Pecado é dizer não a Deus

Animo, uma nova Catequese (Encontro 20/40 – Jesus Cristo – Complemento 12)

Já fiz algumas palestras, em retiros e na própria catequese abordando o tema do Pecado. Para isso fiz uma base de tópicos e à partir destes tópicos desenvolvo o tema. Aqui irei basear-me também nestes pontos e fazer um estudo sobre o Pecado, em várias de suas nuances.Vale ressaltar que toda esta palestra foi baseada apenas no Catecismo da Igreja Católica e na Bíblia S  agrada

deliverance_500

É importante logo de início lembrarmos que o tema do Pecado não é um tema antiquado e proibido de ser falado nas catequeses (principalmente de jovens e adultos), e sim um tema a ser esclarecido, pois estamos vivendo em uma sociedade dita moderna, que cada vez mais tem se distanciado do projeto de Deus em nome de uma suposta liberdade, que na verdade não existe já que o amor do Pai não é prisão e sim compromisso com o amor ao próximo. A sociedade hoje se isola e prefere os meios digitais para fazer tudo, nem mesmo o contato das missas alguns querem. Esta sociedade prega que a liberalidade do homem deve ser respeitada, onde cada um faz o que quer sem pensar nas consequências e assim vemos um mundo com um número cada vez maior de pessoas viciadas e de casos de extrema violência, e também de suicídios de jovens por desafios sem sentido, justamente porque não encontram um verdadeiro sentido na própria vida. Diante disso eu pergunto: Não existe pecado?

É necessário que se faça a pergunta:

O que é pecado para mim? Acredito nisso?

Só depois de se fazer esta pergunta é que poderemos partir para o assunto em si.

Pecar é negar-se ao amor de Deus

Se fosse para resumir numa frase simples o significado da palavra Pecado eu usaria uma frase que é também um capítulo do Livro do Catequista Fé, Vida e Comunidade: Pecado é dizer não a DeusEste “não” é puramente deixar de aceitar que Deus nos ama, que nos deixou seus mandamentos e que quer seu amor espalhado por cada um de nós no ato de amar a cada irmão e irmã, filhos de Deus.

Hoje muitas pessoas estão deixando de amar a Deus para servir a outros “deuses” como o dinheiro, as drogas, o sexo e até isolamento virtual. Tudo conspira para que as pessoas afastem-se de Deus. Até a confusão e propulsão de denominações religiosas que trabalham a seu favor e não a favor do plano de Jesus, confundindo as pessoas até que muitos se afastem da palavra de Deus e parem de acreditar no próprio Pai.

CIC 215 Pecado original

Todas as pessoas são feitas “à imagem e semelhança de Deus”(Gn 1,27). Porém a imagem e semelhança não significa igual, pois Deus é criador, onipotente e onipresente . Ele é “Aquele que é!”.

“Deus é grande demais para que possamos conhecer”(Jó 36,26) CIC 223

natoire_theexpulsionfromparadise1

O princípio do pecado e da queda do homem foi uma mentira do tentador, que o levou a duvidar da palavra de Deus, da sua benevolência e da sua fidelidade.” (CIC 215) O homem acabou querendo saber tudo o que só Deus sabe.

Isso fica exposto quando Eva tentada pela serpente (figura que representa o próprio Diabo tentando desviar o ser humano do caminho de Deus) come do fruto proibido e depois dá a Adão que come também e descobrem que cometeram um erro. Gn 3, 1-19

Assim, o Pai que deu tudo e pediu apenas uma prova de obediência, pedindo que de todo o jardim apenas o fruto do meio dele não fosse comido. Simples. É aqui que percebemos como é diferente o criador da criatura. O ser humano é falho e se deixou levar pelas palavras de Lúcifer na figura da serpente e a mulher come o fruto, oferece ao homem que também come e se descobrem nus, porque os olhos antes puros se abrem ante o Pecado cometido. Questionados por Deus, Adão culpa Eva e está culpa a serpente. Porém todos são culpados : a serpente por ter tentado a criação de Deus, a mulher por ter cedido a sedução da serpente e o homem por ter cedido ao pedido da mulher. É Deus acaba punindo a todos  (Gn 3), mesmo assim não condena a morte nenhum dos personagens. “Deus não fez a morte, nem tem prazer em destruir os viventes… Foi pela inveja do Diabo que a morte entrou no mundo.”(Sb 1,13;2,24)

Todos somos pecadores desde então, pois nascemos com o que ficou conhecido como Pecado Original, justamente o cometido por Adão e Eva, que fique bem claro que o pecado foi de ambos pois Eva foi tentada e cedeu e Adão sabendo da proibição de Deus também cedeu. Quando Adão e Eva cederam ao tentador, eles pecaram e transmitiram este pecado a toda a humanidade. Pois todos somos descendentes deles. ” Embora próprio de cada um, o pecado original não tem, em qualquer descendente de Adão, carácter de falta pessoal. É a privação da santidade e justiça originais, mas a natureza humana não se encontra totalmente corrompida: está ferida nas suas próprias forças naturais, sujeita à ignorância, ao sofrimento e ao império da morte, e inclinada ao pecado (inclinação para o mal, que se chama concupiscência). O Batismo, ao conferir a vida da graça de Cristo, apaga o pecado original e reorienta o homem para Deus, mas as consequências para a natureza, enfraquecida e inclinada para o mal, persistem no homem e convidam-no ao combate espiritual.”(CIC 405)

O homem tentado pelo Diabo deixou morrer em seu coração a confiança em seu criador e abusando de sua liberdade, desobedeceu as ordens de Deus. Todo pecado daí em diante será uma desobediência a Deus e uma falta de confiança em sua bondade. Resumindo CIC 396-412 

600-tentacao600

O filho de Deus vem ao mundo para dar testemunho da verdade Jo 18,37.

O CIC 217 nos traz: “Deus é igualmente verdadeiro quando Se revela: todo o ensinamento que vem de Deus é «doutrina de verdade» (Ml 2, 6). Quando Ele enviar o seu Filho ao mundo, será «para dar testemunho da verdade» (Jo 18, 37): «Sabemos […] que veio o Filho de Deus e nos deu entendimento para conhecermos o Verdadeiro» (1 Jo 5, 20)”

CIC 396-412 

O homem tentado pelo diabo deixou morrer em seu coração a confiança em seu criador e abusando de sua liberdade desobedeceu as ordens de Deus.

Todo pecado daí em diante será uma desobediência a Deus e uma falta de confiança em sua bondade.

Jesus vem a terra. É o filho de Deus, ou o próprio Deus feito homem. Experimenta todas as mazelas de ser humano e tentado pelo Diabo no deserto durante quarenta dias resiste e expulsa o ser maligno. Justifica assim sua missão de redimir nosso pecados pois ao contrário do primeiro homem criado por Deus, ele não cede.

imagem-0794-jesus-sendo-tentado-pelo-diabo

Jesus não cede a tentação

CIC 398, 491-495

Rm 5,12.19

Podemos notar que o Batismo é também o sacramento para a remissão dos pecados. Por isso as crianças são batizadas, mesmo sem ter cometido pecado pessoal. Infelizmente é a natureza do nascimento quem já faz com que cada criança já venha à luz com o pecado original. O Catecismo fala disso no item 403, e torna a citar no 509. Escrever 1263-1264 inteiros importante

C__Data_Users_DefApps_AppData_INTERNETEXPLORER_Temp_Saved Images_images(2)

CIC 403,509

CIC 404.510-512

Quando Adão e Eva cederam ao tentador, eles pecaram e transmitiram este pecado a toda a humanidade, pois todos somos descendentes deles. Esse é o cerne do chamado pecado original

CIC 405,1264 

Embora próprio de cada um, o pecado original não tem, em qualquer descendente de Adão, carácter de falta pessoal. É a privação da santidade e justiça originais, mas a natureza humana não se encontra totalmente corrompida: está ferida nas suas próprias forças naturais, sujeita à ignorância, ao sofrimento e ao império da morte, e inclinada ao pecado (inclinação para o mal, que se chama concupiscência). O Batismo, ao conferir a vida da graça de Cristo, apaga o pecado original e reorienta o homem para Deus, mas as consequências para a natureza, enfraquecida e inclinada para o mal, persistem no homem e convidam-no ao combate espiritual. No batizado permanecem, no entanto, certas consequências temporais do pecado, como os sofrimentos, a doença, a morte, ou as fragilidades inerentes à vida, como as fraquezas de carácter, etc., assim como uma inclinação para o pecado a que a Tradição chama concupiscência ou, metaforicamente, a «isca» ou «aguilhão» do pecado («fomes peccati»):«Deixada para os nossos combates, a concupiscência não pode fazer mal àqueles que, não consentindo nela, resistem corajosamente pela graça de Cristo. Bem pelo contrário, “aquele que tiver combatido segundo as regras será coroado” (2 Tm 2, 5)

A natureza do homem contém uma inclinação para o mal.

Mesmo após o pecado de Adão e Eva o seu criador continuou amando a sua criação e após a descendência deles nascer , seus filhos Caim e Abel foram os primeiros a nascer com o pecado original e está inclinação para o bem ou mal aparece em Caim que por inveja mata seu irmão Abel.

A prova que o pecado só traz o mal é que depois que Caim comete o assassinato ele virá um errante até encontrar uma mulher e se casar. Da descendência de Caim surgiram povos que se perderam e não reconheciam a Deus. Sodoma e Gomorra foram povoadas por descendentes de Caim, até que a terra inteira foi corrompida a ponto de Deus escolher o único homem justo chamado Noé e mandar o dilúvio para purificar e expurgar o pecado.

Mas é claro que a inclinação para o mal ainda persiste e todos nascem com o pecado original.

rosap_abel-cain

Caim mata Abel

CIC 407-408

O pecado é uma falta contra a razão, a verdade. É uma falta ao amor verdadeiro para com Deus e para com o próximo.

CIC 1849

O pecado – artigo 8

O Evangelho revela todo o amor de Deus para com cada ser humano pecador por natureza. Onde antes pecou Adão e Eva, o Pai manda Jesus e Maria para serem o oposto dos pecadores e trazerem a luz. “Onde abundou o pecado, superabundou a graça” –  assim lembra São Paulo em sua epístola aos Romanos. (Rm 5, 20)

CIC 1846-1876

O pecado capital é assim chamado pois gera outros pecados. São sete os pecados capitais:

  1. Orgulho
  2. Avareza
  3. Inveja
  4. Ira
  5. Gula
  6. Preguiça
  7. Impureza

CIC 499, 1865-1869

Pecado mortal

É um pecado de matéria grave. Exemplo: Matar

Requer pleno conhecimento e pleno consentimento do ato grave.

Desobedecer deliberadamente os 10 mandamentos.

Ou seja saber que está se cometendo um pecado grave e mesmo assim cometer.

A condenação seria a exclusão do reino de Deus e a morte eterna no inferno.

Porém com o arrependimento total e o perdão de Deus a alma pode ser salva. Lembrando que apenas e tão somente Deus conhece o que se passa no coração de cada pessoa. Arrepender-se apenas aparentemente não engana a Deus-Pai.

Isso não quer dizer que a pessoa está excluída de cumprir uma pena por qualquer crime na lei dos homens.

CIC 1854-1861

a2af8516277cbcbc42816544edfff5fe

Os Dez Mandamentos

1°) AMAR A DEUS SOBRE TODAS AS COISAS
2°) NÃO TOMAR SEU SANTO NOME EM VÃO
3°) GUARDAR DOMINGOS E FESTAS DE GUARDA
4°) HONRAR PAI E MÃE
5°) NÃO MATAR
6°) NÃO PECAR CONTRA A CASTIDADE
7°) NÃO ROUBAR
8°) NÃO LEVANTAR FALSO TESTEMUNHO
9°) NÃO DESEJAR A MULHER/HOMEM DO PRÓXIMO(A)
l0°) NÃO COBIÇAR AS COISAS ALHEIAS

Pecado venial

Quando se desobedece a lei moral em matéria grave, mas sem pleno conhecimento ou sem pleno consentimento.

CIC 1862-1864

Ofende a caridade.

O pecado venial é compatível de perdão e não quebra a aliança.

Ninguém pode condenar alguém que comete um pecado sem ter pleno conhecimento de que aquele ato é uma falta contra Deus.

Um exemplo: as tribos indígenas tem suas tradições e algumas coisas não são consideradas pecado na convivência da aldeia, eles não podem ser considerados pecadores mortais, mas por outro lado comete o que chamamos é pecado venial. Deus continua seu plano de amor a todos do mesmo jeito.

2Cor 13,13

O amor de Deus é eterno

CIC 218-221

DEUS É AMOR

218. No decorrer da sua história, Israel pôde descobrir que Deus só tinha uma razão para Se lhe ter revelado e o ter escolhido, de entre todos os povos, para ser o seu povo: o seu amor gratuito. E Israel compreendeu, graças aos seus profetas, que foi também por amor que Deus não deixou de o salvar e de lhe perdoar a sua infidelidade e os seus pecados.

219. O amor de Deus para com Israel é comparado ao amor dum pai para com o seu filho. Este amor é mais forte que o de uma mãe para com os seus filhos. Deus ama o seu povo, mais que um esposo a sua bem-amada; este amor vencerá mesmo as piores infidelidades; e chegará ao mais precioso de todos os dons: «Deus amou de tal maneira o mundo, que lhe entregou o seu Filho Único» (Jo 3, 16).

220. O amor de Deus é «eterno» (Is 54, 8): «Ainda que as montanhas se desloquem e vacilem as colinas, o meu amor não te abandonará» (Is 54, 10). «Amei-te com amor eterno: por isso, guardei o meu favor para contigo» (Jr 31, 3).

221. São João irá ainda mais longe, ao afirmar: «Deus é Amor» (1 Jo 4, 8, 16): a própria essência de Deus é Amor. Ao enviar, na plenitude dos tempos, o seu Filho único e o Espírito de Amor, Deus revela o seu segredo mais íntimo “: Ele próprio é eternamente permuta de amor: Pai, Filho e Espírito Santo; e destinou-nos a tomar parte nessa comunhão.

Pode parecer até ridículo em plena uma era chamada moderna falarmos que ainda existe pecado, mas é sim uma realidade que deve ser respeitada principalmente por quem diz professar uma fé em Jesus Cristo. Vemos violência em todos os cantos, guerras, mortes, exploração sexual, exploração social, discriminação, drogas e uma distanciação das pessoas umas das outras e principalmente de Deus. Então é muito bom refletir e avaliar se toda esta dita modernidade é realmente algo bom ou só desculpa para evitarmos o compromisso de seguir o principal mandamento de Cristo: Amar ao teu irmão como a ti mesmo. Fica a reflexão. Deus te abençoe.

Milton Cesar

Ao lermos o que diz o Catecismo nos itens 413 a 421:

“413. «Não foi Deus quem fez a morte, nem Ele se alegra por os vivos se perderem […]. A morte entrou no mundo pela inveja do Diabo» (Sb 1, 13; 2, 24).

414. Satanás ou Diabo e os outros demônios são anjos decaídos por terem livremente recusado servir a Deus e ao seu desígnio. A sua opção contra Deus é definitiva. E eles tentam associar o homem à sua revolta contra Deus.

415. «Estabelecido por Deus num estado de santidade, o homem, seduzido pelo Maligno desde o princípio da história, abusou da sua liberdade, levantando-se contra Deus e pretendendo atingir o seu fim fora de Deus» (312).

416. Pelo seu pecado, Adão, como primeiro homem, perdeu a santidade e a justiça originais que tinha recebido de Deus, não somente para si, mas para todos os seres humanos.

417. À sua descendência, Adão e Eva transmitiram a natureza humana ferida pelo seu primeiro pecado, portanto privada da santidade e da justiça originais. Esta privação é chamada «pecado original».

418. Como consequência do pecado original, a natureza humana ficou enfraquecida nas suas forças e sujeita à ignorância, ao sofrimento e ao domínio da morte, e inclinada para o pecado – inclinação que se chama «concupiscência».

419. «Afirmamos, pois, com o Concílio de Trento, que o pecado original é transmitido com a natureza humana, “não por imitação, mas por propagação”, e que, assim, é “próprio de cada um”»(313).

420. A vitória alcançada por Cristo sobre o pecado trouxe-nos bens superiores àqueles que o pecado nos tinha tirado: «Onde abundou o pecado, superabundou a graça» (Rm 5, 20).

421. «Segundo a fé dos cristãos, este mundo foi criado e continua a ser conservado pelo amor do Criador; é verdade que caiu sob a escravidão do pecado, mas Cristo, pela Cruz e Ressurreição, venceu o poder do Maligno e libertou-o…» (314).”

Ler:

Catecismo da Igreja Católica

Amai-vos-uns-aos-outros-como-eu-vos-amei-(Jo-15-12)_583

20º Encontro (Catequese) – Pecado

Série: Animo, uma nova Catequese (Encontro 20/40)

setepecadoscapitaisdidesomnium

Vigésimo encontro. Metade do nosso cronograma sugerido. Hora de falar sobre pecado. Ponto de discussão hoje em dia, se existe ou não pecado ou tudo pode ser liberado.
Neste encontro vamos falar um pouco sobre pecado, os sete pecados capitais e algumas curiosidades com o número 7.
Como sugestão de inicio do encontro poderíamos fazer nossa oração inicial cantando a música Pai Nosso – Padre Marcelo Rossi que serve muito para fazermos uma abertura mais leve.
Uma sugestão é começar com uma dinâmica simples, pedir um catequizando escreva numa cartolina deixada no chão (vai ser preciso providenciar uma cartolina ou duas e canetões) todas as coisas que os outros catequizandos forem citando que eles consideram erradas. Depois deixar ali para falar um pouco mais adiante.
Falar sobre o número 7 e quantas coisas tem este número que é considerado o número da perfeição:

Falar sobre o que são os Sete Pecados Capitais e explicar que cada um tem sim uma influência na vida de cada pessoa, mas é uma influência que ataca pessoalmente cada pessoa. Avaliar com eles sobre cada uma das coisas escritas na cartolina durante a dinâmica e perguntar se eles consideram ou não pecado.

Lembrar dos 10 mandamentos:

  • 1º – Adorar a Deus e amá-lo sobre todas as coisas.
  • 2º – Não usar o Santo Nome de Deus em vão.
  • 3º – Santificar os Domingos e festas de guarda.
  • 4º – Honrar pai e mãe (e os outros legítimos superiores).
  • 5º – Não matar (nem causar outro dano, no corpo ou na alma, a si mesmo ou ao próximo)
  • 6º – Guardar castidade nas palavras e nas obras.
  • 7º – Não furtar (nem injustamente reter ou danificar os bens do próximo).
  • 8º – Não levantar falsos testemunhos (nem de qualquer outro modo faltar à verdade ou difamar o próximo)
  • 9º – Guardar castidade nos pensamentos e desejos.
  • 10º- Não cobiçar as coisas alheias

Lembrar também dos mandamentos de Jesus:

Amarás o Senhor teu Deus , de todo o teu coração, de toda a tua alma,
e de todo o teu entendimento!’ Esse é o maior e o primeiro mandamento.
O segundo é semelhante a esse:`Amarás ao teu próximo como a ti mesmo’. Mt 22, 34-40   (também em Mc 12, 29-33, Lc 10, 25-28Jo 13, 34)

Refletir sobre estes mandamentos e tudo o que implica a palavra pecado. O maior pecado é dizer não ao plano de Deus para cada um de nós, fechar-se em si mesmo ou abraçar as coisas mundanas (do mundo sem Jesus). Falando que hoje o mundo quer que pensemos no pecado como algo totalmente antiguado e sem cabimento, mas ele existe e junto dele sempre está o inimigo de Deus. Ou não é pecado cobiçar o(a) namorado(a) de outra pessoa? Não é pecado roubar? Matar? Não é pecado ficar se expondo na internet? Um católico(a) de verdade sabe cuidar do próprio corpo evitando drogas (seja qual for, até aquelas que se tomam em academias para desenvolver o corpo, até as bebidas alcoólicas e todas as outras), o corpo é o templo do espírito santo de Deus.

Importante é refletir sem um pré- julgamento ou acusações.

Dois textos bons para reflexões:

Lc 10, 25-37 –  Amar ao próximo (O Bom Samaritano)

Jo 8, 1-11 – Vá e não peques mais (A Mulher Adúltera)

Depois de tudo isso podemos fazer nosso canto final: Certeza do Céu – Comunidade Doce Mãe de Deus e a oração final

folhadeencontromod.3

Sugestão de folha para encontro

Aprofundamento para o catequista

“Tudo me é permitido”, mas nem tudo convém. “Tudo me é permitido”, mas eu não deixarei que nada domine. (1 Cor 6,12)

São Paulo deixa o ensinamento de que tudo é permitido, pois o próprio Deus dá o livre arbítrio a cada um, mas nem tudo convém, pois muitas coisas nos prejudicam ao invés de ajudarem

Um bom exemplo são os sete pecados capitais, que trazem itens permitidos a cada pessoa, porém sem parcimônia ou sem pensar antes de agir levam a destruição

1 – A Gula

Gula é o desejo insaciável, além do necessário, em geral por comida, bebida. Segundo tal visão, esse pecado também está relacionado ao egoísmo humano: querer ter sempre mais e mais, não se contentando com o que já tem, uma forma de cobiça. Ela seria controlada pelo uso da virtude da temperança. Do latim gula

2 – A Avareza

É o apego excessivo e descontrolado pelos bens materiais e pelo dinheiro, priorizando-os e deixando Deus em segundo plano. É considerado o pecado mais tolo por se firmar em possibilidades. Na concepção cristã, a avareza é considerada um dos sete pecados capitais, pois o avarento prefere os bens materiais ao convívio com Deus. Neste sentido, o pecado da avareza conduz à idolatria, que significa tratar algo, que não é Deus, como se fosse deus.

3 – A Luxúria

A luxúria (do latim luxuriae) é o desejo passional e egoísta por todo o prazer sensual e material. Também pode ser entendido em seu sentido original: “deixar-se dominar pelas paixões”. Consiste no apego aos prazeres carnais, corrupção de costumes; sexualidade extrema, lascívia e sensualidade. Do latim luxuria

4 – A Ira

A Ira é o intenso e descontrolado sentimento de raiva, ódio, rancor que pode ou não gerar sentimento de vingança. É um sentimento mental que conflita o agente causador da ira e o irado.

A ira torna a pessoa furiosa e descontrolada com o desejo de destruir aquilo que provocou sua ira, que é algo que provoca a pessoa. A ira não atenta apenas contra os outros, mas pode voltar-se contra aquele que deixa o ódio plantar sementes em seu coração. Seguindo esta linha de raciocínio, o castigo e a execução do causador pertencem a Deus. Do latim ira

5 – A Inveja

A inveja é considerada pecado porque uma pessoa invejosa ignora suas próprias bênçãos e prioriza o status de outra pessoa no lugar do próprio crescimento espiritual. É o desejo exagerado por posses, status, habilidades e tudo que outra pessoa tem e consegue. O invejoso ignora tudo o que é e possui para cobiçar o que é do próximo.

A inveja é freqüentemente confundida com o pecado capital da Avareza, um desejo por riqueza material, a qual pode ou não pertencer a outros. A inveja na forma de ciúme é proibida nos Dez Mandamentos da Bíblia. Do latim invidia, que quer dizer olhar com malícia.

6 – A Preguiça

A Igreja Católica apresenta a preguiça como um dos sete pecados capitais, caracterizado pela pessoa que vive em estado de falta de capricho, de esmero, de empenho, em negligência, desleixo, morosidade, lentidão e moleza, de causa orgânica ou psíquica, que a leva à inatividade acentuada. Aversão ao trabalho, frequentemente associada ao ócio, vadiagem. Do latim prigritia

7 – Soberba (Orgulho ou Vaidade)

Conhecida como soberba, é associada à orgulho excessivo, arrogância e vaidade.

Em paralelo, segundo o filósofo Santo Tomás de Aquino, a soberba era um pecado tão grandioso que era fora de série, devendo ser tratado em separado do resto e merecendo uma atenção especial. Aquino tratava em separado a questão da vaidade, como sendo também um pecado, mas a Igreja Católica decidiu unir a vaidade à soberba, acreditando que neles havia um mesmo componente de vanglória, devendo ser então estudados e tratados conjuntamente. Do latim superbia, vanitas.

O 7 na Bíblia

A semana tem 7 dias, o que tem um significado muito importante, pois quando se chega ao sétimo dia, voltamos ao primeiro e todas as vezes que o sete se “manifesta” indica o fim de um tempo e o início de outro. É como o virar de uma página.

Deus fez o Mundo em 7 dias…
E, havendo Deus terminado no dia sétimo a sua obra, que fizera, descansou nesse dia de toda a sua obra que tinha feito. Gn 2,2

Os 7 anos de fartura e miséria sobre o Egito…
Eis aí vêm sete anos de grande abundância por toda a terra do Egito.
Seguir-se-ão sete anos de fome, e toda aquela abundância será esquecida na terra do Egito, e a fome consumirá a terra; Gn 41,29-30

O Candelabro de Ouro tem 7 hastes…O Candelabro de Ouro tem 7 hastes…
e eis um candelabro todo de ouro e um vaso de azeite em cima com as suas sete lâmpadas e sete tubos, um para cada uma das lâmpadas que estão em cima do candelabro. Zc 4,2

São 7 as manifestações do Espírito de Deus…
Repousará sobre ele o Espírito do SENHOR, o Espírito de sabedoria e de entendimento, o Espírito de conselho e de fortaleza, o Espírito de conhecimento e de temor do SENHOR.  Is 11,2

Sete voltas e as muralhas caíram. Sete sacerdotes levarão cada um uma trombeta de chifre de carneiro à frente da arca. No sétimo dia, marchem todos sete vezes ao redor da cidade, e os sacerdotes toquem as trombetas Js 6,1-5

O profeta Elias fez 7 orações para que chovesse…
À sétima vez disse: Eis que se levanta do mar uma nuvem pequena como a palma da mão do homem. Então, disse ele: Sobe e dize a Acabe: Aparelha o teu carro e desce, para que a chuva não te detenha…Dentro em pouco, os céus se enegreceram, com nuvens e vento, e caiu grande chuva. 1 Rs 18,44-45

O profeta Eliseu pediu para Naamã mergulhar 7 vezes no Rio Jordão…
Então, Eliseu lhe mandou um mensageiro, dizendo: Vai, lava-te sete vezes no Jordão, e a tua carne será restaurada, e ficarás limpo. 2 Rs 5, 10

O segundo boi, de 7 anos, que Deus pediu a Gideão…
Naquela mesma noite, lhe disse o SENHOR: Toma um boi que pertence a teu pai, a saber, o segundo boi de sete anos, e derriba o altar de Baal que é de teu pai, e corta o poste-ídolo que está junto ao altar. Jz 6, 25

Perdoar 70 vezes 7  Esse foi o ensinamento deixado por Jesus. Mt 18, 21-22

As muralhas de Jericó foram rodeadas por sete dias…
Pela fé, ruíram as muralhas de Jericó, depois de rodeadas por sete dias. Hb 11,30

As 7 Taças e os 7 anjos
Ide e derramai pela terra as sete taças da cólera de Deus.
Ouvi, vinda do santuário, uma grande voz, dizendo aos sete anjos. Ap 16,1

As 7 Igrejas…
Quanto ao mistério das sete estrelas que viste na minha mão direita e aos sete candeeiros de ouro, as sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete candeeiros são as sete igrejas. Ap 1,20

Fontes pesquisadas:

  • Bíblia de Jerusalém
  • Catecismo da Igreja Católica
  • Católico Orante
  • Wikipedia

Mais sobre o assunto no Complemento para Estudo nº 12 aqui do blog