20º Encontro (Catequese) – Pecado

Série: Animo, uma nova Catequese (Encontro 20/40)

setepecadoscapitaisdidesomnium

Vigésimo encontro. Metade do nosso cronograma sugerido. Hora de falar sobre pecado. Ponto de discussão hoje em dia, se existe ou não pecado ou tudo pode ser liberado.
Neste encontro vamos falar um pouco sobre pecado, os sete pecados capitais e algumas curiosidades com o número 7.
Como sugestão de inicio do encontro poderíamos fazer nossa oração inicial cantando a música Pai Nosso – Padre Marcelo Rossi que serve muito para fazermos uma abertura mais leve.
Uma sugestão é começar com uma dinâmica simples, pedir um catequizando escreva numa cartolina deixada no chão (vai ser preciso providenciar uma cartolina ou duas e canetões) todas as coisas que os outros catequizandos forem citando que eles consideram erradas. Depois deixar ali para falar um pouco mais adiante.
Falar sobre o número 7 e quantas coisas tem este número que é considerado o número da perfeição:

Falar sobre o que são os Sete Pecados Capitais e explicar que cada um tem sim uma influência na vida de cada pessoa, mas é uma influência que ataca pessoalmente cada pessoa. Avaliar com eles sobre cada uma das coisas escritas na cartolina durante a dinâmica e perguntar se eles consideram ou não pecado.

Lembrar dos 10 mandamentos:

  • 1º – Adorar a Deus e amá-lo sobre todas as coisas.
  • 2º – Não usar o Santo Nome de Deus em vão.
  • 3º – Santificar os Domingos e festas de guarda.
  • 4º – Honrar pai e mãe (e os outros legítimos superiores).
  • 5º – Não matar (nem causar outro dano, no corpo ou na alma, a si mesmo ou ao próximo)
  • 6º – Guardar castidade nas palavras e nas obras.
  • 7º – Não furtar (nem injustamente reter ou danificar os bens do próximo).
  • 8º – Não levantar falsos testemunhos (nem de qualquer outro modo faltar à verdade ou difamar o próximo)
  • 9º – Guardar castidade nos pensamentos e desejos.
  • 10º- Não cobiçar as coisas alheias

Lembrar também dos mandamentos de Jesus:

Amarás o Senhor teu Deus , de todo o teu coração, de toda a tua alma,
e de todo o teu entendimento!’ Esse é o maior e o primeiro mandamento.
O segundo é semelhante a esse:`Amarás ao teu próximo como a ti mesmo’. Mt 22, 34-40   (também em Mc 12, 29-33, Lc 10, 25-28Jo 13, 34)

Refletir sobre estes mandamentos e tudo o que implica a palavra pecado. O maior pecado é dizer não ao plano de Deus para cada um de nós, fechar-se em si mesmo ou abraçar as coisas mundanas (do mundo sem Jesus). Falando que hoje o mundo quer que pensemos no pecado como algo totalmente antiguado e sem cabimento, mas ele existe e junto dele sempre está o inimigo de Deus. Ou não é pecado cobiçar o(a) namorado(a) de outra pessoa? Não é pecado roubar? Matar? Não é pecado ficar se expondo na internet? Um católico(a) de verdade sabe cuidar do próprio corpo evitando drogas (seja qual for, até aquelas que se tomam em academias para desenvolver o corpo, até as bebidas alcoólicas e todas as outras), o corpo é o templo do espírito santo de Deus.

Importante é refletir sem um pré- julgamento ou acusações.

Dois textos bons para reflexões:

Lc 10, 25-37 –  Amar ao próximo (O Bom Samaritano)

Jo 8, 1-11 – Vá e não peques mais (A Mulher Adúltera)

Depois de tudo isso podemos fazer nosso canto final: Certeza do Céu – Comunidade Doce Mãe de Deus e a oração final

folhadeencontromod.3

Sugestão de folha para encontro

Aprofundamento para o catequista

“Tudo me é permitido”, mas nem tudo convém. “Tudo me é permitido”, mas eu não deixarei que nada domine. (1 Cor 6,12)

São Paulo deixa o ensinamento de que tudo é permitido, pois o próprio Deus dá o livre arbítrio a cada um, mas nem tudo convém, pois muitas coisas nos prejudicam ao invés de ajudarem

Um bom exemplo são os sete pecados capitais, que trazem itens permitidos a cada pessoa, porém sem parcimônia ou sem pensar antes de agir levam a destruição

1 – A Gula

Gula é o desejo insaciável, além do necessário, em geral por comida, bebida. Segundo tal visão, esse pecado também está relacionado ao egoísmo humano: querer ter sempre mais e mais, não se contentando com o que já tem, uma forma de cobiça. Ela seria controlada pelo uso da virtude da temperança. Do latim gula

2 – A Avareza

É o apego excessivo e descontrolado pelos bens materiais e pelo dinheiro, priorizando-os e deixando Deus em segundo plano. É considerado o pecado mais tolo por se firmar em possibilidades. Na concepção cristã, a avareza é considerada um dos sete pecados capitais, pois o avarento prefere os bens materiais ao convívio com Deus. Neste sentido, o pecado da avareza conduz à idolatria, que significa tratar algo, que não é Deus, como se fosse deus.

3 – A Luxúria

A luxúria (do latim luxuriae) é o desejo passional e egoísta por todo o prazer sensual e material. Também pode ser entendido em seu sentido original: “deixar-se dominar pelas paixões”. Consiste no apego aos prazeres carnais, corrupção de costumes; sexualidade extrema, lascívia e sensualidade. Do latim luxuria

4 – A Ira

A Ira é o intenso e descontrolado sentimento de raiva, ódio, rancor que pode ou não gerar sentimento de vingança. É um sentimento mental que conflita o agente causador da ira e o irado.

A ira torna a pessoa furiosa e descontrolada com o desejo de destruir aquilo que provocou sua ira, que é algo que provoca a pessoa. A ira não atenta apenas contra os outros, mas pode voltar-se contra aquele que deixa o ódio plantar sementes em seu coração. Seguindo esta linha de raciocínio, o castigo e a execução do causador pertencem a Deus. Do latim ira

5 – A Inveja

A inveja é considerada pecado porque uma pessoa invejosa ignora suas próprias bênçãos e prioriza o status de outra pessoa no lugar do próprio crescimento espiritual. É o desejo exagerado por posses, status, habilidades e tudo que outra pessoa tem e consegue. O invejoso ignora tudo o que é e possui para cobiçar o que é do próximo.

A inveja é freqüentemente confundida com o pecado capital da Avareza, um desejo por riqueza material, a qual pode ou não pertencer a outros. A inveja na forma de ciúme é proibida nos Dez Mandamentos da Bíblia. Do latim invidia, que quer dizer olhar com malícia.

6 – A Preguiça

A Igreja Católica apresenta a preguiça como um dos sete pecados capitais, caracterizado pela pessoa que vive em estado de falta de capricho, de esmero, de empenho, em negligência, desleixo, morosidade, lentidão e moleza, de causa orgânica ou psíquica, que a leva à inatividade acentuada. Aversão ao trabalho, frequentemente associada ao ócio, vadiagem. Do latim prigritia

7 – Soberba (Orgulho ou Vaidade)

Conhecida como soberba, é associada à orgulho excessivo, arrogância e vaidade.

Em paralelo, segundo o filósofo Santo Tomás de Aquino, a soberba era um pecado tão grandioso que era fora de série, devendo ser tratado em separado do resto e merecendo uma atenção especial. Aquino tratava em separado a questão da vaidade, como sendo também um pecado, mas a Igreja Católica decidiu unir a vaidade à soberba, acreditando que neles havia um mesmo componente de vanglória, devendo ser então estudados e tratados conjuntamente. Do latim superbia, vanitas.

O 7 na Bíblia

A semana tem 7 dias, o que tem um significado muito importante, pois quando se chega ao sétimo dia, voltamos ao primeiro e todas as vezes que o sete se “manifesta” indica o fim de um tempo e o início de outro. É como o virar de uma página.

Deus fez o Mundo em 7 dias…
E, havendo Deus terminado no dia sétimo a sua obra, que fizera, descansou nesse dia de toda a sua obra que tinha feito. Gn 2,2

Os 7 anos de fartura e miséria sobre o Egito…
Eis aí vêm sete anos de grande abundância por toda a terra do Egito.
Seguir-se-ão sete anos de fome, e toda aquela abundância será esquecida na terra do Egito, e a fome consumirá a terra; Gn 41,29-30

O Candelabro de Ouro tem 7 hastes…O Candelabro de Ouro tem 7 hastes…
e eis um candelabro todo de ouro e um vaso de azeite em cima com as suas sete lâmpadas e sete tubos, um para cada uma das lâmpadas que estão em cima do candelabro. Zc 4,2

São 7 as manifestações do Espírito de Deus…
Repousará sobre ele o Espírito do SENHOR, o Espírito de sabedoria e de entendimento, o Espírito de conselho e de fortaleza, o Espírito de conhecimento e de temor do SENHOR.  Is 11,2

Sete voltas e as muralhas caíram. Sete sacerdotes levarão cada um uma trombeta de chifre de carneiro à frente da arca. No sétimo dia, marchem todos sete vezes ao redor da cidade, e os sacerdotes toquem as trombetas Js 6,1-5

O profeta Elias fez 7 orações para que chovesse…
À sétima vez disse: Eis que se levanta do mar uma nuvem pequena como a palma da mão do homem. Então, disse ele: Sobe e dize a Acabe: Aparelha o teu carro e desce, para que a chuva não te detenha…Dentro em pouco, os céus se enegreceram, com nuvens e vento, e caiu grande chuva. 1 Rs 18,44-45

O profeta Eliseu pediu para Naamã mergulhar 7 vezes no Rio Jordão…
Então, Eliseu lhe mandou um mensageiro, dizendo: Vai, lava-te sete vezes no Jordão, e a tua carne será restaurada, e ficarás limpo. 2 Rs 5, 10

O segundo boi, de 7 anos, que Deus pediu a Gideão…
Naquela mesma noite, lhe disse o SENHOR: Toma um boi que pertence a teu pai, a saber, o segundo boi de sete anos, e derriba o altar de Baal que é de teu pai, e corta o poste-ídolo que está junto ao altar. Jz 6, 25

Perdoar 70 vezes 7  Esse foi o ensinamento deixado por Jesus. Mt 18, 21-22

As muralhas de Jericó foram rodeadas por sete dias…
Pela fé, ruíram as muralhas de Jericó, depois de rodeadas por sete dias. Hb 11,30

As 7 Taças e os 7 anjos
Ide e derramai pela terra as sete taças da cólera de Deus.
Ouvi, vinda do santuário, uma grande voz, dizendo aos sete anjos. Ap 16,1

As 7 Igrejas…
Quanto ao mistério das sete estrelas que viste na minha mão direita e aos sete candeeiros de ouro, as sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete candeeiros são as sete igrejas. Ap 1,20

Fontes pesquisadas:

  • Bíblia de Jerusalém
  • Catecismo da Igreja Católica
  • Católico Orante
  • Wikipedia

Mais sobre o assunto no Complemento para Estudo nº 12 aqui do blog

6º Encontro (Catequese)- Moisés [Parte 2]

Série : Animo, uma nova catequese (Encontro -6/40)
folha-modelo-base-jpg5

Sugestão de folha de encontro

É  nosso sexto encontro, e continuaremos a contar a história de Moisés e toda a longa caminhada até a terra prometida. Foram 40 anos no deserto até que Deus manda seus 10 mandamentos e que será a sua lei até a chegada de Jesus Cristo que nos dará um novo mandamento. O povo nem sempre se manteve fiel a palavra de Deus e por muitas vezes duvidou que estaria no caminho certo. Enquanto o povo duvidava de Moisés (mesmo tendo visto todos os prodígios realizados antes da sua fuga do Egito) não tinha ideia de que esta dúvida era a mesma coisa de não acreditar em Deus.

Para iniciar sugerimos sempre uma oração que pode ser o Pai Nosso e uma Ave Maria

Como canto sugiro um clássico da música católica O Povo de Deus do Padre Zezinho que traduz bem nosso assunto de hoje.

Como terceiro momento sugiro que seja distribuído novamente algumas folhas de papel, onde cada um possa escrever seu nome e uma intenção de oração. Cada um deposita estas folhas dobradas no centro da sala (próximo a decoração que se for feita com uma Bíblia e uma vela devem ser colocadas próximas)

Nosso tema: Os 10 mandamentos. Falar sobre os 40 anos no deserto e de como muitas vezes o povo foi infiel e temeroso, falar do recebimento dos 10 mandamentos e de como Moisés não entrou na terra prometida (veja o Aprofundamento ao Catequista no final do post)

Divisão de Grupos: Dependendo do número de participantes do encontro podemos dividir em 5 grupos. Preparar antes cartões com cada um dos mandamentos e dar (misturados) 2 cartões para cada grupo, o objetivo é cada grupo discutir o sentido destes mandamentos e depois apresentar para os demais.Os catequistas devem ser o apoio de cada grupo, caso haja possibilidade é recomendável que se tenha 1 catequista por grupo

Depois podemos sugerir que cada um pegue um dos papéis escritos no começo do encontro (tomando cuidado para não pegarem os próprios papéis) e eles serão o guia para suas orações durante a semana toda, tanto a intenção como o nome da pessoa escrita.

Rezemos como oração final o Vinde Espírito Santo e cantemos novamente O Povo de Deus

decalogo-quadro

Os 10 mandamentos em todas as suas versões

Aprofundamento para o catequista

Moisés demorou 40 anos para atravessar o deserto do Sinai com os israelitas, que fugiam da escravidão no Egito. Ele morreu pouco antes de entrar no seu destino, a Terra Prometida.

Acontece que o Sinai ocupa uma península de apenas 200 quilômetros de largura. A estrada que liga o norte do Egito à Palestina pode ser percorrida em duas horas de carro. Dá para ir e voltar no mesmo dia. Por que então a epopeia de Moisés se estendeu por tanto tempo?

A explicação contida na Bíblia e na Torá judaica é a de que os israelitas tiveram de vagar esse tempo todo como punição. Deus ficou bravo porque alguns murmuravam contra ele e decidiu que todos ali, com raras exceções, deveriam morrer antes de entrar na Terra Prometida. Só seus filhos poderiam fazê-lo

O povo hebreu assim que passou pelo Mar Vermelho aberto por Deus. Enfrentou o deserto na longa caminhada. Poucos dias depois eles não encontravam água para beber e já começaram a reclamar de Moisés e este clamando a Deus recebeu a graça de encontrarem um lugar onde tinha água potável.

Depois veio a fome e novamente o povo se revoltava contra Moisés e este disse que esta revolta não era contra ele e sim contra o próprio Deus. Mais uma vez clamando, foi dado o Maná (uma espécie de farinha para fabricar o pão), mas esta graça só poderia ser colhida logo pela manhã e na quantidade necessária para que as pessoas pudessem comer. Uma das orientações era para que fosse colhido o maná pela manhã durante seis dias porque no sétimo eles deveriam honrar a Deus. No sexto dia a quantidade colhida poderia ser o dobro para que no sábado eles não precisassem recolher. Mas para isso tudo que fosse colhido no sexto dia deveria ser preparado no mesmo dia para que no sétimo ninguém trabalhasse e prestassem cultos a Deus. Muitos tentaram recolher mais do que o permitido e guardarem, mas logo depois do meio-dia o que tivesse sido recolhido a mais estava podre. Também tiveram os que teimaram e foram procurar o maná no sábado e não encontravam, nada e como cada um recolhia apenas o suficiente ficavam sem comer. Muitos pereceram por esta teimosia.

Moisés ordenou que Aarão recolhesse a décima parte do maná e depositasse no altar, assim nascia o dízimo (de uma forma meio diferente, mas ainda assim eram os 10% reservados a Deus)

Conforme o tempo ia passando novas reclamações iam surgindo e todas as vezes o povo se revoltava contra Deus. Moisés intercedia e novas benesses surgiam.

Tiveram cordonizes, vitória sobre os inimigos, uma nuvem que acompanhava o povo durante o dia e os livrava do sol inclemente do deserto e uma coluna de fogo que além de aquece-los durante a noite (não devemos esquecer que no deserto a noite é gelada) ainda cercava toda a tribo contra os ataques de animais e inimigos.

Mas o povo infiel sempre entrava em dúvidas.

Moisés subiu ao Monte Sinai onde passou um longo tempo clamando a Deus e enquanto isso o povo infiel fez um bezerro de ouro e começou a prestar culto como um deus. Javé ficou irado e castigou o povo. Moisés clamou ainda mais e novamente foi chamado ao monte onde recebeu as tábuas (na verdade pedras) da lei (os chamados 10 mandamentos) e instruções claras de como o povo deveria agir. Moisés ao descer flagrou o povo novamente adorando um ídolo e revoltado quebrou as tábuas da lei. Foi feita uma Arca da Aliança para guardar as tábuas da lei (Ex 37, 1-9)

Mas Deus novamente convocou Moisés e este recebeu as novas tábuas e levou ao povo a nova lei.

Demorou um pouco, mas o povo foi sendo mais fiel. Então já as portas da terra prometida, Deus ordenou que Moisés encontrasse um novo líder entre o povo e ele escolheu Josué. Então Deus avisou Moisés que ele não iria entrar na terra prometida.

Moisés morre aos 120 anos (a.C. 1405) , após contemplar a terra de Canaã no alto do Monte Nebo, na Planície de Moabe (Dt 34, 5-7) , e  o Senhor “o sepultou num vale, na terra de Moabe, defronte de Bete-Peor”.

Os 10 mandamentos é a Lei transmita diretamente por Deus. quando Jesus veio ele deu-nos novos mandamentos, mas não cancelou os 10 primeiros.

10-mandamentos

Os mandamentos são chamados de Decálogo que significa “dez palavras” (Ex 34,28). Essas palavras resumem a Lei dada por Deus ao povo de Israel no contexto da Aliança, mediante Moisés.  Ao apresentar os mandamentos do amor de Deus (Os primeiros três) e do próximo (Os outros sete), traça para o povo eleito e para cada um de nós em particular o caminho de uma vida livre da escravidão. (CCIC 436 {CIC 2056-2057})*

Compreende-se o Decálogo à luz da Aliança, na qual Deus se revela, fazendo conhecer a sua vontade. Ao observar os mandamentos,  o povo exprime a própria pertença a Deus e responde com gratidão à iniciativa de amor dele. (CCIC 437 {CIC 2058-2053 2077})*

Os 10 mandamentos estão descritos em Ex 20, 2-17 e também em Dt 5, 6-21 (veja a imagem no inicio deste tópico) e eles são diferentes em algumas partes, em relação ao texto, a forma que utilizamos é chamada de “catequética” e são dogmas morais, além.

Quando o povo foi liberto do Egito e atravessou o Mar Vermelho, uma das irmãs de Moisés, de nome Mara (provavelmente a mesma que seguiu a cesta colocada no rio que acabou sendo achada pela filha do faraó com um Moisés ainda menino) entoou este canto:

  • CCIC – Compêndio do Catecismo da Igreja Católica

  • CIC – Catecismo da Igreja Católica