O Peixe na Semana Santa

Catequese, Vivência na Fé

bacalhau

Bacalhau

Primeiro podemos ir buscar no Catecismo da Igreja Católica parte dos motivos para o jejum da Semana Santa e principalmente a abstinência de carne. Levando em consideração que a carne é um alimento que muitas pessoas tratam de uma forma especial, chegando ao ponto de muitos não comerem sem carne.

No artigo 7 (As Virtudes)  chegamos no CIC 1809 onde diz:

“A temperança é a virtude moral que modera a atração dos prazeres e proporciona o equilíbrio no uso dos bens criados. Assegura o domínio da vontade sobre os instintos e mantém os desejos nos limites da honestidade. A pessoa temperante orienta para o bem os apetites sensíveis, guarda uma sã discrição e não se deixa arrastar pelas paixões do coração . A temperança é muitas vezes louvada no Antigo Testamento: «Não te deixes levar pelas tuas más inclinações e refreia os teus apetites» (Não te deixes levar pelas tuas más inclinações e refreia os teus apetites. Sir 18, 30). No Novo Testamento, é chamada «moderação», ou «sobriedade». Devemos «viver com moderação, justiça e piedade no mundo presente» (“Veio para nos ensinar a renunciar à impiedade e às paixões mundanas e a viver neste mundo com toda sobriedade, justiça e piedade,” Tt 2, 12).”

«Viver bem é amar a Deus de todo o coração, com toda a alma e com todo o proceder […], de tal modo que se lhe dedica um amor incorrupto e íntegro (pela temperança), que mal algum poderá abalar (fortaleza), que a ninguém mais serve (justiça), que cuida de discernir todas as coisas para não se deixar surpreender pela astúcia e pela mentira (prudência)» (Santo Agostinho, De moribus Ecclesiae catholicae).

Não existe então na própria Bíblia uma “ordem” para que se coma apenas peixe na Semana Santa, principalmente na Sexta-feira Santa, mas a tradição católica foi tomando forma e continua até hoje. Apesar da verdadeira exploração do comércio que sabendo que haverá uma procura maior de peixes e frutos do mar nesta época aumenta os preços visando o lucro. Cometem o pecado da avareza, e muitos ainda se dizem católicos.

Santo Tomás de Aquino diz que o “jejum foi estabelecido pela Igreja para reprimir as concupiscências da carne, cujo objeto são os prazeres sensíveis da mesa e das relações sexuais”. Importante recordar que, na época de Santo Tomás, a disciplina exigia esta prática não só na sexta-feira, mas também na quarta e, além da carne, englobava os ovos e os laticínios.

Os Santos Padres também incentivaram sobremaneira este hábito que acabou se consolidando. No entanto, na Idade Média, o Papa Nicolau I, no século IX, instituiu como lei aquilo que era somente um costume. E, assim, a penitência passou a ser obrigatória para todos os cristãos a partir da idade da razão (sete anos).

Ainda no período medieval, em honra à Nossa Senhora, as pessoas passaram a jejuar também aos sábados. Deste modo, o domingo, grande Dia do Senhor, era precedido por dois dias de penitência, em preparação à Páscoa semanal.

Mas o tempo fez com que parte dos costumes perdessem um pouco da sua força e o próprio significado acabasse ficando desconhecido. hoje mesmo algumas pessoas acabam ignorando o costume, algumas vezes por não saberem o real motivo, outras vezes por fazerem um turismo religioso entre várias denominações religiosas e acabarem voltando para a Igreja Católica perdendo o sentido das tradições e mais ainda o sentido do porque se fazer a abstinência de carne.

Com o tempo também, inclusive, os fiéis passaram a se questionar acerca da obrigatoriedade da abstinência na sexta e se a não observância desse preceito se constituía um pecado mortal ou leve. Diante disso, o Papa Inocente III, no século XIII, decretou que realmente é pecado grave. E no século XVII, o Papa Alexandre VII anatematizou quem dissesse que não era pecado grave.

Essa foi a disciplina até 1983, quando houve a promulgação do novo Código de Direito Canônico. No cânon 1251, lemos que é obrigatório fazer “abstinência de carne ou de outro alimento […] em todas as sextas-feiras do ano, a não ser que coincidam com algum dia enumerado entre as solenidades”. Com relação a este cânon, a CNBB afirma que o fiel católico brasileiro pode substituir a abstinência de carne por uma obra de caridade, um ato de piedade ou ainda trocar a carne por um outro alimento (CNBB, Diretório da Liturgia e da organização da Igreja no Brasil)

Atualmente, a exigência da lei é para aqueles que já completaram catorze anos de idade e não a partir da idade da razão, como era no início, conforme o cânon 1252 do mesmo Código.

Historicamente, fazer da sexta-feira um dia penitencial é algo que afunda suas raízes na época apostólica. A Didaqué, uma espécie de catecismo dos primeiros cristãos, dá conta de que o jejum era feito na quarta e na sexta-feira. A Igreja do Oriente, inclusive, permanece com esse costume.

bacalhau-gadus-morhua_large.jpg

Bacalhau

O jejum

Um dos elementos que mais aparece nesse período é o jejum e a recomendação para que não se coma carne, em todas as sextas-feiras que antecedem a Páscoa, durante o tempo conhecido como quaresma. O mesmo preceito vale para a quarta-feira de cinzas, o dia em que se inaugura esse tempo de preparação para a Páscoa.

O jejum e a abstinência são sinais, também bíblicos, de conversão. O povo no tempo de Cristo jejuava sobretudo na festa da expiação. Mas há inúmeras outras passagens que lembram o jejum. Até mesmo Jesus, por ocasião das tentações no deserto, jejuou. Em atos dos Apóstolos, os responsáveis pela igreja, quando escolhiam os missionários, jejuavam (Atos 13,2-3) e Paulo, em 2 ocasiões, fala do próprio jejum (II Coríntios 6,5 e 11,27). É claro que jejum pelo jejum não tem sentido e não nos faz melhores. Basta pensar a quantos fazem jejum de maneira forçada, não porque é tempo de quaresma, mas porque não tem o que comer.

Não comer carne tem importância porque contém em si um significado, pois é, como dito acima, sinal de conversão. Não é, em si, a conversão. Quem se abstém da carne está dando um sinal que:

  • quer se afastar do pecado
  • é solidário com quem tem fome
  • sublinha a importância da Palavra de Deus como alimento para a alma
  • exprime a necessidade de colocar um freio no consumismo

Como bem lembram os profetas, o que conta, no final das contas, é a conversão do coração. Todos os gestos exteriores de nada valem se não conduzem a uma renovação do coração. Todavia eles podem ser significativos e a sua observância não deve ser motivo de gozação. Talvez não baste substituir carne por peixe, que nem sempre é mais barato, mas fazer algum gesto concreto que demonstre a nossa adesão ao projeto de Cristo, que mostre a nossa solidariedade com quem deu a vida por nós.

Gesto de conversão

Atualmente a Igreja Católica evita as palavras obrigação e proibição. Ela apenas aconselha a abstinência de carne vermelha como gesto de conversão. O jejum é uma tradição que surgiu na Idade Antiga e se consolidou na Idade Média, época em que pessoas humildes raramente provavam carne. Na época, o povo vivia em terras alheias e a carne vermelha era consumida só em banquetes, nas cortes e nas residências dos nobres. Ela tornou-se, então, símbolo da gula, associado ao pecado. Dessa forma, a Igreja orientava os fiéis a comerem carne à vontade antes da quaresma – o que deu origem aos banquetes chamados “carnevale” e ao nosso carnaval – e depois se absterem de carne, durante os 40 dias que antecediam a Páscoa. O peixe não chegou a entrar na lista da abstinência porque sua presença era irrelevante nos banquetes medievais. Com o passar dos séculos, a carne deixou de estar presente somente nos banquetes e perdeu seu caráter simbólico de pecado. A orientação atual é que os católicos que desejarem se abstenham na Quarta-Feira de Cinzas, nas sextas-feiras da Quaresma e na Sexta-Feira Santa. Pessoas enfermas, idosas e crianças são isentas dessa orientação.

Fontes: Irmã Maria Inês Carniato, da Editora Paulinas (p/ revista Galileu – Ed. Globo)

Abster-se de carne e jejuar na sexta-feira é uma prática plurissecular da Igreja e tem argumentos fortes em seu favor. O primeiro deles é que todos os cristãos precisam levar uma vida de ascese. Esta é uma regra básica da espiritualidade cristã, além de fazer bem para a vida espiritual do fiel, pode ser uma ocasião de testemunho e de catequese para outros. Recusar publicamente, por amor a Cristo, tal prazer pode ser uma forma de incutir no próximo o desejo de também conhecer o Amado, por quem se faz sacrifícios.Por fim, é importante recordar que o costume de se abster de carne na sexta-feira sempre esteve ligado à Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, portanto, é importante recuperá-lo a fim de aumentar ainda mais a devoção e a própria fé.

Peixe também é carne e sangra

348_comocriarA hemoglobina é uma proteína presente no sangue e que define sua cor, contém ferro e leva do pulmão o oxigênio necessário aos movimentos para os tecidos musculares. Nos músculos, também há outra proteína, chamada mioglobina, que ajuda a manter o oxigênio, sendo esta proteína responsável pela cor vermelha da carne”, diz a bióloga de Arraial do Cabo Leonizia Valdeci de Melo, especialista em gerenciamento socioambiental costeiro e licenciada em biologia pela Ferlagos. Os peixes possuem ainda menos mioglobina, por isso, a carne é branca. Devido à grande movimentação do atum, sua carne é avermelhada. O peixe também possui menos sangue que os outros animais, por isso ficou como uma lenda de que o “peixe não sangra, e por isso deve ser comido na sexta-feira santa”, mas na verdade o peixe também é carne e também tem sangue.

Fontes analisadas:

cesar nome

 

 

 

Livro:

Batismo (Formação) Parte 1

Pastoral do Batismo (Formação 1/3)

Antes de mais nada é preciso se esclarecer o motivo desta formação. Nestes anos todos em que convivo com a igreja, tenho percebido que não existe uma uniformidade nos chamados Cursos de Batismo (apesar de existir sim um material deixado pela CNBB com diretrizes sobre a Pastoral do Batismo, além de um bom número de subsídios, livros e a orientação do Código de Direito Canônico), o que leva a ter uma lacuna entre o que seria realmente importante se falar neste espaço.

Primeiro que a maioria das pessoas que procuram o curso são aquelas que querem a autorização para batizar seus filhos (ou afilhados) na religião que professam (ou afirmam professar) e muitas destas pessoas na realidade estão, de certo modo, até um pouco distante da realidade da igreja, por isso mesmo não entendem o quanto é importante este sacramento (e sério). Ai surgem os que não querem fazer o curso, os que apelam para o padre amigo (infelizmente temos padres que cedem e autorizam o recebimento do sacramento sem a devida preparação), e também tem os que buscam outras igrejas que de certo modo “facilitam” para que seja ministrado o sacramento.

Além de tudo isso vejo um problema ainda maior que diz respeito a dinâmica usada para se ministrar o curso de Batismo. Por vezes o palestrante não se preparou ou não se atualizou e faz daquele dia, me desculpem a expressão, uma chatice sem igual. Acompanhei alguns cursos antes de escrever e vi muitas coisas que poderiam ser evitadas. Claro que não estou generalizando, mas poucos cursos tem realmente uma função de formação e preparo de pais e padrinhos para este grande dia.

images

Dito isto quero dizer que a minha proposta é oferecer uma sugestão de forma para se ministrar o curso de Batismo, voltado para quem faz parte (ou deseja fazer) da Pastoral do Batismo explicando vários pontos de dúvidas e sugerindo uma dinâmica um pouco mais moderna para ser utilizada nestes espaços. Afinal um Curso de Batismo também é uma catequese e não deve ser tratado apenas como uma parte da burocracia da igreja.

 

A sugestão é que seja assim:

  1. Formação 1/3 – Ideia geral e texto do CIC (este artigo que você está lendo)
  2. Formação 2/3 – Primeiro Encontro – Documentação, O compromisso dos pais e padrinhos
  3. Formação 3/3 – Ultimo Encontro – Porque batizar? Como será a cerimônia? Orientações.

 

  1. O que é a Pastoral do Batismo?

As Pastorais são trabalhos desenvolvidos pela Igreja, numa ação organizada e dirigida pela Diocese e Paróquia para “atender” determinada situação em uma realidade específica. Todos têm uma função, um carisma, um jeito de viver, porém, todos são importantes para que o Reino de Deus aconteça.
A finalidade da Igreja Católica é evangelizar, ou seja, difundir os ensinamentos deixados por Jesus nos evangelhos e nos livros sagrados. Para que a Igreja possa fazer essa divulgação do Santo Evangelho, precisa ter um plano organizado, um projeto de evangelização que é distribuído a vários grupos em diferentes setores. Esses setores são chamados “pastorais” e as pessoas que trabalham nessas pastorais são chamadas “agentes pastorais” ou “agentes de pastoral”.
Todos os membros das pastorais são voluntários, mas recebem formação para exercerem o trabalho que a elas correspondem. São coordenadas pela Arquidiocese que promove regularmente cursos e encontros de formação, para que os “agentes de pastoral” possam trabalhar junto às comunidades com plena consciência do que estão fazendo e da finalidade do seu trabalho. (extraído do Santuário Arquidiocesano de Nossa Sra. Aparecida)

batismo_sao_judas

Código de Direito Canônico

TÍTULO I
DO BATISMO
Cân. 849 — O batismo, porta dos sacramentos, necessário de fato ou pelo
menos em desejo para a salvação, pelo qual os homens são libertados dos pecados,
se regeneram como filhos de Deus e, configurados com Cristo por um caráter
indelével, se incorporam na Igreja, só se confere validamente pela ablução de água
verdadeira com a devida forma verbal.
CAPÍTULO I
DA CELEBRAÇÃO DO BATISMO
Cân. 850 — O batismo administra-se segundo o ritual prescrito nos livros
litúrgicos aprovados, exceto em caso de necessidade urgente, em que se deve
observar somente o que se requer para a validade do sacramento.
Cân. 851 — Importa preparar devidamente a celebração do batismo; por
conseguinte:
1.° o adulto que pretende receber o batismo seja admitido ao catecumenato
e, quanto possível, conduzido pelos vários graus até à iniciação sacramental,
segundo o ritual da iniciação, adaptado pela Conferência episcopal, e as normas
peculiares dadas pela mesma;
2.° os pais da criança a batizar, e bem assim os que hão-de desempenhar o múnus de padrinhos, sejam devidamente instruídos acerca do significado deste
sacramento e das obrigações dele decorrentes; o pároco, por si ou por outrem,
procure que os pais sejam devidamente instruídos por meio de ensinamentos pastorais
e mesmo pela oração comum, reunindo várias famílias e, onde for possível,
visitando-as.
PARTE I — Dos sacramentos
156 LIV. IV — Do múnus santificador da Igreja
Cân. 852 — § 1. As prescrições dos cânones relativas ao batismo dos adultos
aplicam-se a todos os que, saídos da infância, alcançaram o uso da razão.
§ 2. Às crianças equiparam-se, mesmo no que se refere ao batismo, aqueles
que não têm o uso da razão.
Cân. 853 — A água a utilizar no batismo, fora do caso de necessidade, deve
ser benzida, segundo as prescrições dos livros litúrgicos.
Cân. 854 — Confira-se o batismo quer por imersão quer por infusão, observadas
as prescrições da Conferência episcopal.
Cân. 855 — Procurem os pais, os padrinhos e o pároco que não se imponham
nomes alheios ao sentido cristão.
Cân. 856 — Ainda que o batismo se possa celebrar em qualquer dia, recomenda-se
que ordinariamente se celebre ao domingo, ou, se for possível, na vigília
pascal.
Cân. 857 — § 1. Fora do caso de necessidade, o lugar próprio para o batismo
é a igreja ou o oratório.
§ 2. Em regra, o adulto seja batizado na igreja paroquial própria, e a criança
na igreja paroquial própria dos pais, a não ser que uma causa justa aconselhe outra
coisa.
Cân. 858 — § 1. Todas as igrejas paroquiais possuam a sua fonte batismal,
salvo legítimo direito cumulativo já adquirido por outras igrejas.
§ 2. Para comodidade dos fiéis, o Ordinário do lugar, ouvido o pároco, pode
permitir ou até ordenar que haja fonte baptismal noutra igreja ou oratório dentro
dos limites da paróquia.
Cân. 859 — Se, por causa da distância ou outras circunstâncias, o batizando
não puder, sem grave incómodo, ir ou ser levado à igreja paroquial ou a outra
igreja ou oratório, referidos no cân. 858, § 2, o batismo pode e deve ser conferido
noutra igreja ou oratório mais próximo, ou ainda noutro lugar decente.
Cân. 860 — § 1. Excetuado o caso de necessidade, o batismo não se administre
em casas particulares, a não ser que o Ordinário do lugar, por justa causa, o
permita.
§ 2. Nos hospitais, a não ser que o Bispo diocesano estabeleça outra coisa, não
se celebre o batismo, excepto em caso de necessidade ou se outra razão pastoral
o exigir.

CAPÍTULO II
DO MINISTRO DO BATISMO
Cân. 861 — § 1. O ministro ordinário do batismo é o Bispo, o presbítero e o
diácono, sem prejuízo do prescrito no cân. 530, n.º 1.
§ 2. Na ausência ou impedimento do ministro ordinário, batiza licitamente o
catequista ou outra pessoa para tal designada pelo Ordinário do lugar, e mesmo,
em caso de necessidade, qualquer pessoa movida de intenção reta; os pastores
de almas, em especial o pároco, sejam solícitos em que os fiéis aprendam o modo
correto de batizar.
Cân. 862 — Excepto em caso de necessidade, a ninguém é permitido, sem a
devida licença, administrar o batismo em território alheio, nem mesmo aos seus
súditos.
Cân. 863 — Dê-se o conhecimento ao Bispo diocesano do batismo dos adultos,
ao menos dos que já completaram catorze anos de idade, para que, se o julgar
conveniente, ele mesmo o administre.
CAPÍTULO III
DOS BATIZANDOS
Cân. 864 — Tem capacidade para receber o batismo todo e só o homem ainda
não batizado.
Cân. 865 — § 1. Para o adulto poder ser batizado, requer-se que tenha manifestado
a vontade de receber o batismo e tenha sido suficientemente instruído
sobre as verdades da fé e as obrigações cristãs e haja sido provado, mediante o
catecumenado, na vida cristã; seja também advertido para se arrepender dos seus
pecados.
§ 2. O adulto que se encontre em perigo de morte, pode ser batizado, se, tendo
algum conhecimento das principais verdades da fé, de qualquer modo tenha manifestado
a sua intenção de receber o batismo e prometa guardar os mandamentos
da religião cristã.
Cân. 866 — O adulto que é batizado, se não obstar uma causa grave, seja
confirmado logo depois do batismo e participe na celebração eucarística, recebendo
também a comunhão.
Cân. 867 — § 1. Os pais têm obrigação de procurar que as crianças sejam
batizadas dentro das primeiras semanas; logo após o nascimento, ou até antes
deste, vão ter com o pároco, peçam-lhe o sacramento para o filho e preparem-se
devidamente para ele.

§ 2. Se a criança se encontrar em perigo de morte, seja batizada sem demora.
Cân. 868 — § 1. Para que a criança seja licitamente batizada, requer-se que:
1.° os pais, ou ao menos um deles, ou quem legitimamente fizer as suas
vezes, consintam;
2.° haja esperança fundada de que ela irá ser educada na religião católica;
se tal esperança faltar totalmente, difira-se o batismo, segundo as prescrições do
direito particular, avisando-se os pais do motivo.
§ 2. A criança filha de pais católicos, e até de não católicos, em perigo de morte,
baptiza-se licitamente, mesmo contra a vontade dos pais.
Cân. 869 — § 1. Se houver dúvida se alguém foi batizado ou se o batismo
foi validamente conferido, e a dúvida permanecer depois de séria investigação,
confira-se-lhe o batismo sob condição.
§ 2. Não se devem batizar sob condição os batizados numa comunidade
eclesial não católica, a não ser que, examinadas atentamente a matéria e a forma
utilizadas na colação do batismo e tendo em conta a intenção do batizado adulto
e do ministro batizante, exista razão séria para se duvidar da validade do batismo.
§ 3. Se, nos casos referidos nos §§ 1 e 2, permanecer duvidosa a colação ou a
validade do batismo, não se confira o batismo, sem que se exponha a doutrina
acerca dos sacramentos ao batizando, se for adulto, e ao mesmo, ou, quando se
tratar de criança, aos pais, se dêem as razões da dúvida sobre a validade do batismo
anteriormente celebrado.
Cân. 870 — A criança exposta ou encontrada, a não ser que, depois de uma
investigação cuidadosa, conste do seu batismo, seja batizada.
Cân. 871 — Os fetos abortivos, se estiverem vivos, quanto possível, sejam
batizados.
CAPÍTULO IV
DOS PADRINHOS
Cân. 872 — Dê-se, quanto possível, ao batizando um padrinho, cuja missão
é assistir na iniciação cristã ao adulto batizando, e, conjuntamente com os pais,
apresentar ao batismo a criança a batizar e esforçar-se por que o batizado viva
uma vida cristã consentânea com o batismo e cumpra fielmente as obrigações que
lhe são inerentes.
Cân. 873 — Haja um só padrinho ou uma só madrinha, ou então um padrinho
e uma madrinha.
Cân. 874 — § 1. Para alguém poder assumir o múnus de padrinho requer-se
que:
1.° seja designado pelo próprio batizando ou pelos pais ou por quem faz
as vezes destes ou, na falta deles, pelo pároco ou ministro, e possua aptidão e intenção
de desempenhar este múnus;
2.° tenha completado dezasseis anos de idade, a não ser que outra idade tenha
sido determinada pelo Bispo diocesano, ou ao pároco ou ao ministro por justa
causa pareça dever admitir-se exceção;
3 ° seja católico, confirmado e já tenha recebido a santíssima Eucaristia, e
leve uma vida consentânea com a fé e o múnus que vai desempenhar;
4.° não esteja abrangido por nenhuma pena canônica legitimamente aplicada
ou declarada;
5.° não seja o pai ou a mãe do batizando.
§ 2. O batizado pertencente a uma comunidade eclesial não católica só se admita
juntamente com um padrinho católico e apenas como testemunha do baptismo.
CAPÍTULO V
DA PROVA E ANOTAÇÃO DO BATISMO
Cân. 875 — Quem administra o batismo procure que, se não houver padrinho,
haja ao menos uma testemunha, com que se possa provar a colação do batismo.
Cân. 876 — Para provar a administração do batismo, se daí não advier prejuízo
para ninguém, basta a declaração de uma só testemunha, acima de toda a
excepção, ou o juramento do próprio batizado, se ele tiver recebido o batismo
em idade adulta.
Cân. 877 — § 1. O pároco do lugar em que se celebra o batismo deve inscrever
cuidadosamente e sem demora alguma no livro dos batismos os nomes dos
batizados, fazendo menção do ministro, pais, padrinhos e ainda, se as houver,
das testemunhas, do lugar e dia do batismo, indicando também o dia e o lugar do
nascimento.
§ 2. Se se tratar de filho de mulher não casada, deve consignar-se o nome da
mãe, se constar publicamente da sua maternidade ou ela mesma, por escrito ou
perante duas testemunhas, espontaneamente o pedir; deve consignar-se também o
nome do pai, se a sua paternidade estiver comprovada por algum documento pú-
blico, ou declaração do próprio perante o pároco e duas testemunhas; nos restantes
casos, consigne-se o nome do batizado, sem fazer menção do nome do pai ou dos
pais.
§ 3. Se se tratar de filho adotivo, consignem-se os nomes dos adotantes, e
também, pelo menos se assim se fizer também no registo civil da região, os nomes
dos pais naturais, em conformidade com os §§ 1 e 2, segundo as prescrições da
Conferência episcopal.
Cân. 878 — Se o batismo não tiver sido administrado nem pelo pároco nem na sua presença, o ministro do batismo, qualquer que ele seja, deve comunicar a
celebração do baptismo ao pároco da paróquia em que o baptismo foi administrado,
para que ele faça o assento em conformidade com o cân. 877, § 1.

Leia também:

34 º Encontro (Catequese) – Sede Santos

Série: Animo, uma nova Catequese (Encontro 34/40)

santos

Chegar a este ponto da nossa vivência de fé e abordar um assunto tão significativo para a igreja é muito importante. A igreja tem seus Santos e Santas e muitas vezes é criticada e principalmente mal compreendida. Afinal o que é a santidade? Algo irreal, inventado ou totalmente verídico? Mais ainda, quem são os santos da igreja (quem foram e porque foram elevados aos altares)? E  para fechar: existem santos(as) ainda hoje? Seja bem vindo ao nosso trigésimo quarto encontro.

Antes do inicio deste encontro os catequistas devem preparar a ambientação com imagens (fotos) de santos, a Bíblia, velas e flores (se possível). Também seria interessante escolher ao menos 5 santos (conforme o planejamento pode ser mais ou menos) e apresentar a história resumidaUma boa dica é escolher entre os santos que nomeiam as comunidades que fazem parte da Paróquia onde o grupo de catequese está inserido (exceto as Nossas Senhoras, Espírito-Santo e as que tenha ligação com títulos de Jesus, exemplo Bom Pastor). Pode se fazer uma dinâmica com todos os santos da paróquia, se for uma com grande número de comunidades.

folhadeencontromod.3-21

Sugestão de Folha para Encontro

Neste encontro um ponto importante na nossa oração inicial é abrir com o abraço da paz e em seguida pedir que cada um pense no seu familiar, ente querido, amigos que a oração será dedicada. Depois reza-se um Pai-Nosso, uma Ave Maria e o Vinde Espírito Santo. Ainda fazendo parte da oração pode se pedir que todos fechem os olhos e escutem a música Sede Santos (Vida Reluz) é uma grande música de reflexão também.

Tema: Perguntar se todos sabem o que são os santos e santas da igreja? Refletir sobre isso e explicar a importância deles na igreja.

Como descontração pedir que os catequizandos falem nomes de santos e santas que eles conhecem e ir anotando em cartolinas, deixar que falem o maior número possível. Depois (é quase certeza que vai acontecer) explicar quais são santos e santas e quais são títulos de Nossa Senhora (exemplo: Nossa Senhora Aparecida, Virgem Maria, Nossa Senhora das Dores, Nossa Senhora de Fátima, etc…) e de Jesus (exemplo Bom Pastor, Coração de Jesus, etc…) que não deixam de ser santos mas Maria é a mãe de todos e Jesus é o próprio Deus Pai.

Contar a história dos santos escolhidos (e ai vai de como o encontro foi planejado).

Baseando-se na Paróquia São Marcos, o Evangelista e Paróquia Santa Mônica (ambas na região norte de Campinas, SP), lembrando que é só para exemplificar, eu contaria as histórias de:

Refletir sobre a seguinte pergunta: Ainda podemos ser santos hoje em dia? Porque neste mundo de hoje tão veloz e com forte inclinação para tentar afastar-nos cada vez mais da igreja, as dificuldades para escolhermos um caminho de santidade (não confunda com a santidade dos altares) são ainda maiores. Uma boa roda de conversa sobre o assunto seria interessante (caso haja tempo hábil até uma divisão em grupos coordenada por catequistas em cada grupo é interessante também).

oracao_sao_franciso_assis

Sugestão de Lembrancinha

Como oração final sugiro que seja entregue uma lembrancinha com a Oração de São Francisco e logo depois que a oração seja também o canto Oração de São Francisco – Padre Zeca. Podemos nos despedir marcando para o próximo encontro algo especial como um café da manhã.

Aprofundamento para o Catequista

Este é um tema bem interessante e difícil de ser falado, pois existe a confusão (por vezes criada por  nossos irmãos protestantes e outras por atitudes nossas mesmo) sobre se adorar imagens ou se querer substituir Jesus como único mediador junto a Deus.

O professor Felipe Aquino explica: “A Igreja Católica nunca afirmou que devemos “adorar” as imagens dos santos; mas as venerar, o que é muito diferente. A imagem é um objeto que apenas lembra a pessoa ali representada; o ídolo, por outro lado, “é o ser em si mesmo”. A quebra de uma imagem não destrói o ser que representa; já a destruição de um ídolo implica a destruição da falsa divindade. Para Deus, e somente para Ele, a Igreja presta um culto de adoração (“latria”), no qual reconhecemos Deus como Todo-Poderoso e Senhor do universo. Aos santos e anjos, a Igreja presta um culto de veneração (“dulia”), homenagem.

A imagem de um santo tem um significado profundo. Quando se olha para ela, a imagem nos lembra que a pessoa, ali representada, é santa, viveu conforme a vontade de Deus. Então, é um “modelo de vida” para todos.

A imagem lembra também que aquela pessoa está no céu, isto é, na comunhão plena com o Senhor; ela goza da chamada “visão beatífica de Deus” e intercede por nós sem cessar, como reza uma das orações eucarísticas da Missa. (Formação Canção Nova)

Os Santos e Santas da Igreja Católica foram em primeiro lugar pessoas de muita fé que viveram para servir a Deus ou tiveram uma vida de muita piedade e fé (o que por si só dá no mesmo já que Jesus é a pura piedade e amor). Estas pessoas repletas do Espírito Santo tinham a misericórdia como sinal indelével na vida e seguiam a risca o mandamento de Jesus: Amar a Deus sobre todas as coisas e ao irmão como Cristo os amou. Por isso mesmo acabaram chegando ao céu e depois intercedendo por todos os que tem fé. Um santo pode ser uma pessoa que nasceu e cresceu no amor de Deus, ou que depois recebeu o chamado para a missão de Jesus (veja São Paulo, São Francisco, Santo Agostinho, entre outros) e acabou se tornando um exemplo de fé.

Para ser considerado Santo ou Santa na Igreja Católica é um processo sério e muito complexo, ninguém é considerado Santo apenas porque criou um fama, é necessário um grande processo de provas e contraprovas, justamente para não se criar “ídolos” e sim algo verdadeiro.

O processo consta, em síntese, das seguintes etapas:

1) Nomeia-se um postular da causa

2) Interrogam-se as testemunhas, caso ainda estejam vivas.

3) Pelo menos dois censores examinam os escritos do Servo de Deus, caso existam. Se a causa refere-se a alguém que não faleceu recentemente, o Bispo precisa convocar uma comissão histórica para recolher todo o material existente e julgar sua validez.

4) Simultaneamente à fase dos interrogatórios e da avaliação dos escritos, é necessário um decreto do Bispo certificando a ausência do culto público, segundo norma promulgada pelo Papa Urbano VIII.

5) Tudo isso deverá ser enviado a Roma, onde se estabelece a validade do processo, ou seja, a constatação de que nada falta para o seu prosseguimento.

6) Depois, o postulador pede que se nomeie um relator da causa, o qual, junto com o postulador e outros colaboradores, elabora a Positio, que é um livro, às vezes em vários volumes, que resume toda a documentação. Esse resumo será julgado depois pelos Cardeais, Bispos e teólogos membros da Congregação.

7) Concluída a Positio, ela deve ser entregue à Congregação para a Causa dos Santos . A Positio será então estudada por oito consultores teólogos e pelo Promotor da Fé, os quais deverão emitir seus votos “afirmativos”“suspensivos” ou “negativos”.

8 ) Se seus votos forem afirmativos, a causa passa aos Cardeais, Arcebispos e Bis

pos membros da Congregação para a Causa dos Santos. Se aprovada, a causa é apresentada de modo resumido ao Romano Pontífice.

9) O Papa é, em definitivo, o único juiz da Causa. Os passos prévios são, na realidade, meramente consultivos. Se o Papa confirma o juízo aprobatório descrito previamente, declarará venerável o Servo de Deus, título com o qual se reconhece sua heroicidade de virtudes ou seu martírio.

10) O passo seguinte é o reconhecimento do milagre depois da morte (post mortem). O milagre é discutido apenas quando se examina a possibilidade de beatificação quando a causa é devida à heroicidade de virtudes.

 

11) O Papa então, se reconhecer o milagre, declara como Beata aquela pessoa até então era considerada como Venerável. Este é o ato da Beatificação dela.

12) Para a canonização, será necessário outro milagre. Com isso conclui-se o processo

A canonização é o ato final, que compete somente ao Sumo Pontífice, o Papa, conclusivo de um processo de investigação e análise de como a pessoa viveu, do que ela fez, ensinou, escreveu, etc., e de como morreu.

Este processo era muito simples. O Bispo do local informava-se junto aos que haviam conhecido uma pessoa falecida com fama de santidade. Pedia-lhes que dessem testemunho a respeito de sua vida ou sobre milagres obtidos por sua intercessão, após o falecimento.

À medida que a Igreja foi crescendo, e com o correr dos séculos, começou-se a fazer um verdadeiro processo de canonização.

Desde os primeiros tempos, os milagres foram requeridos. E ainda hoje exige-se o milagre, além do processo em si mesmo, porque o juízo dos teólogos e dos Cardeais é um juízo humano, enquanto o milagre é considerado como a confirmação que Deus faz desse juízo.

Há dois diferentes níveis de honra para os santos indivíduos que faleceram. Aquelas pessoas que são veneradas localmente ou por ordens religiosas de padres ou freiras são beatificadas. Elas são chamadas pelo título “beato”. Somente aquelas que são canonizadas pelo Papa são realmente santos. Esta distinção é virtualmente ignorada pela maioria dos católicos. A mais completa compilação dos santos católicos, A Bibliotheca Sanctorum, está beirando os vinte volumes e alista mais de 10.000 santos. Só aproximadamente 400 deles foram oficialmente canonizados por papas.

A Congregação pelas Causas dos Santos, um dos nove ministérios da Santa Sé, supervisiona a canonização dos santos. No passado, o processo era mais extenso e minucioso do que é hoje. Antes de João Paulo II se tornar Papa, havia muitos bloqueios estrategicamente colocados no caminho da santidade. Houve realmente, no Vaticano, um ofício cujo propósito era fazer tudo que pudesse para expor o lado negativo do candidato de modo a assegurar que nenhum indivíduo fosse indevidamente honrado. Esse ofício era conhecido como o do Advogado do Diabo. Nos anos recentes, o ofício do Advogado do Diabo tem sido afastado, e o processo de canonização inteiro foi drasticamente agilizado. João Paulo II beatificou e canonizou mais indivíduos do que todos os outros papas juntos no século vinte.

Uma vez que uma pessoa é canonizada, os católicos ficam seguros de poderem rezar com confiança ao santo para que interceda com Deus em seu benefício. O nome da pessoa é acrescentado à lista de santos e é determinado um dia festivo no qual ela será honrada na celebração da Missa desse dia.

Alguns santos são indicados como intercessores especiais junto a Deus em benefício de certas causas ou grupos de pessoas. Eles são chamados Santos Padroeiros. O que se segue relaciona vários Santos Padroeiros bem conhecidos.

Alguns Santos e Santas acabam ficando, digamos assim, mais famosos em certas épocas como é o caso de Santo Expedido (Santo das Causas Urgentes), Santa Rita de Cássia (Santa das Causas Impossíveis), Santa Edwiges (Protetora dos Pobres e Endividados), Nossa Senhora Desatadora dos Nós ( Desatar os problemas da nossa vida)

 

  • Santos Padroeiros de Alguns Países:
    Argentina – Nossa Senhora de Lujan

    Austrália – São Gregório Iluminador
    Brasil – Nossa Senhora Aparecida
    Canadá – São José, Sant’Ana
    Chile – São Tiago; Nossa Senhora de Monte Carmelo
    China – São José
    Colômbia – São Pedro Claver; São Luís Bertrand
    Equador – Sagrado Coração
    Inglaterra – São Jorge
    França – Santa Joana D’Arc
    Alemanha – São Bonifácio
    Índia – Nossa Senhora da Assunção
    Irlanda – São Patrício, Santa Brígida e Santa Columba
    Itália – São Francisco de Assis; Santa Catarina de Siena
    Japão – São Pedro Batista
    México – Nossa Senhora de Guadalupe
    Filipinas – Sagrado Coração de Maria
    Portugal – Imaculada Conceição, São Francisco Bórgia, Santo Antônio de Pádua
    Rússia – Santo André
    Espanha – São Tiago, Santa Teresa
    Estados Unidos – Imaculada Conceição

Veja também:

Escute as músicas sugeridas:

 

 

A Missa: Parte por Parte

Série : Animo, uma nova catequese (Encontro 30/40 – Complemento 15)

images

A Missa: parte por parte

A celebração da Eucaristia, ou como nós conhecemos : a Missa, é o acontecimento em que os cristãos católicos atualizam o gesto de Jesus realizado na última ceia. Naquela noite memorável ficou profundamente marcado na mente dos apóstolos o pedido de Jesus:

“Fazei isto em minha memória! “(Lc 22,19)

Participar da missa é atualizar o pedido de Jesus, É colocar-se em atitude de entrega a Deus Pai e aos irmãos, como fez Jesus.

Jesus realizava assim a primeira missa

52c4f0b28e7e7bab41581053924227a4

Participar é comungar, é trazer Cristo para dentro de si e depois levá-lo aos irmãos.

A Santa Missa torna presente o sacrifício de Jesus realizado sobre o calvário. Mas também é lugar de se ouvir a palavra de Deus direto da Bíblia.

1201827-famosos-prestigiaram-a-missa-de-setimo-950x0-3

A Missa é também é lugar de catequese por excelência.

Tempo e momento de louvor a Deus e também de estar em encontro com os outros irmãos e irmãs da comunidade de fé.

O que é a missa? – A missa consiste em um memorial da Páscoa de Jesus. Celebra a glória, morte e ressurreição de Jesus Cristo.

A Missa é também o momento da comunidade celebrante e não é feita somente de palavras. Ela é um todo composto de palavras, ritos, gestos, cantos, que devem estar bem integrados entre si, para que haja uma harmonia na celebração.

Mais do que uma tradição a missa é comunhão. Imagine-se num encontro com toda a sua família, basicamente este encontro ocorre em todas as missas onde todos os fiéis (irmãs e irmãos) se encontram para celebrar o Pai.

Assistir a missa pela TV ou Internet tem também seu valor, mas não substitui a participação in loco (na igreja) da celebração. O ir pessoalmente, comungar, participar é mais importante ainda.

img-464285-o-renascimento-do-padre-marcelo-rossi

Padre Marcelo Rossi, mais de 1 milhão de pessoas assistindo na TV e mais de 100.000 na igreja

Usarei a montagem com um folheto de missa para exemplificar as partes da celebração, os números acompanhados de (*) serão identificados no folheto

110916_P1_05092016183137

 O ritual

 O ritual litúrgico da missa é dividido em quatro partes: Ritos Iniciais, Liturgia da Palavra, Liturgia Sacramental e Ritos Finais.

  • Ritos Iniciais :
  • Acolhimento (comentário inicial)
  • Canto de Entrada : Pode-se fazer uma procissão de entrada para mostrar a nossa caminhada ou indicar o tema a ser celebrado. Todos de pé (*1)
  • Saudação (acolhida do presidente: padre/diácono/ministro da palavra)(*2) Fl 1,2
  • Antífona de Entrada: Geralmente o trecho de um Salmo, mas que pode ter outros temas dependendo do Tempo Litúrgico (*2)
  • Ato Penitencial: Momento de pedirmos perdão reconhecendo nossas faltas. (*3)    (Mt 7ss; Sl 50,19b)
  • Hino de Louvor: Glória (*4) (Lc 2,14)
  • Oração (ou Coleta): O presidente faz uma oração em nome da igreja reunida pela vida da comunidade, pedindo a Deus por Cristo, na unidade do Espírito Santo. Ao final todos se sentam (*5)
  1. Liturgia da Palavra:
  • Primeira Leitura: Geralmente tirada do Antigo Testamento, salvo no Tempo Pascal em que se lê nos Atos dos Apóstolos. (*6)
  • Salmo Responsorial ( Salmo de Resposta): Leitura retirada do livro dos Salmos (*7)
  • Segunda Leitura: Tirada das Cartas dos Apóstolos ou do Apocalipse (*8)
  • Aclamação ao Evangelho: Canto de aclamação. Todos de pé. (*9)
  • Evangelho: Leitura retirada dos Evangelhos Sinóticos exceto na Quaresma, Tempo Pascal e Festas onde se lê o Evangelho de João. A divisão feita pela igreja divide as leituras dos Evangelhos por anos sendo: Mateus (Ano A), Marcos (Ano B) e Lucas (Ano C). (*10)
  • Homilia: Antigamente costumava-se chamar de sermão. É o momento em que no presidente da celebração fala com a comunidade refletindo sobre as leituras e trazendo uma mensagem sobre tudo no que foi lido. Seria uma espécie de catequese para todos. Este momento todos devem estar sentados numa atitude de quem está pronto a aprender (*11)
  • Profissão de Fé (Creio) – Todos de pé (*12)
  • Oração da Assembléia ou da Comunidade (Prece dos Fiéis): Momento em que a comunidade faz seus pedidos a Deus. (*13)
  1. Liturgia Eucarística (Sacramental):
  • Preparação das Ofertas (Ofertório): (*14)

– Canto das Oferendas ou Ofertas – Todos sentados

– Momento de receber as ofertas dos fiéis

– Ofertório: Não existe mais a entrada em procissão do pala e vinho, salvo quando autorizado pelo padre ou em momentos especiais. Durante este momento a mesa é preparada com as alfaias (cálice, ambula, patena, hóstias grande e partículas ). O presidente usa o gesto de lavar as mãos, mas não como Pilatos o fez e sim como quem se prepara para a refeição. Coloca-se gotinhas de água no vinho que será consagrado e depois uma pequena partícula da hóstia grande é colocada também no cálice. O significado das gotinhas de água é cada fiel está em Cristo e a partícula é o corpo de Cristo com seu sangue. Depois das gotas de água caírem no vinho nada pode separá-los

  • Oração sobre as oferendas: “Orai irmãos e irmãs… É a oração que o presidente pedem para que todos rezem para que o sacrifício de Cristo seja aceito. “ Todos de pé (*15 e 16)
  • Oração Eucarística : Existem diversas formas de Oração Eucarística (todas numeradas e retiradas do Missal Romano, o que faz com que em todo o mundo seja feito a missa daquele dia com a mesma oração, mostrando a unidade da Igreja Católica). Neste momento podemos dividir em partes, pois logo no início o presidente da celebração anuncia: “O Senhor esteja convosco” e a comunidade confirma: “Ele está no meio de nós. “ Assim após uma breve oração é rezado o Santo ( que pode ser feito como oração ou como cântico repetindo o que os anjos fizeram ao anunciar a chegada do então menino Jesus aos pastores em Belém.  Começa o rito da comunhão com a consagração (o vinho virá sangue e o pão virá carne, é a transubstanciação) momento de repetir o gesto de Jesus na última ceia seguindo o pedido dele mesmo: “Fazei isso em minha memória…” Depois vem os pedidos pelos vivos e os mortos, o Santo Papa, Os Bispos e os Presbíteros e outros pedidos. A ultima oração é o “Por Cristo, com Cristo e em Cristo…”, vale salientar que esta é uma oração própria do sacerdote e os fiéis só fazem o Amém (Assim Seja) (*17)
  • Ritos da Comunhão:
  • Oração do Pai Nosso (Mt 6,7-12(*18)
  • Oração e Abraço da Paz
  • Fração do Pão (Cordeiro de Deus) Tem sido cantado ultimamente, mas pode ser rezado
  • Comunhão: Momento de receber Cristo. Neste momento de distribuição da Eucaristia canta-se o Cântico da Comunhão (*19)
  • Silêncio: Ouvir a voz de Deus no nosso interior. Este ano (2017) houve até uma reflexão da igreja sobre a importância do silêncio nas missas, então tem sido recomendado que não se crie cantos ou outras distrações.
  • Antifona da Comunhão – Todos de pé
  • Oração de Ação de Graças (Pós-comunhão) (*21)
  1. Ritos Finais:
  • Avisos ( caso haja necessidade )
  • Bênção Final – Todos de pé
  • Despedida: Ir em paz com o Senhor como companheiro. (*23)

A Missa não termina,porque ela não é um ato isolado na vida do católico.  Durante toda a semana o fiel tenta viver a união com seus irmãos,  através de uma vida de ajuda e fraternidade. 

Os itens *20 e 22 da imagem do folheto ficaram de fora porque em alguns modelos de folhetos estas partes são diferentes. Mas o grande cerne da misa e da liturgia está contido em todos.

Tempo Litúrgico

Existe também todo um tempo litúrgico a ser seguido, que muda conforme já falado de ano em ano. Sendo Ano A: Mateus; Ano B: Marcos; Ano C: Lucas; João celebrações especificas e tempo da Quaresma e Páscoa

Untitled

AnoLiturgico

missa

Detalhes :

Ficar sentado indica sobretudo a atitude de quem escuta e acolhe, para refletir e orar.

Ficar de pé significa respeito ao outro e estar pronto para caminhar. Expressa a atitude de quem acredita em um Jesus ressuscitado, presente na Eucaristia que saiu do túmulo  para voltar a caminhar conosco.

Ficar de joelhos é sempre um sinal de penitência  mais do que de adoração. Quem gosta de ajoelhar durante a Consagração, deve voltar a ficar de pé para a aclamação.

Também se deve guardar, nos momentos próprios, o silêncio sagrado, como parte da celebração. A natureza deste silêncio depende do momento em que ele é observado no decurso da celebração. Assim, no ato penitencial e a seguir ao convite à oração, o silêncio destina-se ao recolhimento interior; a seguir às leituras ou à homilia, é para uma breve meditação sobre o que se ouviu; depois da Comunhão, favorece a oração interior de louvor e ação de graças. Antes da própria celebração é louvável observar o silêncio na igreja, na sacristia e nos lugares que lhes ficam mais próximos, para que todos se preparem para celebrar devota e dignamente os ritos sagrados (Instrução Geral do Missal Romano nº 45)

Todo o gestual da missa tem o seu significado, desde o simples abrir de braços do padre, ao olhar, o silêncio e os momentos de falar com cada fiel. Desde o Concilio Vaticano II onde a missa deixou de ser celebrada apenas em latim e de costas para ser celebrada na língua de cada localidade e com o padre de frente (exatamente como Jesus fez) que a celebração ganhou ainda mais significado. Faça o teste, chegue mais cedo e repare em todo o gestual, em cada detalhe da missa, será uma experiência deveras enriquecedora.

paroquia-sao-sebastiao-e-sao-francisco-manaus-missas-de-cura-e-libertacao-o-que-igreja-diz

Origem da palavra missa

O substantivo missa vem do verbo latino mittere (“enviar, mandar, dispensar”), o mesmo que originou missão e míssil. Nas igrejas primitivas, nos primórdios do Cristianismo, o culto era dividido em duas partes: a primeira, composta de orações, cantos e de um sermão, era aberta a todos; a segunda (a eucaristia) era reservada aos cristãos batizados. Por isso, dizia-se ao final da 1ª parte, a fórmula “Ite, missa est”, que significa, aproximadamente, “Podem ir, [a congregação] está dispensada”. Pouco a pouco, a palavra que assinalava especificamente o momento da dispensa passou a designar toda a cerimônia.

Seria muito bom se todos chegassem na Igreja um pouco antes, não em cima da hora ou atrasados e pudessem observar o ambiente, a cor litúrgica, a Mesa da Palavra  (o ambão de onde se fazem as leituras), o altar (Mesa da Eucaristia ). Pudessem notar a cruz sobre o altar ou mais comumente ao lado dele, as velas (o círio pascal), as flores, o grupo de canto, as vestes… Tem muitas coisas para serem observadas, e cada gesto ou ato tem seu significado. Por isso também a Pastoral Litúrgica deve ter o cuidado na preparação para que na hora da celebração não tenha correrias por esquecimento ou sinais de que algumas coisas estão erradas. Penso que a missa deve ser celebrada por todos, dos fiéis, equipe da liturgia, o Padre, ministros, leitores, enfim todos devem entrar no mistério de Jesus Cristo.

3-620x276

Existem também diversos subsídios litúrgicos para se acompanhar a celebração eucarística, entre eles muitos folhetos Litúrgicos-Catequéticos (Folhetos de Missa) além dos hoje populares livretos da liturgia diária. Como exemplos temos: O Domingo (Paulus), Deus Conosco (Editora Santuário), A Missa (Arquidiocese do Rio de Janeiro). Porém pela questão do custo destes semanários algumas comunidades tem optado por exibirem em telões ou mesmo utilizarem a Bíblia para as missas.

Boa fonte de pesquisa :

RV15237_Articolo

Logo após o descobrimento do Brasil foi celebrada uma missa

Artigo: Milton Cesar (fidesomnium.wordpress.com)

O que foi o Concílio Vaticano II?

Conferência realizada entre 1962 e 1965 gerou transformações profundas na Igreja

Foi uma série de conferências realizadas entre 1962 e 1965, consideradas o grande evento da Igreja Católica no século 20. Com o objetivo de modernizar a Igreja e atrair os cristãos afastados da religião, o papa João XXIII convidou bispos de todo o mundo para diversos encontros, debates e votações no Vaticano. Da pauta dessas discussões constavam temas como os rituais da missa, os deveres de cada padre, a liberdade religiosa e a relação da Igreja com os fiéis e os costumes da época. “O Concílio tocou em temas delicados, que mudaram a compreensão da Igreja sobre sua presença no mundo moderno. Foram repensadas, por exemplo, as relações com as outras igrejas cristãs, o judaísmo e crenças não-cristãs”, diz o teólogo Pedro Vasconcelos, da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo. Após três anos de encontros, as autoridades católicas promulgaram 16 documentos como resultado do Concílio. Muitas novidades apareceram nas questões teológicas e na hierarquia da Igreja. O papa, por exemplo, aceitou dividir parte de seu poder com outros cardeais. E as missas passaram a ser rezadas na língua de cada país – antes eram celebradas sempre em latim! Na questão dos costumes, porém, o encontro foi pouco liberal. A Igreja continuou condenando o sexo antes do casamento e defendendo o celibato (proibição de se casar e de ter relações sexuais) para os padres. No quadro ao lado, você confere o que mudou – e o que ficou na mesma – depois dessa reforma na Igreja Católica.

Mudança de hábito
Conferência realizada entre 1962 e 1965 gerou transformações profundas na Igreja

ASSUNTO – MISSA

ANTES DO CONCÍLIO – Rezada em latim, com o padre voltado para o altar, de costas para os fiéis. Apenas membros do clero comandavam a celebração

DEPOIS DO CONCÍLIO – Rezada no idioma de cada país, com o padre de frente para o público. Mulheres e homens leigos (que não são do clero) podem ajudar na celebração

ASSUNTO – SEXO

ANTES DO CONCÍLIO – Doutrina rígida, contrária ao sexo antes do casamento e ao aborto, mesmo em caso de estupro

DEPOIS DO CONCÍLIO – Manteve a mesma posição

ASSUNTO – RELACIONAMENTO COM OUTRAS RELIGIÕES

ANTES DO CONCÍLIO – Desconfiança em relação aos ensinamentos de religiões não-cristãs (islamismo, judaísmo, etc.)

DEPOIS DO CONCÍLIO – Aceita a idéia de que, por meio de outras religiões, também é possível conhecer Deus e a salvação

ASSUNTO – CULTO AOS SANTOS

ANTES DO CONCÍLIO – Proliferação de “santos” criados pela crença popular e não-canonizados pela Igreja

DEPOIS DO CONCÍLIO – “Santos” não-canonizados são abolidos. Cristo volta a ser o centro das atenções na missa

ASSUNTO – COMPORTAMENTO DO SACERDOTE

ANTES DO CONCÍLIO – Uso obrigatório da batina e de outros símbolos da Igreja. Casamento e relações sexuais são proibidos

DEPOIS DO CONCÍLIO – Cai o uso obrigatório da batina: agora, os padres podem usar trajes sociais. Segue a proibição ao casamento e ao sexo

ASSUNTO – QUESTÕES POLÍTICAS

ANTES DO CONCÍLIO – Condenação do capitalismo e esforço para evitara “contaminação” do catolicismo por idéias comunistas

DEPOIS DO CONCÍLIO – Continua a condenação ao capitalismo e ao comunismo, mas aumenta um pouco a liberdade dos teólogos para interpretar a Bíblia

jesus1

27º Encontro (Catequese) – Unção aos Enfermos

Série: Animo, uma nova Catequese (Encontro 27/40)

jesus-adictamente (4)

Neste encontro terminaremos de falar sobre os sacramentos. E o tema é o Sacramento da Unção dos Enfermos, um dos sacramentos de cura. Uma das sugestões é fazer parte do encontro na igreja e a outra parte ir visitar, junto com os ministros dos enfermos alguns doentes da comunidade que recebem a Eucaristia em casa. Importante se programar e conversar antes com os ministros para uma boa integração

A oração inicial pode ser feita de uma forma bem mais forte, com todos de mãos dadas, respeitando alguns minutos de silêncio e que seja pedido que cada um lembre de alguém que conhece que precise muito de oração por estar doente. Interessante se cada um pudesse falar por quem vai estar rezando, porém deve-se sempre respeitar aqueles que não querem dizer em voz alta. Depois pode ser rezado o Pai Nosso, Ave Maria e o Vinde Espírito Santo.Na sequência pode ser cantada uma música e sugiro Cura Senhor – Padre Antônio Maria

Apresentar os Ministros dos Enfermos

Após esta parte podemos falar do tema do encontro que é o sacramento da Unção dos Enfermos. Lembrar que antes esse sacramento era chamado de Extrema unção, porém existe uma diferença pois a intenção da Unção dos Enfermos é antes de tudo trazer a cura física e espiritual para a pessoa e a extrema unção é quando a pessoa está as portas da morte. Para a igreja só existe um sacramento da Unção dos Enfermos (a extrema unção é parte deste e não algo em separado)Importante também falar dos Ministro dos Enfermos que levam a comunhão aqueles que estão doentes e não podem acessar a comunidade e as missas e também a alguns idosos que tem dificuldade de locomoção. Também falar da importância de se cuidar dos doentes e idosos e que isso faz parte do sacramento. Lembrar que o padre também visita estes fiéis e a missão de cada católico é sempre visitar e acalentar os irmãos enfermos.

Importante que os ministros expliquem o que será feito na visita e se tenha a prudência de escolher enfermos que possam dividir a experiência com os catequizandos.

Fazer a música final Sacramento Que Cura – Padre Marcelo Rossi e depois a oração de envio, já que sairemos da comunidade e iremos visitar alguns enfermos. Caso não seja possível o encontro deve respeitar o horário.

folhadeencontromod.3-13

Sugestão de folha para o encontro

Aprofundamento para o catequista

lar-sp-nov-01

O padre e a ministra dos enfermos (Imagem da internet)

“Por esta santa unção e pela Sua infinita misericórdia, o Senhor venha em teu auxílio com a graça do Espírito Santo, para que, liberto dos teus pecados, Ele te salve e, na Sua misericórdia, alivie os teus sofrimentos”. – Esta é a petição a Deus proferida na Unção dos Enfermos, essa oração contém o objeto central desse sacramento, ou seja, confere a ele uma graça especial, que une mais intimamente o doente a Cristo.

Jesus veio para revelar o amor de Deus. Frequentemente, faz  isso nas áreas e situações em que nos sentimos especialmente ameaçados em função da fragilidade de nossa vida, devido a doenças, morte etc. Deus Pai quer que nos tornemos saudáveis no corpo e na alma, e reconheçamos nisso a instauração do Seu Reino. Por vezes, só com a experiência da enfermidade percebemos que precisamos do Senhor mais do que tudo. Não temos vida, a não ser em Cristo. Por isso, os doentes e os pecadores têm um especial instinto para perceber o que é essencial.

A Igreja, tendo recebido do Senhor a ordem de curar os enfermos, procura pôr isso em prática com os cuidados para com os doentes, acompanhados da oração de intercessão. Ela possui, sobretudo, um sacramento específico em favor dos enfermos, instituído pelo próprio Cristo e atestado por São Tiago: «Quem está doente, chame a si os presbíteros da Igreja e rezem por ele, depois de o ter ungido com óleo no nome do Senhor» (Tg 5,14-15).

21.05

Dessa forma, o sacramento da unção dos enfermos pode ser recebido pelo fiel que começa a se sentir em perigo de morte por doença ou velhice. O mesmo fiel pode recebê-lo também outras vezes se a doença se agravar ou, então, no caso doutra enfermidade grave. O Catecismo da Igreja relembra que: “É dever dos pastores instruir os fiéis sobre os benefícios deste Sacramento. Que os fiéis incentivem os doentes a chamar o sacerdote para receberem este Sacramento. Que os doentes se preparem para recebê-lo com boas disposições, com a ajuda de seu pastor e de toda a comunidade eclesial, que é convidada a cercar de modo especial os doentes com suas orações e atenções fraternas” (CIC 1516).

Não se deve deixar que um doente grave venha a falecer sem receber a Unção dos Enfermos; muitas vezes isto acontece porque a família se descuida de cuidar espiritualmente do enfermo ou porque fica com medo de assustá-lo; o sacerdote saberá preparar o doente psicologicamente para receber o Sacramento em paz.

Artigo 5: A Unção dos Enfermos (Catecismo da Igreja Católica)

Transcrição CIC 1514-1516; 1526-1532

1514. A Unção dos Enfermos «não é sacramento só dos que estão prestes a morrer. Por isso, o tempo oportuno para a receber é certamente quando o fiel começa, por doença ou por velhice, a estar em perigo de morte».

1515. Se um doente que recebeu a Unção recupera a saúde, pode, em caso de nova enfermidade grave, receber outra vez este sacramento. No decurso da mesma doença, este sacramento pode ser repetido se o mal se agrava. É conveniente receber a Unção dos Enfermos antes duma operação cirúrgica importante. E o mesmo se diga a respeito das pessoas de idade, cuja fragilidade se acentua.

«… CHAME OS PRESBÍTEROS DA IGREJA»

1516. Só os sacerdotes (bispos e presbíteros) são ministros da Unção dos Enfermos. É dever dos pastores instruir os fiéis acerca dos benefícios deste sacramento. Que os fiéis animem os enfermos chamarem o sacerdote para receberem este sacramento. E que os doentes se preparem para o receber com boas disposições, com a ajuda do seu pastor e de toda a comunidade eclesial, convidada a rodear, de um modo muito especial, os doentes, com as suas orações e atenções fraternas.

1526. «Algum de vós está doente? Chame os presbíteros da Igreja, para que orem sobre ele, ungindo-o com óleo em nome do Senhor. A oração da fé salvará o doente e o Senhor o aliviará. E, se tiver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados» (Tg 5, 14-15).

1527. 0 sacramento da Unção dos Enfermos tem por finalidade conferir uma graça especial ao cristão que enfrenta as dificuldades inerentes ao estado de doença grave ou de velhice.

1528. 0 tempo oportuno para receber a Santa Unção chegou certamente quando o fiel começa a encontrar-se em perigo de morte, devido a doença ou a velhice.

1529. Todas as vezes que um cristão cai gravemente enfermo, pode receber a Santa Unção; e também quando, mesmo depois de a ter recebido, a doença se agrava.

1530Só os sacerdotes (presbíteros e bispos) podem ministrar o sacramento da Unção dos Enfermos; para isso, empregarão óleo benzido pelo bispo ou, em caso de necessidade, pelo próprio presbítero celebrante.

1531. 0 essencial da celebração deste sacramento consiste na unção na fronte e nas mãos do doente (no rito romano) ou sobre outras partes do corpo (no Oriente), unção acompanhada da oração litúrgica do sacerdote celebrante que pede a graça especial deste sacramento.

1532. A graça especial do sacramento da Unção dos Enfermos tem como efeitos:

– a união do doente à paixão de Cristo, para o seu bem e para o de toda a Igreja;
–  o conforto, a paz e a coragem para suportar cristãmente os sofrimentos da doença ou da velhice;
–  o perdão dos pecados, se o doente não pôde obtê-lo pelo sacramento da Penitência;
–  o restabelecimento da saúde, se tal for conveniente para a salvação espiritual;
–  a preparação para a passagem para vida eterna.

No Código de Direito Canônico

Capítulo III DAQUELES A QUEM SE DEVE ADMINISTRAR A UNÇÃO DOS ENFERMOS

Cân. 1004

§ 1. A unção dos enfermos pode ser administrada ao fiel que, tendo atingido o uso da razão, começa a estar em perigo por motivo de doença ou velhice.

§ 2. Pode-se repetir este sacramento se o doente, depois de ter convalescido, recair em doença grave, ou durante a mesma enfermidade, se o perigo se agravar.

Cân. 1005

Na dúvida se o doente já atingiu o uso da razão, se está perigosamente doente, ou se já es tá morto, administre-se este sacramento.

Cân. 1006

Administre-se este sacramento aos doentes que ao menos implicitamente o pediram quando estavam no uso de suas faculdades.

Cân. 1007

Não se administre a unção dos enfermos aos que perseverarem obstinadamente em pecado grave manifesto.

jesusmedico2

Como deve ser administrada a Extrema Unção

O Sacerdote unge o doente com o óleo dos enfermos que é a matéria do Sacramento da Extrema-Unção. Esta unção deve ser feita seis vezes: nos olhos, nas narinas, nos ouvidos, na boca, nas mãos e nos pés. Para cada unção o Padre repete a forma do Sacramento da Extrema-Unção. Temos então:

matéria: o óleo dos enfermos – é um dos óleos consagrados pelo Bispo na Quinta-feira Santa, na Missa Crismal (assim chamada por causa da benção dos óleos). Deve ser obrigatoriamente de oliveira, ou seja, azeite doce.

forma: Por esta santa unção e por sua grande misericórdia, Deus te perdoe tudo que fizeste de mal pela … vista (ouvido, olfato, gosto e palavras, tato, passos)

A Graça Sacramental da Extrema Unção

A parte visível do Sacramento, a matéria e a forma, significam a parte invisível, que é a graça sacramental. Antigamente, usava-se muito o azeite para curar as doenças. Por isso a Igreja usa o óleo dos enfermos para fazer um gesto que se faz para passar o azeite nas feridas. O Padre unge, ou seja, passa o óleo no corpo do doente, e esse gesto, junto com as palavras da forma sacramental, realizam aquilo que eles significam: não a cura do corpo, mas a cura da alma. A alma que recebeu a Extrema-Unção tem seus pecados perdoados e está fortalecida para enfrentar a morte. Além disso, se Deus achar que ela não deve morrer, o Sacramento ajudará também na cura da doença e a pessoa ficará boa.

Efeitos da Extrema Unção

– aumenta a graça santificante restabelecida pela Confissão;

– perdoa os pecados que não puderam ser confessados (se houver contrição);

– destrói as penas temporais devidas aos pecados já perdoados (se houver disposição para isso);

– traz saúde para o corpo, se isso for bom para a alma.

Leia Mais:

 

Escute as músicas sugeridas:

captura-de-pantalla-2011-04-29-a-las-08-23-11

Cura Senhor – Padre Antônio Maria

Sacramento Que Cura – Padre Marcelo Rossi

26º Encontro (Catequese) – Sacramento da Ordem

Série: Animo, uma nova Catequese (Encontro 26/40)

images (7)

O sacramento da ordem. Juntamente com o matrimônio, são chamados de sacramento de serviço. Assim, quem é batizado e confirmado (crismado) pode também assumir um serviço especial, pondo-se a serviço de Deus. Isso acontece mediante os sacramentos da ordem e do matrimônio, por isso os mesmos são chamados sacramentos a serviço da comunhão e da missão, pois conferem uma graça especial para uma missão particular na Igreja em ordem à edificação do povo de Deus, contribuindo em especial para a comunhão eclesial e para a salvação dos outros.

folhadeencontromod.3-12

Sugestão para folha de encontro

Neste encontro uma das melhores opções seria ter um convidado para melhor desenvolvimento do tema. Um seminarista ou o pároco seria interessante, mas uma freira também seria muito importante para falar sobre o servir a Deus de uma maneira única.

Também seria muito bom se fosse oferecido um café da manhã,  assim como o sugerido no último encontro  (com pão, bolacha, manteiga, leite, café e frios)

No primeiro momento o encontro pode começar com um Vinde Espírito Santo.

Como canto inicial sugiro Só em Deus – Maria do Rosário

No terceiro momento pode-se apresentar os convidados  (caso haja) e depois servir o café. Após isso deixar que estes falem sobre o que levou a ser padre (ou seminarista ou freira)

Ainda falando sobre o tema deve-se falar sobre como funciona para ser padre e o que é o sacramento da Ordem (isso claro se os convidados não tiverem feito)

Importante que neste encontro as dúvidas sejam tiradas e seja num encontro mais descontraído. Se o pároco da comunidade for o convidado é muito interessante se ele puder contar sua história.

No quinto momento podemos fazer uma dinâmica de missão que é bem simples:

  1. Providenciar tiras de papel e canetas
  2. Cada um pega um papel e uma caneta e escreve sua intenções de oração para a semana
  3. Depois todos rezam juntos um Creio
  4. Troca-se os papéis e as pessoas tem a missão de rezar pelo outro durante a semana

No próximo momento podemos cantar a música Lindo Céu – Adriana Arydes e como oração final sugiro um Salve Rainha

Salve Rainha

Salve, Rainha,

Mãe misericordiosa,

vida, doçura e esperança nossa, salve!

A vós bradamos os degregados filhos de Eva.

A vós suspiramos, gemendo e chorando

neste vale de lágrimas.

Eias pois, advogada nossa,

esses vossos olhos misericordiosos a nós volvei,

e depois deste desterro mostrai-nos Jesus,

bendito fruto de vosso ventre,

ó clemente,

ó piedosa,

ó doce sempre Virgem Maria.

Rogais por nós Santa Mãe de Deus.

Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

Amém.

Aprofundamento para o catequista

Cada pessoa nasce com um dom especial. Muitas pessoas acabam sendo chamadas para o serviço da igreja e por isso acabam recebendo o Sacramento da Ordem. A ordem é o sacramento graças o qual a missão confiada por Cristo aos Seus apóstolos continua a ser exercida na Igreja até o fim dos tempos. Nela, quem é ordenado recebe o dom do Espírito Santo, concedido por Cristo pelo bispo e que lhe dá autoridade sagrada. Nele, o sacerdote continua sobre a terra a obra redentora de Cristo, afirma São João Maria Vianney.

O ministério conferido pelo sacramento da Ordem consiste num outro tipo de participação na missão de Cristo, ou seja, no serviço em nome e na pessoa de Cristo no meio da comunidade. Além disso, o sacerdócio ministerial confere um poder sagrado para esse serviço dos fiéis. Esse serviço consiste no ensino, no culto divino e no governo pastoral.
No serviço eclesial do ministro ordenado, é o próprio Cristo que está presente à sua Igreja enquanto Cabeça de seu Corpo, Pastor de seu rebanho, Sumo Sacerdote do sacrifício redentor, Mestre da Verdade. A Igreja expressa isso dizendo que o sacerdote, em virtude do sacramento da Ordem, age “In persona Christi Capitis”, ou seja, na pessoa de Cristo-Cabeça.

formacao_o-sacramento-da-ordem.jpg

Por que é chamado sacramento da ordem?

Chama-se ordem este sacramento, pois indica um corpo eclesial, do qual se passa a fazer parte, mediante uma especial consagração (ordenação), que, por um particular dom do Espírito Santo, permite exercer um poder sagrado em nome de Cristo e com a autoridade d’Ele, para o serviço do povo de Deus. Compõe-se de três graus, que são insubstituíveis para a estrutura orgânica da Igreja: o episcopado, o presbiterado e o diaconato.

Os sacerdotes na Antiga Aliança encararam a sua missão como uma mediação entre o celeste e o terreno, entre Deus e o Seu povo. Sendo Cristo o único mediador entre Deus e a humanidade (cf. I Tm 2,5), Ele aperfeiçoou e concluiu esse sacerdócio. Depois de Cristo, o sacerdócio só pode existir em Cristo, na imolação d’Ele na cruz e por Seu chamamento e  envio apostólico.

O efeito da ordenação episcopal confere a plenitude do sacramento da ordem, faz do bispo o legítimo sucessor dos apóstolos, confere-lhe a missão de ensinar, santificar e governar. O ministério do bispo é, no fundo, o ministério pastoral da Igreja, porque remonta às testemunhas de Jesus. (Texto Formação Canção Nova)

O bispo é o único que pode tornar o leigo um diácono, sacerdote ou outro bispo. Para que isso aconteça e seja válido, o bispo ordenante deve ter sido validamente ordenado, isto é, que esteja na linha da sucessão apostólica, e em comunhão com a Igreja toda, principalmente com o Sumo Pontífice (o Papa).

Os padres somente podem exercer seu ministério na dependência do bispo e em comunhão com ele. Já para a legítima ordenação de um Bispo, é hoje exigida uma especial intervenção do Bispo de Roma (o Papa), por causa de sua qualidade de vínculo visível supremo da comunhão das Igrejas particulares (as dioceses) na única Igreja e garantia da sua liberdade.
A ordenação de mulheres não é possível porque o Senhor Jesus escolheu homens para formar o colégio dos doze Apóstolos, e os apóstolos fizeram o mesmo quando escolheram os colaboradores que seriam seus sucessores na missão. O colégio dos bispos, ao qual os presbíteros estão unidos no sacerdócio, torna presente e atualiza, até o retorno de Cristo, o colégio dos doze. A Igreja se reconhece ligada a essa escolha do próprio Senhor.

O sacramento da Ordem é concedido uma vez por todas, ou seja, não pode ser repetido, pois confere um caráter espiritual indelével, ou seja, para sempre. Assim, um padre que deixe o ministério para casar-se, por exemplo, continua sendo padre. Se ficar viúvo e quiser voltar a exercer o ministério, não precisa ser ordenado novamente, bastando seguir as orientações da Igreja a esse respeito.

Por falar nisso, é bom lembrar que na Igreja de rito latino somente o diácono pode ser casado; o bispo e o padre devem ser solteiros ou, em alguns casos, viúvos. Entretanto, se o diácono permanente casado ficar viúvo, não poderá mais se casar. Há ainda a possibilidade de um diácono permanente se tornar padre. Caso ele fique viúvo, sua família (no caso filhos e netos) aceitem e o bispo também aceite o pedido. Na Arquidiocese de Campinas o Padre Jamil Cury Sawaya, era um diácono permanente que se tornou viúvo e optou por se tornar padre com a anuência do Arcebispo  Dom Aírton José dos Santos em 2016. Mas é um fato até raro.

O padre

Muitas pessoas acham que o padre só atua nas missas, mas não é verdade. Muitos padres (a maioria na verdade) além de cuidarem da Paróquia onde atuam, e vale lembrar que existem paróquias com 10 comunidades, são professores, coordenam Pastorais a nível de Diocese como a Pastoral Carcerária, Pastoral da Juventude, etc. Também atuam na Forania  ( que a grosso modo é a reunião das paróquias de determinada região ), outros trabalham com a Pascom  (Pastoral da Comunicação ) da Arquidiocese, escrevem livros, visitam hospitais, organizam retiros e sempre estão estudando. Sem esquecer que vão nos cemitérios visitar as famílias enlutadas junto com a Pastoral das Exéquias.

As freiras também realizam um trabalho muito importante de acolhida de fiéis, de docência, cuidam de crianças, idosos, escrevem livros, atuam junto às comunidades  e muitas outras coisas.

A Igreja Católica ainda não admite que mulheres sejam ordenadas como presbíteras . Em novembro de 2016 o Papa Francisco meio que jogou um balde de  água fria em muitas pessoas ao afirmar que a proibição de mulheres se tornarem padres será para sempre. Segundo o Papa foi o Papa João Paulo II quem deu a palavra final dizendo que Jesus escolheu somente homens como apóstolos. Complicado opinar já que é a palavra do papa

 

Papa

Papa Francisco

Declaração do Papa Francisco

Formação dos Padres

O padre tem que estudar 8 anos. Faz faculdade de Filosofia por 4 anos e depois 4 anos de Teologia. Mas a formação total demora até 9 anos pois neste meio tempo é comum o seminarista passar por um ano sabático, para ver se realmente a sua vocação é ser padre. O chamado seminarista reside num seminário da ordem sacerdotal que escolheu ou foi acolhido. O seminário é uma casa onde o seminarista vive e também estuda um pouco mais, também pratica a leitura da Bíblia e as orações.  Quem paga toda a formação do seminarista é a ordem sacerdotal ou a diocese que fará parte.

Depois de formado o seminarista vira diácono, depois padre e assim por diante.

Artigo 6 – Sacramento da Ordem

Transcrição CIC 1590-1600

1590. São Paulo ao seu discípulo Timóteo: «Exorto-te a que reavives o dom que Deus depositou em ti, pela imposição das minhas mãos» (2 Tm 1, 6), e «aquele que aspira ao lugar de bispo, aspira a uma nobre função» (1 Tm 3, 1). A Tito, o mesmo Apóstolo dizia: «Se te deixei em Creta, foi para acabares de organizar o que faltava e estabelecer anciãos em cada cidade, como te havia ordenado» (Tt 1, 5).

1591. A Igreja é, na sua totalidade, um povo sacerdotal. Graças ao Batismo, todos os fiéis participam no sacerdócio de Cristo. Esta participação chama-se «sacerdócio comum dos fiéis». Na base deste sacerdócio e ao seu serviço, existe uma outra participação na missão de Cristo: a do ministério conferido pelo sacramento da Ordem, cuja missão é servir em nome e na pessoa de Cristo-Cabeça no meio da comunidade.

1592. O sacerdócio ministerial difere essencialmente do sacerdócio comum dos fiéis, porque confere um poder sagrado para o serviço dos mesmos fiéis. Os ministros ordenados exercem o seu serviço junto do povo de Deus pelo ensino (munus docendi), pelo culto divino (munus-liturgicum) e pelo governo pastoral (munus regendi).

1593. Desde as origens, o ministério ordenado fui conferido e exercido em três graus: o dos bispos, o dos presbíteros e o dos diáconos. Os ministérios conferidos pela ordenação são insubstituíveis na estrutura orgânica da Igreja: sem bispo, presbíteros e diáconos, não pode falar-se de Igreja.

1594. O bispo recebe a plenitude do sacramento da Ordem que o insere no colégio episcopal e faz dele o chefe visível da Igreja particular que lhe é confiada. Os bispos, enquanto sucessores dos Apóstolos e membros do Colégio, têm parte na responsabilidade apostólica e na missão de toda a Igreja, sob a autoridade do Papa, sucessor de São Pedro.

1595. Os presbíteros estão unidos aos bispos na dignidade sacerdotal e, ao mesmo tempo, dependem deles no exercício das suas funções pastorais; são chamados a ser os cooperadores providentes dos bispos; formam, d volta do seu bispo, o presbitério, que assume com ele a responsabilidade da Igreja particular: Os presbíteros recebem do bispo o encargo duma comunidade paroquial ou duma função eclesial determinada.

1596. Os diáconos são ministros ordenados para as tarefas de serviço da Igreja; não recebem o sacerdócio ministerial, mas a ordenação confere-lhes funções importantes no ministério da Palavra, culto divino, governo pastoral e serviço da caridade, encargos que eles devem desempenhar sob a autoridade pastoral do seu bispo.

1597. O sacramento da Ordem é conferido pela imposição das mãos, seguida duma solene oração consecratória, que pede a Deus para o ordinando as graças do Espírito Santo, requeridas para o seu ministério. A ordenação imprime um carácter sacramental indelével.

1598. A Igreja confere o sacramento da Ordem somente a homens (viris) baptizados, cujas aptidões para o exercício do ministério tenham sido devidamente reconhecidas. Compete à autoridade da Igreja a responsabilidade e o direito de chamar alguém para receber a Ordem.

1599. Na Igreja latina, o sacramento da Ordem para o presbiterado, normalmente, apenas é conferido a candidatos decididos a abraçar livremente o celibato e que manifestem publicamente a sua vontade de o guardar por amor do Reino de Deus e do serviço dos homens.

1600. Pertence aos bispos o direito de conferir o sacramento da Ordem nos seus três graus.

Uma boa fonte de estudos sobre o assunto é ver os vídeos em que o Professor Felipe Aquino fala sobre o sacramento da ordem (clique aqui e veja)

 

Escute as músicas sugeridas:

medium_volume1600

 

Só em Deus – Maria do Rosário

Lindo Céu – Adriana Arydes

25º Encontro (Catequese) – Matrimônio

Série: Animo, uma nova Catequese (Encontro 25/40)

folhadeencontromod.3-11

Sugestão de Folha de encontro

Sacramentos: Matrimônio

Vigésimo quinto encontro da nossa vivência na fé da nossa catequese. Continuamos falando dos sacramentos e desta vez o tema é o Sacramento do Matrimônio. Uma das sugestões é que este encontro tenha a participação de casais do Grupo de Encontro de Casais ou da pastoral do curso de noivos, ou ainda casais que tenham uma participação na comunidade com experiência (bastante tempo casados na igreja). O ideal seria mesclar casais novos e mais antigos (em tempo de matrimônio), para que o testemunho destas pessoas seja mais elucidativo do que o simples falar do sacramento, abrindo sempre para a troca de experiências.

Considero este tema um dos mais leves para se falar, sem deixar de considerar a sua importância.

Outra sugestão é que seja feito um café da manhã (leite, pão, café, margarina, presunto, mussarela).

Para iniciar sugiro que se recebam os catequizandos sobre o som da Marcha Nupcial apenas para dar um toque mais leve ao encontro.

Como oração inicial sugiro o Vinde Espírito Santo é como canto inicial Que bom que você chegou (Bruna Karla).

Caso haja convidados deve-se sempre apresentar cada um.

Como outro momento podemos perguntar a cada um o que eles acham que é o amor? (Se for o caso eles podem resumir em uma palavra)

Falar sobre o sacramento, importância como um dos sacramentos do serviço e regras para o recebimento (ver aprofundamento para o catequista)

Antes da palestra dos convidados pode-se tocar uma música, sugiro Primeiro Olhar – Anjos de Resgate

Depois os convidados podem falar sobre suas experiências de casados: como chegaram à decisão de se casar, se foi planejado ou não, e como é conviver com o outro no dia a dia. Uma conversa franca, que mostre tanto o lado bom como o lado mais difícil é a melhor forma, sem criar fantasias desnecessárias.

Como momento final pode cantar a música Laços de Amor –  Mensagem Brasil e na oração final revemos uma Ave Maria e um Pai Nosso.

Aprofundamento para o catequista

images (1)

 

O sacramento do Matrimônio junto com o sacramento da Ordem são os chamados Sacramentos do Serviço da Comunhão.

Comunhão vem de comum-união e o sacramento do matrimônio é basicamente isso, viver em comum união com o conjugue.

É acima de tudo no sacramento da família.

Para exemplificar a Bíblia abre logo no Gênesis com a criação de uma família, formada por Adão e Eva e logo depois por seus filhos e fecha com a visão das “núpcias do Cordeiro”(Ap 19).

Em todas as culturas existem a união, o casamento entre um homem e uma mulher. Ver CIC 1604-1605

É em Gênesis 2,18 que está a frase utilizada até hoje nas celebrações do Sacramento do Matrimônio, no momento da cerimônia de entrega do sacramento (chamado de Casamento) fala-se sempre que : “Por isso um homem deixará seu pai e sua mãe,  se une a sua mulher  e eles se tornam uma só carne. “ É uma missão e orientação.

Um dos primeiros grandes feitos de Jesus está justamente no milagre do casamento em Caná na Galileia (Bodas de Caná) onde Jesus orientado por sua mãe transforma água em vinho, mostrando que pode sempre estar ali para auxiliar os casais que creem em Deus.

No Código de Direito Canônico (CDC) cânon 1063 artigo 1 diz: “Pela pregação, pela catequese apropriada aos menores, aos jovens e adultos, mesmo pelo uso dos meios de comunicação social, com que sejam os fiéis instruídos sobre o sentido do matrimônio e o papel dos cônjuges e pais cristãos. “ Então é missão do padre e também das pastorais ajudar neste esclarecimento, apesar de que quando o código foi escrito não existir este meio de divulgação  (neste caso do blog) a orientação se encaixa por se tratar de um meio de comunicação social.

Cerimônia

0151Ricardo-Cintra-Fotografia__RIC0443

A cerimônia onde se é celebrado o Sacramento do Matrimônio é cheia de tradição e em cada cultura tem seus próprios atos.

Porém toda a cerimônia segue o que diz o Missal Romano e em todos os lugares são ditas as mesmas palavras e orações. As regras também são as mesmas em todas as Igrejas Católicas Apostólicas Romanas.

Uma das tradições é a noiva usar branco simbolizando pureza (antes também simbolizava a virgindade). Existe também o simbolo mais tradicional ainda, que são as alianças simbolizando que cada casal tem um compromisso e fez uma aliança com o outro, aliança está que não deve ser quebrada e o arco (da aliança) mostra isso. O buquê é um adorno apenas que com o tempo se tornou tradicional já que acaba sendo jogado (numa superstição) na festa para as “solteiras”. Os padrinhos e os pais em volta do altar não são meros enfeites são as testemunhas do enlace matrimonial, é pelo menos dois casais de cada lado tem que assinar o registro como testemunhas.

Regras para a concessão do Sacramento:

  1. Deve-se procurar a secretaria da paróquia e ver a data para o casamento, isso com antecedência e antes de marcar a data no cartório (muitos fazem o contrário e acabam com um problema). Importante procurar a igreja antes por uma questão de agenda do padre e da própria igreja.
  2. Entra-se com a documentação necessária com bastante antecedência (é necessário que se tenha recebido os sacramentos da iniciação cristã para poder solicitar o sacramento do matrimônio). Um dos documentos mais importantes é o que atesta que a pessoa foi batizada e este documento, chamado batistério tem que ter no máximo 6 meses da data que foi solicitado. Explicando: quando a pessoa pede o sacramento do matrimônio é necessário que seja solicitado junto a igreja em que foi batizada um batistério atualizado com no máximo 6 meses antes do pedido do sacramento. Cada um dos pretendentes deve entregar o seu. Caso A pessoa esteja longe do local onde foi batizada e não tenha como buscar este documento pode se pedir auxílio para a secretaria da igreja aonde irá se casar. O batistério atualizado serve para confirmar se nenhum dos pretendentes está casado na igreja
  3. A secretaria da igreja lança um documento chamado Proclamas, que consiste em se tornar público a intenção de cada um do casal em contrair o matrimônio na igreja, este informe é colocado em local visível na comunidade por pelo menos 1 mês, é ser anunciado durante as missas. Os Proclamas servem também para que as pessoas da comunidade possam informar caso saibam que alguns dos pretendentes não sejam realmente livres (solteiro, viúvo) e vivam outra relação fora da que pretende contrair oficialmente. Vale dizer que o cartório onde é feito a entrada para os papéis do casamento também lança um Edital de Proclamas
  4. Neste ínterim deve-se fazer o que chamamos de Curso de Noivos
  5. Depois de tudo isso: casamento agendado, autorização liberada, curso completado, é feita uma entrevista com o padre. Cada um dos pretendentes faz esta entrevista
  6. Realiza-se a cerimônia (detalhe apenas será realizada com a Certidão Civil de Casamento efetivada no cartório antes da cerimônia religiosa) Vale lembrar que é possível realizar ambas as cerimônias ao mesmo tempo, desde que o Juiz de Paz vá até a igreja e faça o casamento Civil durante a celebração religiosa, claro que isto tem um custo maior para o casal.
  7. Após a cerimônia são enviadas cópias da Certidão de Casamento Religioso para as igrejas onde cada um dos cônjuges foi batizada para averbação, além do registro no Sistema Digital da Igreja e no livro do Matrimônio da Paróquia onde foi realizado o casamento.

(Agradecimento especial pela consultoria realizada à Fabiana Aparecida, secretária da Paróquia Sagrado Coração de Jesus, Sumaré, SP).

CDC (Código de Direito Canônico) 1055-1057

1055 – § 1. A aliança matrimonial, pela qual um homem e uma mulher constituem entre si uma parceria de toda a vida, por sua natureza ordenada para o bem dos cônjuges e à geração e educação dos filhos, entre os batizados, foi elevado por Cristo Senhor à dignidade de sacramento .

§2º. Portanto, entre os batizados não pode ser um contrato de casamento válido, é por isso mesmo sacramento.

Pode. 1056 – As propriedades essenciais do matrimônio são a unidade e indissolubilidade, que no matrimônio cristão obter uma firmeza especial em razão do sacramento.

Pode. 1057 – § 1. O ato que constitui o casamento é o consentimento das partes, legitimamente manifestado entre pessoas juridicamente capazes; não podem ser fornecidos por qualquer poder humano.

§2º. consentimento matrimonial é um ato de vontade pelo qual um homem e uma mulher, por aliança irrevogável, se entregam e aceitar-se a estabelecer o casamento.

Sacramento-do-Matrimonio-Casamento-Caminho-Sagrado

Lembrando:

  • Viúvos podem casar novamente na igreja
  • A antiga frase: “Se alguém souber de algo que impeça a realização deste matrimônio fale agora ou cale-se para sempre.” Está em desuso ultimamente visto que o Proclamas e a verificação anterior da situação de cada conjugue. Porém alguns padres ainda a usam, mais pela tradição.
  • O casamento é indissolúvel. O que Deus uniu o homem não separa, por isso mesmo é importante se ter a certeza do desejo, da coragem e de toda a responsabilidade para se receber este sacramento
  • Casamento pode ser dissolvido em casos de descoberta de algo que impeça a consumação do matrimônio é que foi deliberadamente escondido de um dos cônjuges (uma doença grave, por exemplo). Também em casos de descoberta de uma relação oculta em curso (um dos cônjuges ter uma esposa (o) e está relação ser efetiva, mesmo sem ser oficializada no papel, É também crime pois bigamia no Brasil também está sujeito às penas da lei civil). E em casos que o casamento foi feito sobre ameaça. Em caso de não consumação do matrimônio (não ter tido ato sexual por vontade própria, ou seja, não querer ter relação com o cônjuge) Para isso é preciso mover um processo no Tribunal Eclesiástico. Ver CDC 1063-1165

Temos notado que muitas pessoas acabam se casando sem ter a verdadeira intenção de constituir família, e usando um chavão muito em uso: “Se não der certo, separa.” Para a igreja esta frase não existe pois se quer crer que quando duas pessoas decidem coabitar e optam por  receberem o sacramento do Matrimônio, estas pessoas sejam maduras o suficiente para ter ciência de todas as dificuldades da convivência a dois e de como é importante o diálogo, respeito e amor entre as partes para tudo. A missão da igreja não é apenas administrar o sacramento, mas sim servir de apoio em todas as horas, e cabe ao casal não esperar que tudo se acabe antes de se apegarem a Jesus e procurarem a igreja para se apoiarem.

images

Artigo 7: O Sacramento do Matrimônio

Transcrição CIC 1659-1666

1659. São Paulo diz: «Maridos, amai as vossas mulheres, como Cristo amou a Igreja […] É grande este mistério, que eu refiro a Cristo e à Igreja» (Ef 5, 25.32).

1660A aliança matrimonial, pela qual um homem e uma mulher constituem entre si uma comunidade íntima de vida e de amor; foi fundada e dotada das suas leis próprias pelo Criador: Pela sua natureza, ordena-se ao bem dos cônjuges, bem como à procriação e educação dos filhos. Entre os baptizados ,foi elevada por Cristo Senhor à dignidade de sacramento.

1661. O sacramento do Matrimônio significa a união de Cristo com a Igreja. Confere aos esposos a graça de se amarem com o amor com que Cristo amou a sua Igreja; a graça do sacramento aperfeiçoa assim o amor humano dos esposos, dá firmeza à sua unidade indissolúvel e santifica-os no caminho da vida eterna.

1662O Matrimônio assenta no consentimento dos contraentes, quer dizer; na vontade de se darem mútua e definitivamente, com o fim de viverem uma aliança de amor fiel e fecundo.

1663. Uma vez que o Matrimônio estabelece os cônjuges num estado público de vida na Igreja, é conveniente que a sua celebração seja pública, integrada numa celebração litúrgica, perante o sacerdote (ou testemunha qualificada da Igreja), as testemunhas e a assembleia dos fiéis.

1664A unidade, a indissolubilidade e a abertura à fecundidade são essenciais ao Matrimônio. A poligamia é incompatível com a unidade do Matrimônio; o divórcio separa o que Deus uniu; a recusa da fecundidade desvia a vida conjugal do seu «dom mais excelente», o filho.

1665O novo casamento dos divorciados, em vida do cônjuge legítimo, é contrário ao desígnio e à Lei de Deus ensinados por Cristo. Eles não ficam separados da Igreja, mas não têm acesso à comunhão eucarística. Viverão a sua vida cristã sobretudo educando os filhos na fé.

1666O lar cristão é o lugar onde os filhos recebem o primeiro anúncio da fé. É por isso que a casa de família se chama, com razão, «Igreja doméstica», comunidade de graça e de oração, escola de virtudes humanas e de caridade cristã.

 

captura-de-pantalla-2011-04-29-a-las-08-23-11

Ouça as músicas sugeridas:

Que bom que você chegou – Bruna Karla

Laços de Amor – Missão Mensagem Brasil

Primeiro Olhar – Anjos de Resgate

 

Leia também: