por algum tempo.

Por volta de 50 da era cristã filósofos epicureus e estoicos que discutiam com o apóstolo Paulo o levaram ao Areópago para que lhes contassem a respeito de sua nova doutrina. Ali ele proferiu seu famoso Discurso no Areópago.

Atenas e o discurso no Areópago

Paulo pregando no Areópago de Atenas, um dos episódios de Atos 17.
1515. Por Rafael, atualmente no Victoria and Albert Museum, em Londres.

Em Atenas, Paulo se revoltou com a idolatria que encontrou. Ele pregava não apenas aos judeus, mas discutia também com filósofos epicuristas e estoicos (Atos 17,18). Curiosos, levaram-no para o Areópago, onde Paulo proferiu um de seus mais famosos sermões, preservado em At 17, 22-34.

Discurso no Areópago

Depois de cumprimentar os atenienses, Paulo afirma ter encontrado um altar ao “deus desconhecido” e afirma que este, que adoravam sem saber, «é o que eu vos anuncio. O Deus que fez o mundo e tudo o que nele há» (At 17, 23-24). Afirma ainda que o verdadeiro Deus não habita em santuários e nem precisa de nada das mãos humanas, como sacrifícios ou estátuas, pois todos os homens foram criados por Ele. Assim: «Sendo, pois, geração de Deus, não devemos pensar que a divindade é semelhante ao ouro ou à prata ou à pedra, lavrada por arte e gênio do homem. Dissimulando, pois, os tempos da ignorância, Deus manda agora que todos os homens em todo o lugar se arrependam, porquanto tem fixado um dia em que há de julgar o mundo com justiça pelo varão que para isto destinou, do que tem dado certeza a todos, ressuscitando-o dentre os mortos.» (At 17,29). Alguns zombaram, mas muitos foram convertidos; o autor dos Atos cita entre eles Dionísio, o Areopagita, e Dâmaris.

Milton Cesar

Refletindo

A nossa fé é acima de tudo compromisso e fidelidade. Não podemos entrar no oba-oba saltitante do galho em galho religioso, pois acreditar não é procurar algo que se pode encontrar somente em Jesus. Os apóstolos e os discípulos nas suas caminhadas de evangelização jamais deixaram-se seduzir por outras doutrinas ou deixaram-se amedrontar por ameaças e perseguições, mantiveram-se fiéis a Jesus Cristo, seguindo os ensinamentos que ele deixou e compreendendo que a figura de Pedro (o primeiro Papa) era importante e acima de tudo era da vontade de Deus que ele fundasse a sua igreja, a igreja de Jesus Cristo.

Não podemos acomodar-se, acovardar-se ou fingir que não ouvimos o chamado do Espírito Santo. Somos acima de tudo evangelizadores.

Podemos sempre trazer as experiências da comunidade nascente do tempo dos Atos para nossa vida em comunidade e ver o que ainda falta para realmente sermos uma igreja única num só ideal. É preciso rezar mais e fazer uma leitura cada vez mais orante do Livro dos Atos dos Apóstolos.

Milton Cesar

 

santiago-768x528

São Tiago Maior

São Tiago Maior, o primeiro discípulo a morrer pelo Evangelho

Nascido em Betsaida, este apóstolo do Senhor era filho de Zebedeu e de Salomé e irmão do apóstolo João, o Evangelista. Pescador juntamente com seu irmão João, foi chamado por Jesus a ser discípulo d’Ele. Aceitou o chamado do Mestre e, deixando tudo, seguiu os passos do Senhor. Dentre os doze apóstolos, São Tiago foi um grande amigo de Nosso Senhor fazendo parte daquele grupo mais íntimo de Jesus (formado por Pedro, Tiago e João) testemunhando, assim, milagres e acontecimentos como a cura da sogra de Pedro, a Transfiguração de Jesus, entre outros. Procurou viver com fidelidade o seu discipulado. No entanto, foi somente após a vinda do Espírito Santo em Pentecostes que São Tiago correspondeu concretamente aos desígnios de Deus. No livro dos Atos dos Apóstolos, vemos o belo testemunho de São Tiago, o primeiro dentre os doze apóstolos a derramar o próprio sangue pela causa do Evangelho: “Por aquele tempo, o rei Herodes tomou medidas visando maltratar alguns membros da Igreja. Mandou matar à espada Tiago, irmão de João” (At 12,1-2). Segundo uma tradição, antes de ser martirizado, São Tiago abraçou um carcereiro desejando-lhe “a Paz de Cristo”. Este gesto converteu o carcereiro que, assumindo a fé em Jesus, foi martirizado juntamente com o apóstolo. Existe ainda outra tradição sobre os lugares em que São Tiago passou, levando a Boa Nova do Reino. Dentre estes lugares, a Espanha onde, a partir do Século IX, teve início a devoção a São Tiago de Compostela.

São Tiago Maior, rogai por nós!

Tiago (o Maior), filho de Zebedeu e de Salomé, irmão mais velho do evangelista João, aparece entre os seguidores de Jesus desde o começo da pregação do Messias.

tiago_maior

Os dois irmãos estavam na margem do lago de Genesaré, quando Jesus os chamou. A resposta foi pronta e total: “eles abandonando o barco e seu pai, o seguiram”. Também neste particular se revela sua índole forte e ardente, pela qual tiveram de Jesus o apelido, entre elogio e reprovação, de “filhos do trovão”. Seu comportamento posterior confirma isso, pelo menos em duas ocasiões: a primeira vez diante do comportamento hostil dos samaritanos, que negaram hospitalidade a Jesus e aos seus discípulos: “Senhor – disseram Tiago e João – devemos invocar o fogo do céu para que os devore?” Mais tarde na última viagem a Jerusalém, ambos ousaram fazer aquele presunçoso pedido de sentar-se um à direita e outro à esquerda do Cristo triunfante. Em ambos os casos demonstram não terem entendido as lições de amor e de humildade do Mestre. Todavia são generosos quando se trata de jogar-se à luta. À pergunta de Jesus: “Podeis vós beber o cálice?”, Tiago foi o primeiro a responder: “Podemos”. Jesus colocou-o contra a parede e Tiago respeitou pontualmente a palavra dada. Após o dia de Pentecostes, no qual tinha vindo não o fogo destruidor do castigo, mas o fogo vivificante do amor, também Tiago como os outros apóstolos foi vítima da perseguição movida pelas autoridades judaicas: foi jogado no cárcere e flagelado, “alegrando-se muito, por ter sido digno de sofrer torturas pelo nome de Jesus” (como se lê nos Atos dos Apóstolos). Houve uma segunda perseguição, da qual foi vítima ilustre o diácono santo Estêvão, e houve uma terceira, mais cruel que as precedentes, desencadeada por Herodes Agripa para agradar aos judeus.

Este Herodes (mostrando-se digno do nome do tio, o assassino de João Batista, e do avô Herodes, dito o Grande, que tentou matar Jesus logo que nasceu), por um simples cálculo político, durante as festas pascais de 42 “começou a perseguir alguns membros da Igreja, mandou matar à espada Tiago, irmão de João, e, vendo que isto agradava aos judeus, mandou prender Pedro”.

Segundo uma tradição, não anterior ao século VI, o apóstolo Tiago teria sido o primeiro evangelizador da Espanha. Para revigorar esta tradição, no século IX o bispo Teodomiro de Iria afirmou ter reencontrado as relíquias do apóstolo e desde aquela época, Iria, que tomou o nome de Compostela, tornou-se a meta preferida de todos os peregrinos da Europa.

fides - Copia

Como base de estudo foi usado:

 

 

 

A fé vertical e horizontal (Deus não é sofrimento)

Teologia Leiga

por Milton Cesar

Jesus-cordeiro

Dentro da fé católica o crucifixo tem uma simbologia muito grande.

Ao contrário dos detratores que dizem que nós adoramos um “símbolo de tortura” ou ainda aqueles que se apegam a frases prontas e repetidas sem a noção exata do que significa quando bradam : “o meu Deus é vivo e não está na Cruz. “, os católicos  (como eu) apenas têm na Cruz um exemplo máximo de entrega do amor de Deus pelos seus filhos.

Não homilia deste terceiro domingo da Quaresma  (04/03/2018) o padre Márcio Rogério da Paróquia Santa Mônica  (Campinas, SP) falava sobre a relação que devemos ter com a fé e que está tem que ser como a cruz, horizontal com Deus e vertical com os irmãos mas se cruzando no amor do Pai.

Então à partir deste ponto sai da missa refletindo e rezando sobre isso.

images

Não foi por acaso que Cristo morreu justamente numa cruz.

A cruz é nossa relação de fé. Deus/Eu/Irmãos. Uma relação vertical do Pai e seu filho (cada um) e horizontal dos filhos com seus irmãos passando por Deus.

Vertical 

Muitas pessoas acabam mudando de religião e a primeira coisa que dizem é : “Eu aceitei Jesus agora estou salva.” Por si só a frase soa estranha já que a pessoa estava em uma igreja durante um grande período e não tinha aceitado Jesus (?)… Mas este não é o ponto é sim o fato da pessoa ter apenas uma relação vertical com a fé : “EU aceitei Jesus agora EU estou salvo.” – perceba que é uma relação apenas da pessoa com Deus, não existe a doação aos irmãos.

images (7)

Jesus um dia estava pregando e havia uma multidão ao seu redor e com o avanço do dia e o prenúncio do final da tarde alguns discípulos queriam que Jesus dispensasse a multidão já que a comida daria apenas para eles. Mas Jesus fez a multiplicação dos pães e peixes e alimentou a todos ( Mt 14,13-21; Mc 6,30-44; Lc 9,10-17Jo 6,1-13 ) . Se ele usasse a lógica destes que pregam estar salvos sozinhos ele não teria feito isso.

É muito interessante pensarmos como a cada dia mais surgem denominações religiosas pregando a salvação pessoal a um preço e como estas pessoas atacam a igreja católica por ser diferente disso .

Todos podem ter uma relação vertical com Deus. Mas tem que ser como a cruz, têm que ter o horizontal.

Horizontal 

O horizonte é o que vemos quando olhamos para a frente. Todas as vezes que nos deslocamos é sempre em direção ao horizonte .

cros1190ckr

Jesus venceu a morte.  A cruz está vazia

Ter uma relação de fé Horizontal é estar no mesmo nível que cada irmão,  pois somos todos fiéis em busca da salvação.

Deus não vai salvar apenas o rico ou o pobre. Ele quer salvar a todos . Mas para isso devemos ter ciência de que a nossa fé é para ser dividida com todos.

Ninguém acende uma lamparina e a esconder. A luz é para todos.

Ter uma relação horizontal com nossos irmãos não quer dizer que não teremos uma relação vertical com Deus, mas sim que estas relações estão ligadas. Assim como uma cruz que a trave fica no meio do mastro. A nossa fé é onde uma relação se misturam com a outra.

Acreditar em Jesus e levar esta fé a todos.

images (5)

Deus não é sofrimento 

Não cruz morreu Jesus e 3 dias depois ele ressuscitou. O filho de Deus veio para morrer por nós para que todos os nossos pecados fossem perdoados. Porque Deus prometeu que nunca mais iria destruir a terra como fez com o dilúvio.

Porém muita gente acha que Deus gosta de ver o sofrimento e até faz com que as pessoas sofram. E pregam do alto de seus lugares de destaques que apenas ele ou aquela religião vai salvar a pessoa.

Acreditem, Deus não quer que soframos nada. Somos seus filhos e temos a liberdade  (livre arbítrio) para escolher o que fazemos.

Muitas das enfermidades que sofremos são causadas pelas nossas escolhas. Por exemplo : As pessoas bebem ou se drogam, ficam viciadas e acabam doentes ou perdem tudo o que tem incluindo família , culpam Deus. Mas de quem é a verdadeira culpa?

O mundo vive em guerra , existem injustiças e violência. Pessoas passando fome. Mas quando analisamos a fundo vemos que é o egoísmo dos próprios homens que levaram a isso.

Até alguns que se autodenominam emissários de Deus e abrem igrejas a cada esquina tem coragem de explorar a fé dos irmãos. Já vi um que pediu para que os fiéis deixassem de pagar 3 aluguéis de suas casas que receberiam uma casa de Deus . É certo isso?

images (2)

Deus não gosta do sofrimento de ninguém mas as escolhas para seguir falsos profetas ou uma igreja séria cabe a cada um.

Lembre-se da Cruz e viva a sua vida na verticalidade de Deus mas com a horizontalidade dos irmãos.

Paz e bem da parte do Senhor Jesus

Milton Cesar

images (4)

40 º Encontro (Catequese) – Final

Série: Animo, uma nova Catequese (Encontro 40/40)

who-is-greatest-little-children-jesus_1127679_inl

Chegamos ao final da proposta de 40 encontros de preparação para a catequese, ou 40 encontros de vivência na fé para os catequizandos. Desde o início deixei claro que estas postagens em série são apenas sugestões para o grupo da Pastoral da Catequese e podem (ou não) serem utilizados na preparação para o recebimento dos sacramentos da iniciação cristã dentro da catequese. Não é um curso, mas serviria como base de uma formação dos catequizandos (ou crismandos apenas).

Neste encontro a sugestão é que seja leve e não passe de uma boa conversa, um grande e descontraído bate papo entre todos visando o fechamento desta preparação. Antes eu sugeria que fosse feito após o  sacramento da Confirmação, mas a experiência acabou provando que deve sim ser feito antes do recebimento do sacramento, mas deve ser realizado na semana que antecede o grande dia (se for aos domingos os encontros, deve ser no domingo anterior ao do Crisma).

Como é um encontro de despedida (não da igreja, mas da catequese) vai ser sempre tomado de emoção. Então algumas providências podem ser tomadas:

  1. Café da Manhã (ou tarde, ou noite, dependendo do seu horário de encontros). Se foi combinado antes que seja um café comunitário onde aqueles que puderem colaborar tragam alguma coisa para se dividir. Caso contrário a igreja pode bancar este café, que não precisa ser suntuoso, mas deve ser bem preparado.
  2. Ambientação: deve-se colocar o que foi significativo durante estes encontros, como fotos, Bíblia, folhas de encontro, frases, flores.
  3. Não esquecer de entregar as camisetas (se foi esse o combinado e a escolha) e orientar para que só se use no dia do recebimento do Sacramento (por incrível que pareça tem pessoas que recebem a camiseta e já querem usar, perdendo a oportunidade de reservá-la para o dia especial primeiro). Muito cuidado nesta entrega para evitar constrangimentos com cobranças de valores de quem ainda não pagou ou possíveis doações de camisetas para quem realmente não tem condições de pagar, estes detalhes podem ser falados a parte no particular. O importante é todos receberem as camisetas (lembrando que esta pode ser uma opção).
  4. Fazer uma foto com todo mundo junto, catequizandos e catequistas.
  5. Confirmar algum detalhe que faltou. E lembrar que eles devem chegar ao menos com 40 minutos de antecedência na missa do Crisma.
  6. Lembre-se que pastas de encontro e outras lembranças podem ser entregues também no dia da missa da Crisma, mas apenas a benção final.
folhadeencontromod.3-27

Sugestão de folha para o encontro

Fazer a oração inicial do Pai Nosso, e uma Ave Maria

Cantar Simplesmente Amar – Vida Reluz

Chamar para o café da manhã

Depois, com todos sentados, fazer a dinâmica dos nomes (feita nos primeiros encontros), que consiste em: – a primeira pessoa da roda fala seu nome, a segunda fala o nome da pessoa e o seu próprio, a terceira fala os dois nomes anteriores e o seu, e assim vai até fechar o círculo (catequistas devem participar da roda), depois o último recomeça a brincadeira falando apenas o seu e depois o penúltimo fala o do último e o seu próprio, e a roda volta a fazer a brincadeira. Tudo para descontrair e ver como mudou do começo até este último encontro.

Incentivar que cada um fale o que estará levando desta vivência na fé. Uma boa tática é pedir que uma pessoa comece e quando terminar de falar diga o nome de alguém para falar depois, caso haja necessidade o próprio catequista pede para as pessoas falarem (só sugiro que se evite falar na sequência da roda, é mais interessante que as pessoas falem esporadicamente e não pressionados pela sequência. Todos podem falar, é mais rico.

Momento de oração:

Toca-se Ninguém te ama como eu  – Mensagem Brasil como fundo e os catequistas agradecem a Deus pelo grupo, por toda a experiência vivida, enfim cada um sabe o que dizer nesta hora. Depois podem deixar o grupo falar, aqueles que se sentirem à vontade. então peça que cada um feche os olhos e pense nos seus objetivos de vida depois desta vivência na fé, e seus objetivos devem ser sempre de crescimento pessoal, de estudo, trabalho, da possível constituição de uma família. Lembrar que o católico não faz nada sem pensar no amor de Jesus e que cada passo dado seja nas amizades, nos relacionamentos, com os pais, familiares e filhos (no futuro) devem ser sempre passos dados baseados em Deus. Deixar então a música tocar e todos refletirem.

Depois pode ser cantada uma música que marcou o grupo durante esta vivência de praticamente 1 ano e fazer a Oração do Vinde Espírito Santo

Depois pode se reservar um tempo para um grande abraço da paz e fotos

 

Aprofundamento para o catequista

olsenlostfound200

A pergunta sobre o que você vai levar desta experiência de fé, é pertinente e muito subjetiva. Afinal foram 40 encontros (ou mais dependendo de como foi escolhido fazer) e neles todos a maior das intenções foi sempre o de ensinar como Jesus ensinava, não em uma escola ou sinagoga (nosso caso só dentro da igreja), mas sim na conversa, na amizade, nas parábolas que a vida oferece,no exemplo…

Esta vivência na fé nunca teve a intenção de ensinar a ter fé (isso é muito pessoal), mas mostrar como é bom se ter a fé e crer em Jesus Cristo. Mostrar que não se trata de uma vida de privações, mas sim de muitas graças e bençãos. Você nunca mais se sentirá sozinho estando entre várias pessoas, pois sempre estará com Jesus.

Nesta vivência nasceram amizades para a vida toda, e também foi explorado um território muitas vezes conhecido apenas superficialmente que é a Igreja Católica Apostólica Romana (a nossa igreja) com toda a sua tradição de mais de 2000 anos fundada sobre a rocha deixada por Jesus e esta rocha foi São Pedro, e podemos dizer que São Paulo foi o lançador de vários fragmentos desta rocha para onde a igreja (hoje no mundo todo) germinou em meio as pedras.

Então encerrando esta vivência na fé, melhor dizendo, terminando esta pequena etapa na vivência na fé, só podemos agradecer a Deus por mais esta oportunidade e daqui para a frente, cada catequizando que foi batizado, recebeu a primeira comunhão e depois foi crismado será não mais um fiel, e sim uma pessoa iluminada pela graça de Deus que terá sempre a missão de perpetuar e dividir a graça ao próximo.

Deus abençoe a cada um, seja catequista, catequizando, padre, leigo, leitor no geral. Este blog sempre será espaço para a palavra de Deus.

Paz e Bem da parte do Senhor Jesus.

simplesmente amar - Copy

Sugestão de lembrança

Escute as músicas sugeridas:

Devo citar alguns sites que utilizei no decorrer desta série de postagens:

Tudo isso para tentar trazer um conteúdo baseado na minha experiência anterior como catequista de adultos, esperando que tenha servido (ou vá servir) para ajudar nesta importante tarefa de evangelização que é a Pastoral da Catequese. Sempre lembrando que tudo que aqui está não é um modelo pronto, mas sim apenas parte dos ingredientes para a feitura de uma obra ainda maior, a obra de Jesus Cristo.

Deus abençoe.

Milton Cesar

39 º Encontro (Catequese) – Uma conversa franca sobre a Igreja

Série: Animo, uma nova Catequese (Encontro 39/40)

Muita gente acha que ser da igreja é sempre estar em penitência, no sofrimento. Ou ter comportamentos ditos adequados (mas só para outros verem), esquecem que o ser igreja é antes de tudo ser feliz: Alegrai-vos sempre no Senhor, alegrai-vos! A igreja é também a casa de Deus, merece respeito, reverência, mas nunca sofrimento, tristeza e engana-se quem acha que a nossa igreja católica não possui regras e dogmas, e que é tudo de qualquer jeito. Nós temos mais de 2000 anos de tradição e foi esta firmeza na fé que fez a igreja chegar até aqui. Mas para todos que estão fazendo esta vivência na fé, este é o momento para termos uma conversa franca sobre a igreja. Falaremos sobre curiosidades, dogmas de fé, tradição e a alegria de ser igreja.

folhadeencontromod.3-26

Sugestão para folha de encontro

Neste encontro sugiro começar com um grande abraço da paz e o canto Vem Espírito

Depois pode-se pedir que cada um fale o que mudou na sua vida neste tempo de caminhada (deixar livre para quem quiser falar ou não)

Depois entremos no tema e falaremos sobre a igreja católica, a nossa igreja. Como é importante entendermos que o ser igreja é também um jeito de viver e esse jeito demanda aceitar algumas coisas. (veja aprofundamento para o catequista)

No terceiro momento é hora de acertar os últimos detalhes antes da celebração do Crisma, e acertar leitores e vários outros pontos da missa deste dia (já venho falando destes pontos em várias postagens anteriores)

Momento de oração:

Ambientação: velas, cruz e Bíblia

Material: papel e canetas

Desenvolvimento: todos devem escrever seu nome em uma folha de papel e uma intenção pelo que vai rezar durante a semana. Depois coloca-se os papeis próximo a Bíblia. E fazem uma oração no silêncio, depois de um tempo todos refletem sobre a música A Paz que eu sempre quis – Vida Reluz (deixar a música tocar e esperar que todos escutem, orientando para que enquanto isso fiquem em oração). Após esse momento todos pegam um dos papéis escritos anteriormente, mas não pode ser o seu próprio. A orientação é que cada um reze pela sua intenção e pela do outro que escreveu no papel durante a semana. Um irmão, deve sempre orar pelo outro.

Depois faz-se a oração final e canta-se  a música Jesus pra sempre – Comunidade Doce Mãe de Deus 

Lembrando que no próximo encontro será o ultimo desta preparação pode ser sugerido um café compartilhado onde cada um (daqueles que se disporem levem alguma coisa para ser compartilhada) ou a comunidade banque, pois será um encontro mais descontraído.

Aprofundamento para o catequista:

A igreja é o local mais indicado para o encontro dos fiéis. Não acredito quando uma pessoa se diz católica, mas não vai na igreja. Isso não é ser católico é só se dizer católico, sem ser. Isso não exclui a casa de cada um como local importante para se manter fiel. Mais ainda os locais onde frequentamos como: escola, curso, trabalho, bairro… podem e devem ser também espaços para mostrarmos a nossa fé. E quando digo mostrarmos a nossa fé, não estou dizendo ficar condenando ninguém que não seja da nossa igreja, ou ficar apontando os erros. Muito menos ser omissos quando percebemos algo que vai contra Deus.

O católico é católico 24 horas por dia, e não só nas missas ou na igreja, mas sim em todos os lugares. A Igreja Católica Apostólica Romana não é uma bagunça como alguns acham, e muito menos um espaço onde tudo pode. A igreja tem suas regras e estas regras não são um impedimento, mas sim um bom guia e comportamento para que a fé não se perca em meio as coisas do mundo.

O católico deve no minimo:

  1. Receber os Sacramentos da Iniciação Cristã (Batismo, Eucaristia e Crisma)
  2. Receber o Sacramento da Confissão (é recomendável que ao menos uma vez ao ano cada fiel faça a sua confissão)
  3. Participar das missas e celebrações
  4. Participar da igreja (existem grupos de oração, terço, jovens, perseverança (adolescentes), dízimo, catequeses, ministérios, limpeza, Batismo, ECC (Encontro de Casais com Cristo), liturgia, círculos bíblicos, novenas e várias outras pastorais)

O padre é autoridade dentro de uma comunidade, mas para o bom funcionamento é necessária a colaboração de todos e também a formação de uma equipe de administração, na verdade chamado Conselho Pastoral, onde o coordenador (ou animador como tem sido o costume chamar ultimamente) de cada Pastoral faz parte.

A igreja segue o Código de Direito Canônico que é a constituição da igreja e vale para o mundo todo. Nele estão as regras para tudo que se faz dentro da igreja (do recebimento dos sacramentos a ordenação dos padres e até da escolha do Papa). É de lá que sabemos que quem pode ser padrinho de Batismo (ou Crisma também) deve ter recebido os Sacramentos da Iniciação Cristã, deve ser solteiro ou ter recebido o Sacramento do Matrimônio (não pode viver junto apenas) e ter 18 anos ou mais. Lá diz que o crismando só está apto a receber o sacramento da Confirmação (Crisma) com 15 anos ou mais. Fala-se da indissolubilidade do Sacramento do Matrimônio,  ou seja : O que Deus uniu o homem não separa. Mas também é explicado que em alguns casos bem específicos o matrimônio pode ser anulado. Para tudo tem os procedimentos para se conceder o sacramento mas também os impedimentos.Fica claro a função dos padres, bispos e até do Papa e vários outros pontos da igreja. Por isso mesmo eu discordo da flexibilidade algumas vezes praticadas por alguns padres e/ou comunidades afim de não perder o fiel,mas estes muitas vezes só procura a igreja na hora de receber algum sacramento como Batismo ou Matrimônio, são o que chamo de católico turista.

O Católico Turista:

O Católico Turista é aquele que só vai na igreja quando precisa batizar um filho ou ser padrinho, ou vai se casar. Também tem aqueles turistas que só vão em missas de 7º dia ou na semana santa. Ou que só aparecem em festas juninas. Estes não são católicos na sua totalidade, mas precisam ser resgatados e voltarem a igreja. Até entendo que hoje em dia as exigências do trabalho atrapalham, mas é impossível não sobrar um tempo para Deus, já que a maioria das igrejas tem missas em horários e dias diversos para atender a todos. Não sou daqueles que não concordam quando alguém proclama que a fé dele é só ele e Deus e não precisa da igreja. A igreja é o lugar onde o próprio Jesus disse que estaria e esta igreja seria construída em Pedro, além dele próprio dizer que estaria onde dois ou mais estivessem reunidos. O mundo fora da igreja não leva a lugar nenhum pois as tentações são maiores, já dentro da igreja o viver o amor de Deus é intenso.

Igreja Humana e Santa

A igreja é Santa e humana.

Santa porque é a casa de Jesus, da Santíssima Trindade e onde reina o amor de Deus.

Humana porque acima de tudo é feita por nós seres humanos. E é justamente esta parte humana que precisa a cada dia mais se integrar e nascer para uma vida nova em Jesus Cristo. Ninguém vai negar todos os problemas que um grupo de pessoas juntas acabam tendo. Algumas vezes acontecem discussões, fofocas e mágoas, porque falta sempre o diálogo, mas não um diálogo comum e sim uma conversa baseada na oração e no consenso do que é melhor para a igreja. Um padre muito centralizador não colabora com o crescimento da comunidade, assim como um padre omisso também não. Pessoas que estão a frente de alguma pastoral devem também saber lidar com as divergências e ponderar sobre os melhores caminhos a se tomar, sempre orientados pela oração e com a ajuda do padre. nenhuma comunidade vai ter todas as pessoas concordando com tudo, mas é importante não ter um dos maiores pecados do mundo atual (acho que deveria entrar na lista dos pecados mortais): a fofoca. Grupos diferentes tem que saber respeitar os outros e todos devem entender que a igreja é de todos e não só de um grupo ou de uma pessoa. Somos irmãos em Cristo e devemos também cuidar da sua igreja.

Milton Cesar (Fides Omnium)

Curiosidades:

Jesus-cordeiro

O crucifixo é muito usado pelos católicos como simbolo. Nas igrejas existem crucifixos, muitos usam como adereço, principalmente no pescoço. Isso causa certa polêmica com nossos irmãos protestantes que dizem que adoram um Deus vivo. Nós católicos também amamos a Jesus vivo, mas a cruz nos lembra do sacrifício feito por Deus ao entregar seu filho único como cordeiro em expiação dos nossos pecados. Algumas pessoas também consideram utilizar a cruz como cordão com crucifixo para simbolizar que sabem do sacrifício de Jesus e sabem que devem sempre carregar a própria cruz.

Porque as igrejas tem nomes de santos?

É uma tradição da igreja dedicar muitos de seus templos a Santos e Santas, mas não são todos, e isso acontece por diversos motivos. Mas a principal é que na maioria das vezes uma igreja é construída por existe uma veneração de algum santo naquele lugar, então se mantém o nome do santo. Eu particularmente explicava nas catequeses que o nome da igreja ser o nome de um Santo(a) não quer dizer que a igreja não seja de Jesus. Só quer mostrar como Jesus era em vida, sempre se reunindo na casa de outras pessoas. Não me lembro de nenhuma narrativa bíblica dando conta de que Cristo levou seus seguidores para sua casa, mas sim de que foi acolhidos em alguma casa. Existe sempre o respeito a devoção das pessoas.

O princípio protestante de que “só a Bíblia” (Sola Scriptura)
Nada mais falso do que esse princípio. Os cristãos do primeiro século não dispunham de Bíblia. E nem os cristãos dos séculos seguintes. Na verdade, os cristãos só puderam contar com a Bíblia para consulta, como hoje, muitos anos depois da invenção da imprensa, que só aconteceu no ano de 1455. Então, será que o Senhor Jesus esperaria quase um milênio e meio para revelar sua verdadeira doutrina para o mundo? Se assim fosse, Ele teria mentido, pois disse antes de partir para o martírio que estaria com a sua Igreja até o fim do mundo (cf. Mateus 28, 19-20).
Além disso, para que a Bíblia fosse a única fonte de revelação, seria no mínimo necessário que ela mesmo se proclamasse assim; e não é o caso, pelo contrário. A Bíblia diz que a Igreja é a coluna e o sustentáculo da verdade (1 Tim 3, 15), e não as Escrituras. Nela, Jesus Cristo diz ainda: “Vocês examinam as Escrituras, buscando nelas a vida eterna. Pois elas testemunham de Mim, e vocês não querem vir a Mim, para que tenham a Vida!”(João 5, 39-40).
Sim, a Bíblia diz que as Escrituras são ÚTEIS para instruir, mas nunca diz, em versículo algum, que somente as Escrituras instruem, ou que só o que as Escrituras dizem é que vale como base para a fé. Isso é uma invenção humana sem nenhum fundamento. E a Bíblia também diz que devemos guardar a Tradição (2 Tessalonicenses 2, 15; 3,6) Extraído do blog Ecclesia Militans

Algumas siglas da igreja que você já viu, e talvez não saiba o que significa

Alfa e Ômega

AlphaOmega1

Alfa e Ômega, significa o principio e fim. Deus é o principio e fim de tudo

 JHS (IHS)

 

Se você pensou: “Jesus Hóstia Sagrada”, errou (apesar de muitas hóstia trazerem esta inscrição) na realidade, JHS (ou IHS) é a sigla da expressão: “Iesus Hominun Salvator”, que significa: “Jesus Salvador dos homens”. “JHS: Monograma de Cristo que significa “Iesus* Hominun Salvator” (Jesus Salvador dos Homens), e não Jesus Homem Salvador como alguns erroneamente traduzem. O monograma IHS é a transcrição do nome abreviado de Jesus em grego, Ιησούς (em maiúsculas, ΙΗΣΟΥΣ). O “J” corresponde à pronúncia do “I” na antiguidade, assim como o “V” era empregado como “U”.

Como surgiu este monograma JHS usado pela Igreja católica?

Ele vem do grego “IHSUS”, aparece nos evangelhos dos apóstolos Marcos e Lucas. Transliterado para a forma latina passa a ser, “Iesus Hominun Salvator” (IHS)”. A criação deste monograma é de São Bernardino de Sena, no século XV, e mais tarde o fundador dos padres jesuítas, Santo Inácio de Loyola, no século XVI, adotou como emblema da Companhia de Jesus. O símbolo foi usado como carimbo em todas as publicações dos livros e documentos da Companhia de Jesus. Com o passar dos anos a sigla passa a ser um monograma usada como um dos símbolos Católicos.

XP

854px-Labarum.svg

Essa sigla aparece muito no dia a dia do católico, em paramentos, em casulas e até na Sagrada Eucaristia. Ela significa “Cristo” pois as letras gregas XP (Chi-Rho) são as primeiras duas letras de Χριστός, Cristo.

O monograma citado acima foi criado pelo imperador romano Constantino para simbolizar o Cristianismo

 

ICTYS

mat_05062010_02

Essa nós não convivemos muito, mas é bem importante. O símbolo era utilizado pelos primeiros cristãos (ainda chamados de nazarenos) para que eles pudessem se identificar de uma forma discreta, pois sofriam inúmeras perseguições na época. Então a palavra grega ICTYS (peixe) passa a ser a sigla de “Iesus Christus Theou Yicus Soter”, ou Jesus Cristo Filho de Deus Salvador. E escrita em alguns lugares acabavam por identificar o lugar de culto ou casa de outro nazareno.

INRI

filmes_2179_a-paixao-de-cristo05

Lucas23,38: “E havia uma inscrição acima dele: Este é o Rei dos Judeus” 

Escrita normalmente em crucifixos, a sigla INRI significa “Iesus Nazarenus Rex Iudaeorum” ou “Jesus de Nazaré Rei dos Judeus”. Segundo o Evangelho de São João, Pilatos teria feito redigir o texto em latim, grego (Ἰησοῦς ὁ Ναζωραῖος ὁ Bασιλεὺς τῶν Ἰουδαίων) e hebraico (ישוע הנצרת מלך היהודים). Mesmo sobre o protesto do Sinédrio a placa foi fixada na parte superior da cruz.

Escute as músicas sugeridas:

Providências que não podem ser esquecidas (Complemento 19)

Série : Animo, uma nova catequese (Encontro 36, 37 e 38/40 – Complemento 19)

 

 

DSCF4863

Crisma (Imagens da internet)

Desde o início desta proposta de vivência na fé que venho falando sobre alguns procedimentos que devem ser feitos, mesmo parecendo pura burocracia para que se chegue no momento das celebrações dos sacramentos e tudo esteja a contento.

  1. Documentação: é muito importante que após a inscrição na catequese toda a documentação comece a ser verificada e pedida caso necessária. Nas catequeses de adultos (e algumas vezes nas infantis) é comum que alguns catequizandos necessitem receber não só o sacramento da Eucaristia. No caso das catequeses para Adultos geralmente a preparação é para a Crisma, mas alguns dos catequizandos acabam tendo que receber antes os sacramentos do Batismo e Eucaristia. Então a preparação é para os 3 sacramentos só que nem para todos, mas é feito em conjunto e só quem tem que receber os demais vão recebe-los. Porém a documentação necessária exigida é a mesma para os 3 casos. então vamos lá:
  • Documento de Batismo (Batistério) entregue quando se recebe o sacramento do Batismo. Necessário do catequizando (se este já foi batizado) e dos padrinhos tanto de Batismo como de Crisma.
  • Documento da Primeira Eucaristia: entregue como lembrança da primeira Comunhão. Necessário dos catequizandos (quando já receberam a primeira comunhão) e dos padrinhos tanto de batismo como de Crisma
  • Certificado do Sacramento da Confirmação (Crisma): este para os padrinhos tanto de batismo como de crisma
  • Comprovante de endereço: catequizandos, padrinhos
  • RG e CPF : catequizandos, pais e padrinhos
  • Certificado de conclusão de curso de Batismo (dentro da validade de 6 meses): Pais e Padrinhos
  • O curso de preparação para os padrinhos de Crisma é dado numa reunião com o grupo de catequese e os catequizandos, além dos pais.

Os documentos que são concedidos pela igreja podem ser pedidos na secretaria da paróquia onde será realizado a celebração do sacramento, porém para se facilitar e agilizar é importante que se tenha o nome da igreja e a cidade onde foi realizada a cerimônia do sacramento já que dependendo da localidade este documento demora a chegar e pode ter um custo. É sempre bom solicitar antes,por isso sempre oriento o Grupo de Catequese a solicitar meses antes toda a documentação e evitar aborrecimentos. Um sacramento só será concedido após a realização do outro nesta sequência: Batismo, Eucaristia e Crisma.

2.  Preparação para a celebração:

maxresdefault

Primeira Comunhão (Imagens da internet)

  • Agendar com o pároco (padre) todas as datas para as missas dos sacramentos, sem esquecer que podem ser necessárias 3 datas: Batismo, Eucaristia e Crisma (esta última precisa de uma atenção maior já que é o Bispo que agenda quando o padre ou a Pastoral da Crisma conversa com ele, e deste agendamento depende toda a programação dos encontros)
  • Conversar sempre com o padre sobre quais serão os procedimentos adotados, por exemplo: os catequizandos que receberem o Batismo e/ou a Eucaristia terão que se confessar (receber o sacramento da penitencia) também na época da Crisma? A Eucaristia vai ser separada da celebração da Crisma (seria interessante que fosse e geralmente é)
  • Agendar reuniões com a Pastoral da Liturgia para preparar juntos as missas dos sacramentos, lembrando que a Pastoral do Batismo deve ter uma a participação na missa do Batismo. Preparar as leituras (quem vai ler), escolher as músicas e as ações dentro da celebração como procissão de entrada e ofertório. Tudo tem que ser feito com uma integração entre as pastorais para que tudo funcione bem.

3. Camisetas, velas e lembrancinhas

  • Como eu já havia sugerido, é muito comum hoje se adotar uma camiseta para o dia da celebração dos Sacramentos da Eucaristia e Crisma, por ser mais simples e mais barato do que a família ou o catequizando gastar com roupas de festa para este dia e para não haver uma diferença muito grande entre os que vão todos “chiques” e os que vão mais humildes. A camiseta com uma imagem escolhida entre todo o grupo e o nome da comunidade e do sacramento celebrado é mais bonita até. Vale ressaltar que deve-se ter cuidado com a escolha das cores. Camisetas pretas não devem ser utilizadas, já que dentro da liturgia significam luto, e receber um sacramento é o momento de pureza e alegria, geralmente as camisetas são brancas (elas saem mais em conta também), no Crisma elas podem ser vermelhas que é a cor do Espírito Santo. Para que haja uma valorização é indicado que cada catequizando pague a sua, prestando atenção naqueles que por ventura não tiverem condição de pagar para poder chamar discretamente para uma conversa e a comunidade arcar com estas camisetas,sempre sem constranger a pessoa.
  • Lembrancinhas: existem lembrancinha em forma de certificados para todos os sacramentos, elas servem também de documento pois devem ser assinadas pelo padre e conter o carimbo da comunidade ou paróquia. São vendidas nas livraria católicas como a Paulus, Vozes, Editora Santuário e outras, e não são caras. Deve-se comprar bem antes ou até mesmo produzir uma personalizada. O preenchimento tem que ser muito correto com o nome e dados do catequizando e assinado antes da celebração.
  • Velas para o Batismo e a Crisma: é importante verificar com antecedência se a comunidade tem as velas para estes sacramentos já que elas são imprescindíveis para estas missas em especifico.
  • Frisar bem a questão dos horários e datas.Os catequisandos tem que ser avisados com no minimo 2 meses de antecedência de quando serão as celebrações.
  • Quando se adota pastas com as folhas de encontro é muito interessante entregar estas pastas no final da celebração da Crisma ou em um encontro pós-celebração.
hqdefault

Batismo de jovem (imagem da internet)

Uma boa organização leva a um melhor desenvolvimento do trabalho feito. Por isso sugiro que toda esta documentação esteja pedida e de preferência já recebida , logo nos primeiros 4 meses de preparação para que possa ser identificadas dificuldades e casos que é preciso a intervenção direta do padre.

38 º Encontro (Catequese) – Rito da Confirmação do Batismo (Crisma)

Série: Animo, uma nova Catequese (Encontro 38/40)

folhadeencontromod.3-25

Sugestão de folha para o encontro

Neste encontro continuamos falando dos Rituais usados nas Celebrações dos Sacramentos da Iniciação Cristã, este falaremos da Confirmação do Batismo (Crisma).

Para iniciar poderemos fazer a oração do Vinde Espírito Santo e depois cantar Vem, Vem, Vem Espírito Santo – Pe. Zeca

Entrar no tema e explicar todo o ritual que será usado na celebração da Crisma, e de como é importante estar ciente que nesta celebração o Bispo virá e ele não vem sempre na comunidade já que tem que cuidar de uma diocese inteira.

O crismando tem que se confessar antes de receber a Crisma.

Falar sobre os padrinhos e familiares que devem ter cuidado com as questões de fotos, filmagens e tudo o mais, o foco é a missa e nada pode distrair o crismando e muito menos os padrinhos e celebrantes.

Seria interessante repassar os últimos detalhes da missa, ver os que vão fazer as leituras e fazer parte da procissão de entrada e ofertas. Também pode começar a ser feito a escolha das músicas do dia da celebração.

Também é importante ver a questão das camisetas (se foi esta a opção escolhida) lembrem-se que na celebração da Crisma as camisetas podem ser vermelhas (cor do sacramento da crisma), brancas (pureza), amarelas (fogo), outras cores não são comuns apesar do azul simbolizando Maria ter sido usado.

Este encontro pode também ser feito com a presença dos padrinhos.

Depois sugiro que façamos um momento de oração:

  1. Refletir sobre a importância do que será recebido e do compromisso de se confirmar o batismo

  2. Pedir que todos (sentados) façam silêncio e escutem a música Espírito Santo – Comunidade Doce Mãe de Deus

Pode ser feito cantado Hoje Livre Sou – Ministério Adoração e Vida e feito mais uma vez a oração do Vinde Espírito Santo

Aprofundamento para o Catequista:

3c9cf87ddd7439d62ac21c12615ec32d2

O Sacramento da Crisma é acima de tudo um sacramento de adultos. Para a igreja todo fiel que atinge 15 anos já pode ser considerado um adulto na fé e por si só pode fazer algumas escolhas na vida dentro da igreja. Sabemos que pela lei civil uma pessoa de 15 anos ainda é menor de idade e por isso toda a responsabilidade recai sobre pais ou responsáveis. A igreja não vai contra isso, ela apenas diz que aos 15 anos a pessoa já tem discernimento suficiente para fazer a escolha de fazer a sua vivência na fé e receber o sacramento da Crisma que confirma o seu Batismo católico.

É recomendável que o próprio crismando escolha seu padrinho ou madrinha, e não é mais necessário que os crismandos tenham padrinhos ou madrinhas do mesmo sexo, ou seja, um crismando pode escolher uma madrinha ou padrinho ou uma crismanda pode escolher um padrinho ou madrinha, mas é necessário apenas 1 e não dois padrinhos.

O padrinho ou madrinha que batizou o crismando poderia ser escolhido para ser padrinho ou madrinha na Confirmação, mas esta não é uma regra.

O padrinho oudownload (2) madrinha deve ter mais de 18 anos, não pode ser o pai ou mãe do crismando, não pode ser namorado (a) ou esposo(a) do crismando. Também é obrigatório que o padrinho ou madrinha tenha recebido também os sacramentos e tanto pais como padrinhos tem que participar de um curso (geralmente o próprio grupo de catequese faz uma reunião e explica todos os procedimentos da celebração da Crisma e faz este curso).

Também é importante prestar atenção nas datas e horários que serão celebrados os sacramentos.

A Crisma

“Cristo instituiu um sacramento que confirma o Batismo, para que nossa fé cresça e amadureça, através da plenitude do Espírito Santo, que derrama os seus dons. Essa prática de transmitir a graça do Espírito Santo por meio da imposição das mãos está presente desde os inícios da Igreja. Bem cedo se acrescentou à imposição das mãos a unção com o óleo do crisma. Daí a origem do outro nome, Sacramento da Confirmação.
Com o Batismo, nós já nos tornamos filhos de Deus. O sacramento da Crisma nos enraíza mais profundamente nessa filiação divina. Somos filhos no Filho, estando mais unidos a Cristo. Também nos vinculamos mais perfeitamente à sua Igreja e participamos mais ativamente de sua missão: o crismado é um soldado de Cristo, a sua testemunha. Para realizar essa grande missão, recebemos os dons do Espírito Santo, que na tradição da Igreja são sete: sabedoria, inteligência, conselho, fortaleza, ciência (ou conhecimento), piedade e temor de Deus.

Simbologia e rito do sacramento 

A unção com o santo crisma simboliza o selo espiritual que o crismando recebe. Assim como no sacramento do Batismo, esse selo é indelével, ou seja, uma vez crismado essa marca fica para sempre na vida do cristão, mesmo que ele não pratique mais a fé.
O símbolo da unção tem raízes na tradição do Antigo Testamento. O rei do povo de Israel era ungido com óleo. O óleo significa abundância (Dt 11,14), alegria (Sl,23,5; 104,15), purificação, agilidade (até hoje alguns atletas e lutadores se ungem com óleo), cura e irradia beleza, saúde e força.

Essa “marca”, o selo do Espírito Santo que o cristão recebe quer manifestar que somos totalmente de Cristo e estamos ao seu serviço na extensão do Reino, fortalecidos pela graça do Senhor.
O óleo do santo crisma, que é usado para ungir o crismando é consagrado na missa dos santos óleos (Quinta-feira Santa) pelo bispo diocesano, acompanhado por todo o seu clero.
Antes da unção com o santo crisma, o bispo estende as mãos sobre os crismandos, realizando assim o gesto que desde os tempos dos apóstolos é sinal do dom do Espírito.
Em seguida é realizado o gesto essencial do sacramento: a unção do santo crisma na fronte do confirmando. No momento que o bispo unge o confirmando diz as seguintes palavras: “Recebe, por este sinal, o Espírito Santo, dom de Deus”. Após esse gesto, o cristão está crismado e em sua vida se manifesta os efeitos do sacramento, que falamos no início da catequese. Em síntese poderíamos dizer que aumenta a nossa proximidade com a Santíssima Trindade e com a Santa Igreja.” (extraído do site A12)

A celebração da Crisma é feita pelo Bispo da Diocese (no caso de Campinas é o Arcebispo já que se trata de uma Arquidiocese), mas ele pode designar um outro padre para realizar esta celebração (geralmente não é o padre da comunidade que está sendo feito a missa e sim outro) sendo muitas vezes um monsenhor ou o Vigário.

DSCN6626

Imagem da internet

O que é dito pelo Bispo no momento que concede o Sacramento da Confirmação?

Vale relembrar que o sacramento do crisma só deve ser concedido durante a santa missa.
Unicamente o Bispo pode e deve conceder o sacramento do Crisma.
O Bispo assentado na cátedra inicia:

C: A paz da parte de nosso Senhor Jesus Cristo esteja convosco.

T: E Contigo também.

C: Os Apóstolos haviam recebido o Espírito Santo no dia do Pentecostes,
segundo a promessa do Senhor, e tinham por isso o poder de completar aquilo
que fora começado no Batismo, dando o mesmo Espírito Santo, como lemos
no livro dos Atos dos Apóstolos. Assim fez São Paulo ao impor as mãos
sobre os que tinham sido baptizados, e o Espírito Santo desceu sobre eles e
começaram a falar várias línguas e a profetizar.
Os Bispos, como sucessores dos Apóstolos, receberam também este poder
e assim, por si próprios ou pelos presbíteros legitimamente constituídos para
o desempenho deste ministério, comunicam também o Espírito Santo àqueles
que no Batismo renasceram como filhos de Deus.

O Bispo inicia interrogando o crismando renovando as promessas,dizendo:

C: Renunciais a Satanás, a todas as suas obras e a todas as suas seduções?

Sim,Renuncio.

C: Credes em Deus Pai todo-poderoso, criador do céu e da terra e em todas suas obras?

Sim,Creio

C:Credes no Espírito Santo, na santa Igreja católica,esposa de Cristo ?

Sim,Creio

C: Prometes lealdade e obediência aquele que é o sucessor de São Pedro o papa N,
e a santa Igreja em seus ensinamentos ?

Sim,Prometo

O Bispo conclui dizendo:

C:Esta é a nossa fé. Esta é a fé da igreja, que nos gloriamos de professar
em Jesus Cristo, Nosso Senhor.

O Bispo de pé reza a seguinte oração:

C: Oremos irmãos, a Deus Pai todo-poderoso, para que, sobre estes seus filhos adotivos,
que pelo Batismo já renasceram para a vida eterna, derrame agora o Espírito Santo,
que os fortaleça com a abundância dos seus dons
e, pela sua unção espiritual,
os torne imagem perfeita de Cristo, Filho de Deus através de sua igreja.
Por Cristo nosso Senhor.

T: Amém

O Bispo com o óleo do crisma unge o crismando e diz:

C: N., RECEBE, POR ESTE SINAL,
O ESPÍRITO SANTO, O DOM DE DEUS E DE SEU AMOR

Após o Bispo ungir o Crismando o questiona,dizendo:

C: Prometes manter a missão que iniciastes no batismo e que agora a confirma perante a
Santa Igreja,junto ao seu bispo local e o sucessor de São Pedro o papa N ?

Sim,Prometo.

O Bispo conclui com a seguinte oração:

C: Senhor nosso Deus,que destes o Espírito Santo aos vossos Apóstolos,
e por eles e pelos sucessores deles,quisestes que o mesmo Espírito
fosse comunicado aos outros fiéis,escutai a nossa oração
e continuai também agora no coração dos crentes,a obra que o vosso amor realizou
no princípio da pregação do Evangelho,para que seja sinal salvífico de vosso filho.
Por Cristo nosso Senhor.

T: Amém

A Celebração continua da preces dos fiéis.

Curiosidade:

“Na cerimônia do Crisma, logo após receber a unção própria do Sacramento, muitos crismandos são surpreendidos por um tapa na cara, bem dado pelo celebrante. Uns olham atônitos, com quem pensa: “Será que o padre contou pro bispo o que eu disse na confissão?”. Não, amigos. O tapa faz parte do rito (informalmente)!

Depois de confirmar o crismando com o sinal da cruz, a tradição prevê que o bispo lhe dê um tapa no rosto. O objetivo é lembrar à pessoa que ela deverá de suportar pacientemente, em nome de Jesus, os sofrimentos e injúrias. Se perseguiram o Mestre, é claro que vão perseguir também seus servos, que devem se fortalecer com a caridade e a doutrina. O legal é quando o bispo dá um tapão, com gosto! Ou ao menos um tapa de leve, porém, que faça algum som de “pleft”. Mas, hoje, a maioria dos bispos, em vez de dar um belo tabefe, faz um carinho no rosto dos recém-crismados. Isso não lembra a ninguém a dureza da vida de soldado de Cristo. Devemos ser preparados pro bom combate espiritual, como São Paulo! No mundo de hoje, que rejeita a face dura da realidade, talvez o sopapo do bispo não tenha mais espaço. (Extraído do blog O Catequista)”

scan-12

imagem da internet

Para uma visão aprofundada desse sacramento, é importante compreendermos o significado dos seus principais ritos:

  • Imposição das mãos.

A imposição das mãos é um símbolo de benção tão antigo quanto as primeiras religiões da humanidade. Para os cristãos, de forma generalizada, significa oferecer aqueles que amamos o nosso grande bem: o Espírito Santo. É um gesto bastante expressivo, embora não pertença à essência do rito sacramental.

Na própria Bíblia esse gesto ganha outros significados. A imposição das mãos sobre a cabeça pode servir para abençoar ou conferir uma missão a alguém (Cf Dt 34,9; Dt 34,9); acompanha a oferta de sacrifícios (Lv 1, 4: 16,21) ou é um gesto de consagração (Nm 8,10). Jesus impõe as mãos sobre as crianças, bendizendo-as (Cf Mt 19,13-15), e sobre os doentes, para curá-los e libertá-los dos demônios (Lc 4,10; Mc 8,23). No livro dos Atos dos Apóstolos impõem as mãos para invocar o Espírito Santo (At 8,15). Além disso, lembra também a sombra do Espírito que fecunda Maria na anunciação (Lc 1,26-38), a nuvem e a pomba presentes no Batismo de Jesus (Lc 3,21-22), a nevem que cobre os discípulos na transfiguração (Mc 9,7) e a vinda do Espírito Santo em pentecostes (At 2,1-11). Enfim, o fato de ser o bispo (ou seu delegado ad hoc) quem impõe as mãos, é um sinal de unidade da Igreja..

  • Unção

O gesto essencial da Confirmação é a Unção crismal cruciforme (isto é, feita com o sinal da cruz) na fronte do confirmado. O bispo o unge dizendo: “Recebe, por este sinal, o dom do Espírito Santo”. Essa fórmula só foi adotada na Igreja Latina com o novo rito proposto pelo Papa Paulo VI, mas já era conhecida pelo rito bizantino desde o século V. É considerada a mais completa, pois, no próprio ato de ungir faz-se a imposição da mão.

Essa imposição – feita pela unção do Crisma na testa do confirmado – manifesta o aspecto pessoal da graça e o caráter indelével da Confirmação. Em outras palavras: esse Espírito que é Santo e que age onde quer, me chama pelo nome e penetra o segredo do meu ser, na raiz mesma de minha liberdade.

  • Óleo

A importância da unção leva-nos ao significado milenar do óleo, sobretudo aquele extraído da Oliveira, que era tido por poderoso agente medicinal. Além disso, é antiga a crença de que as pessoas mais próximas a Deus e engajadas a seu serviço são agradáveis e irradiantes.

O Cristianismo aprendeu com essas tradições anteriores, mas acrescentou também algo revolucionário. Jesus é o  Ungido por excelência. Ao se encarnar, toda a natureza humana foi ungida pelo Espírito de Deus. Daí o acesso aos óleos santos estar aberto a todo ser humano. Ser ungido na Confirmação significa para o Cristão poder levar á plenitude sua vocação batismal de rei, sacerdote e profeta.

O Documento da CNBB que fala sobre os Sacramentos de Iniciação Cristã insiste na valorização dos gestos litúrgicos e recomenda que a imposição das mãos seja feita sem pressa e solenemente e a unção com bastante óleo, de forma a deixar visível na testa a sua marca. Mas isso não significa exagerar na solenidade exterior, realçando o rito em si mesmo. O rito se reduz a mera rubrica se não for expressão da graça de Deus que age em nós. (Extraído do Jornal Online Paróquia N. Sra. do Carmo – Campo Belo, MG)

espirito_santo 1

Leia mais:

Ouça as músicas sugeridas: